terça-feira, 31 de março de 2015

Família é coisa séria

Ontem eu ouvi uma pessoa
que parece ser muito inteligente dizendo
que o amor é imoral.
Fiquei abismada! Como
alguém pode dizer tamanha
atrocidade.
Que relação essa pessoa tem com o amor,
o que ela sabe sobre amor?
Eu vejo muita diferença na relação:
mundo - Deus.
Um não convive bem com o outro, pois, 
o que tem regras bem definidas não vive 
para si.
O amor mundano, se é assim que se pode chamar,
pois os homens assim o define, é desejo, não amor.
O amor, por si só já diz tudo: É o encontro com
o eu profundo, livre da consciência do
sentimento, próximo da perfeição.
Quando deixamos de sentir em relação ao eu,
para sentir em relação ao outro, quando que:
O amor mundano, nos aproxima de nós mesmos,
é a satisfação do eu que leva a relação para a frente,
pouco importa o que o outro sente, o eu precisa
satisfazer-se á qualquer custo.
Entra então, a lascívia, modo de manipular o outro,
através do prazer. faz-se coisas absurdas para conquistar,
não para satisfazer o outro, mas para acorrentá-lo
definitivamente no centro do ego do eu.
Se o amor fosse o único passaporte que nos levasse
a construção familiar, por certo, o conceito família
seria eterno. Mas, como o desejo entra como vilão,
anulando o amor, então, quando o desejo acaba,
 a família se desintegra.
A "cama" acaba se entrepondo a família, E se a "cama" esfria,
o sentimento vira gelo, e o conceito família perde o significado.
Voltando aos tempos primórdios, quando Deus ensinava regras
 familiares, não era a fim de fazer uma vontade Dele, mas,
para que o homem pudesse viver feliz, e em satisfação plena.
Então Ele disse:
-Não é bom que o homem esteja só; farei para ele alguém
que o auxilie e lhe corresponda. (gênesis 2, 3 )
Veja bem: Auxiliar e corresponder!
Quando porém, a mulher incitou o homem a pecar, Deus se desgostou dela e
declarou:
"Multiplicarei grandemente o seu sofrimento
na gravidez;
com sofrimento você dará á luz filhos.
seu desejo será para seu marido, e ele a dominará.(gênesis)
"Não se falou em amor, falou-se em desejo e domínio!"
Mais a frente, já em outro tempo, quando alguns fariseus aproximaram-se de Jesus
para pô-lo a prova. E perguntaram-lhe:
" É permitido ao homem divorciar de sua mulher por qualquer motivo?"
Ele respondeu: "Vocês não leram que, no princípio, o criador os fez "homem e
mulher" e disse: - Por essa razão, o homem deixará pai e mãe e se unirá
a mulher, e os dois se tornarão uma só carne? Assim eles já não são dois,
mas sim uma só carne, portanto, o que Deus uniu, ninguém separe." (Mateus 18, 19)
 Perguntaram eles:- Então por que Moisés mandou dar uma certidão de divórcio
á mulher e mandá-la embora?
Jesus respondeu:- Moisés permitiu que vocês se divorciassem de suas mulheres
por causa da "dureza de seus corações!"
Mas não foi assim desde o princípio. Eu lhes digo que todo aquele que se divorciar
de sua mulher, exceto por imoralidade sexual, e se casar com outra mulher, estará
cometendo adultério.
Os discípulos lhe disseram: -"se esta é a situação entre homem e sua mulher, é
melhor não casar."
Jesus respondeu: - Nem todos tem condições de aceitar esta palavra; somente
aqueles a quem isso é dado. Alguns são eunucos porque nasceram assim; outros
foram feitos assim, pelos homens; outros ainda se fizeram eunucos
 por causa do reino dos céus. Quem puder aceitar isso, aceite!" (mateus 18, 19)
"Aqui também não se falou a palavra amor, e sim, de união)
Mais a frente também é citado:
Mulheres, sujeite-se cada uma a seu marido, como ao Senhor,
pois o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da
igreja , que é o seu corpo, do qual Ele é o salvador.
Assim como a igreja está sujeita a Cristo, também as mulheres
 estejam em tudo sujeitas aos seus maridos. (Sujeição de um a outro)
Da mesma forma,  os maridos devem amar cada um a sua mulher
como o seu próprio corpo. Quem ama a sua mulher, ama a si mesmo.
 Além do mais,, ninguém jamais odiou o seu próprio corpo, antes o alimenta
e cuida, como também Cristo faz com a igreja. (Efésios 4, 5)


" Amor, cuidado, alimento, isto tudo faz parte do sincero sentimento que
deixa de ser puramente humano para se aproximar do Celestial.
Porém, o mundo distorce os bons ensinamentos, para colocá-lo no patamar
do desejo e satisfação, fazendo com que o que era para ser puro, torne-se
impuro, dai cai no que a mulher disse; "O amor se torna imoral!"
E a própria palavra que é boa cai no descrédito quando os homens passam
a acreditar que a mulher foi feita só para lhe dar prazer. E consequentemente,
na revolta que gera, elas passam a acreditar que podem dar o troco.

E quem mais sofre são os frutos dessa sociedade perversa, que só pensa em si,
descartando os filhos como se fossem objetos, não lhes dando a menor
chance de crescer em família. Porém, um dia esse desejo passa, e ai, você olhará
para traz e dirá: Meu Deus, o que foi que eu fiz?

Herta Fischer








segunda-feira, 30 de março de 2015

Pobre homem só

Sabe! as vezes me ponho a perguntar:
Como não crer em Deus?
Troquei de casa, comprei novos móveis, estendi
minha cama com seda, e nela eu descansei.
Vi tudo mudado: cores diferentes, muitas luzes,
mas, dentro de mim, nada se renovou.
Fui então, em outros lugares: luxo, comida boa,
gente bonita, mas, eu, continuei na mesma.
Troquei de amigos, beijei outras bocas, tracei novos
horizontes, sem nunca me satisfazer.
Voltei, me casei, tive filhos, vivi de uma
forma diferente, tentei não brigar, mas, de
que adiantou, embora o cobertor fosse
quente, ainda sentia frio.
Mudei a aparência, pintei os cabelos, comprei novas maquiagens.
roupas caras, desperdicei muito tempo, e nada... nada
disto me acrescentou.
O vazio estava presente, sempre presente, não havia
lugar bom para estar. pela manhã. o riso, pela tarde,
solidão e tristeza.
A sensação de aconchego terminava rápido, assim como
quando a gente está comendo uma refeição muito gostosa,
e quando ela se acaba, vai com ela o prazer.
Eu ficava a perguntar: A vida é só isto?
Algumas faíscas de alegria entre um grande pedaço
de sofrimento?
O que eu levo, Senhor, O mesmo que trouxe?
O único momento bom que eu vivi, foi enquanto  ainda
 era criança, sobre a supervisão dos meus pais,
quando minha única tristeza era ficar longe deles.
E agora, quando já se foram, e  eu ainda insisto a
viver esta miserável vida, mesmo sabendo que
nunca mais os encontrarei em lugar algum.
O que esperar então? Um monte de terra em cima,
e mais nada?
Algumas mesclas de céu num mar de nuvens, trabalho,
querencia do que passa, do que se repete, quando
não se é mais?
Tanto se corre para não chegar. toda delicadeza com
que se vive, apenas se vai sem respostas?
Que pobreza se fosse só isto!
Que tristeza! se plantássemos, plantássemos sem
nunca haver colheita, seria como aquela criança
que morreu  ainda no ventre,sem nunca ter visto a luz
Mesmo que tivéssemos sentido todos os prazeres, mesmo
que todos os desejos fossem realizados, mesmo assim,
ainda não veria sentido sem a grande promessa de Deus.
Sem Deus, eu seria um homem sem Pátria, um pobre
homem órfão, sem ter porque fazer, ou onde cair.

Herta Fischer











Alegria de crer

Já dizia alguém:
Não tente desvendar mistérios, não
se profane com objetos idolatras.
Não busque soluções com quem faz
coisas abomináveis.
Procure conhecer Deus, e o que Ele quer.
A sua base é a sua fé!
Neste mundo, conta-se que na fé, assim como no amor,
é tudo válido, mas é mentira!
O enganador quer nos afastar do bom caminho,
e usa nossas fraquezas para nos afastar da luz.
Procure entender o que Cristo fez por nós, o
porque de seu sacrifício,
e qual é o caminho?
"Eu sou o caminho, a verdade e a vida!" (Cristo)
Se ele é o caminho: são os seus ensinamentos
que nos levam ao Pai.
Se ele é a verdade: Nele, isto é, nos espelhando
em seus feitos, encontraremos o caminho.
Se ele é a vida: por meio dele e com ele, herdaremos
a vida eterna. Pois primeiro, foi ele a cumprir
todas as determinações do Pai, na obediência, na aceitação
do viver terreno, como teria que ser, sem se desviar para
obter compensações terrenas, mas esperando em Deus, acreditando
que: a carne não é nada.
Homens santos viveram em meio a homens terrenos, para que homens
terrenos pudessem se aperfeiçoarem e chegarem a ser homens santos
Quando alguém fala algo diferente, deliberadamente, ou não, nem é
por culpa dele, e sim, do maligno que o usa para nos afastar DO VERDADEIRO.
Assim como através dos discípulos, o inimigo tantas vezes tentou dissuadir o senhor
Jesus a cumprir sua missão. No qual, fortemente. ele próprio repreendia: " Sai de reto, satanás!"
Os empecilhos que, em larga escala, nós provamos durante a nossa estadia na carne, são
exatamente. um motivo para nos desviar da plena verdade que é Cristo.
Cristo não é como um atendente de loja, ou um amigo comum, capaz de nos trair. Ele é
o primeiro Filho De Deus, e como filho que ama ao Pai e a suas criaturas. Na obediência
de quem ama, atendeu ao pedido do Pai, e se entregou ao mundo, para nos
arrancar do poder que nos dominava, O pecado!
Você há de me perguntar: Então. agora posso fazer o que eu quero, que não me torno culpado?
Ai, eu respondo: Cristo é a boa consciência de cada um. Quando o buscamos, pela palavra,
e cremos fielmente ser ele o Filho de Deus, e que, través dele, e por meio dele, nós podemos
também pertencer a mesma família, porque ele desceu do céu, e se formou homem por nossa
causa, viveu e sofreu como qualquer um de nós, cumpriu toda determinação de Deus, nunca
se fez de vitima, sofreu e morreu dignamente, com a única finalidade de nos salvar das mãos
do inimigo.
E quando o inimigo ficou feliz, por pensar ter atingido o seus objetivos, Ele foi levantado
do seu tumulo, restaurado e vivo, rindo da morte, e daqueles que o mataram.
Ressurgiu da morte, e como o Pai lhe havia prometido, deu-lhe um lugar de destaque,
em honra subiu ao céu e se assenta a direita de Deus, recebendo do pai o cargo de juiz.
"Donde há de julgar os vivos e os mortos!" (bíblia)
Então, o que nos cabe?
Que honra Ele merece, depois de fazer tantos sacrifícios por nós?
-Que nós, também possamos, fazer o mesmo, sacrificar-nos pelos nossos irmãos
terrenos!
E com o mesmo amor que nos amou o Pai e o Filho, possamos também amar os semelhantes,
aceitando de bom grado os sacrifícios que isto impõe. para estarmos com ele no dia do
julgamento final, quando ele nos chamará pelo nome..Irmãos!
Como filhos obedientes, assim como o primeiro Filho o foi, estejamos consciente
de nossos deveres carnais, sem negligenciar esse nosso novo estado, a saber..vivos,
por meio de Cristo, fazendo a vontade de Deus em todo o nosso proceder diário, pois
Cristo nos sustenta e nos auxilia, jamais nos colocará sobre os ombros um fardo maior
do que aquele que possamos suportar.
Siga em frente, cumpra seu dever, mas principalmente se alegre em crer.
Essa alegria é diferente de todas as alegrias que possa sentir, é uma alegria
que nenhum sofrimento aparente consegue arrancar do teu coração.

 Herta Fischer










.






sábado, 28 de março de 2015

Além do que se vê

Adão e Saul  foram enganados pelo próprio coração quando foram contaminados, quando decidiram ouvir a voz do inimigo.
 A palavra diz em Jeremias 17.9 que “o coração é mais enganoso do que todas as coisas e perverso quem o conhecerá?” O coração de ambos desejou o que Deus proibiu. Provérbios 4.23 diz: “sobre tudo o que se deve guardar guarda o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida”. Engana-se quem confia no seu próprio coração. Por isso o diz no Salmo 57.7 “firme está o meu coração, ó Deus o meu coração está firme”. E também diz no Salmo 119:11 “escondi a tua palavra em meu coração para eu não pecar contra ti”. O nosso coração precisa ser esconderijo da palavra do Senhor, não é um lugar de ira, rancor, mágoa, falta de perdão, pecado, desobediência, mas é onde devemos guardar a palavra de Deus.
Eu sinto em mim a necessidade de falar de Deus, sem a palavra que vivifica, somos
os mais infelizes dos mortais, pois nela ( a palavra) está uma melhor forma de vida.
Quando obedecemos, pelos princípios que nos foram revelados, ou pela
lei dos homens, também sobre revelação, pois não há nada que se cria sozinho,
tudo o que o homem aprende, embora pareça vinda pela sua inteligência, nada mais
é do que Deus em transito.
Sem lei, sem direção, os homens provavelmente se matariam, e nada se faria no mundo, tudo
o que existe, não existiriam sem regras, nem coexistiriam, sem a ação do próprio criador.
Quando eu era menina, eu andava conforme o costume dos meus pais,  eles ditavam as regras,
e assim como eles conheciam, nos ensinavam.
Depois que cresci, e me envolvi com o mundo e com diversos tipos de pessoas, eu tive que
me virar, para encontrar as minhas formas, forma de entender os porquês , forma de me livrar
das dores, ou evitar por meio do conhecimento, como me comportar diante dos homens. e
principalmente, diante de mim mesma.
Eu sempre senti que precisava de algo mais, só o trabalho, o namoro, os amigos não
me satisfaziam. mesmo que tivesse tudo, ainda estaria me faltando o principal.
Eu não sabia bem ao certo, o motivo daquele vazio, mas havia uma força em mim, que não vinha de mim. Eu sentia que algo muito superior me fazia procurar por respostas.
Então, Deus realizou o seu trabalho; Primeiro comecei a ler a bíblia, mas não entendia, para
mim, era apenas uma história bonita de um povo cujo Deus estava com eles.
Escreveu suas leis, demarcou terras, os colocou sobre um limite, que não era, para todos
os homens, e sim, para aqueles que ele próprio escolheu.
Eu me via fora, e me entristecia, pois eu também queria esse Deus para mim.
Não queria ficar frequentando um determinado local, onde as pessoas, automaticamente,
se encontravam, á meu ver, sem objetivo algum.
Precisava de algo que fosse além disso, que me arrancasse de dentro de mim, que me chacoalhasse
e me fizesse sentir o próprio sentido.
Não me conformava com o sofrimento, com as desigualdades, com a morte, com as injurias, e principalmente com algumas atitudes humanas.
Conseguia perceber na sociedade uma forma mentirosa de viver, fazia-se de conta, nada parecia
verdadeiro.
Meu espírito ficava agitado, cada vez que me encontrava com a palavra, embora não a entendesse,
me era "muito maravilhosa", demais para mim.
Fui vivendo minhas experiências como qualquer mortal, e varias pessoas que costumavam
"encontrar-se com Deus em algum lugar" me incitavam a ir com eles. Quando não ia, e acontecia
algo desfavorável na minha vida, diziam que era pela falta de Deus, e que, eu também deveria procurá-lo.
Mas, procurá-lo onde?
Onde as pessoas costumavam procurá-lo, eu não o encontrava. Eu só encontrava pessoas
que, arrogantemente, faziam-me pensar em inferioridade. Como pode; Ele se mostra à todos,
menos para mim? Embora eu me emocionasse toda vez que ouvia os ensinamentos bíblicos.
Foi então que, aos quarenta e poucos anos eu comecei a investigar por mim mesma. (Até hoje faço
isso) e descobri algo maravilhoso. Não precisaria mais me esforçar para mudar quem eu era, nem
me desesperar por ter sido quem eu fui. Deus era comigo.. Por meio de Cristo, eu fui aceita.
E tudo o que eu vivi, tudo o que o outro vive, seja do meu lado, ou distante, seja no meu país
ou em outros, fazem parte de algo muito maior do que a forma que vejo, ou que sinto.
Eu vi o mundo se modificando tão drasticamente, dentro e fora de mim, comecei a observar melhor
toda a existência, e a existência como um todo.
Passei a entender ciclo da vida no conceito de Deus, não no conceito religioso que os homens pregam, pois ninguém
nunca me ensinou a viver, no entanto, eu vivo, então, os conceitos humanos na religiosidade
é falho, pois não faz com que os homens se aproximem de Deus, muito pelo contrario, os fazem negá-lo.
Eu também duvidei em certos momentos, quando via e ouvia falar de fome, de fracassos, de
pessoas morrendo por falta de alimento, eu pensava; Que Deus é este, que não faz nada?
Pensava nas diferenças entre um e outro. porque uns tinham mais, e outros menos, por que
uns eram mais inteligentes que outros, ou ainda, por que crianças morriam, ou nasciam defeituosas?
Este mundo tão injusto e tão discriminatório, não cabia  um Deus de justiça!
Foi ai que me veio, através da palavra, um entendimento muito além da minha fraqueza, e também dos conceitos fracos que se prega entre os homens.
Que Deus prova os homens, que Deus não é um homem, portanto, não pensa como um, que existe
propósito para tudo e para todos, embora, ainda, para muitos, seja incompreensível.
Não teria, e não faria sentido algum, nascer e morrer, para depois não se ter lembrança de nada, não
faria sentido algum, tentarmos entender a história, conservar patrimônios para outras gerações, sendo
que, de alguma forma, tudo se renova em todo tempo.
De que serviria a vida neste ciclo sem fim, se algumas espécies já forma extintas, por certo, em
algum momento da história, o homem também encontraria o seu momento de extinção.
Não haveria nenhum propósito se não houvesse um Deus.
Assim como também é inadmissível pensar em uma forma de vida em outros planetas, se nem sequer possamos chegar até ele?
Essa forma de viver e  de conviver das espécies foram montadas por uma inteligência superior, pois
se realmente viesse de outro planeta, ou do próprio homem, eu confesso, não sei no que daria, pois
o homem não tem limites.
Se não conseguimos sequer  nos entendermos como homem, como sondar a mente de Deus?
Tudo isto eu aprendi, me perguntei, e obtive resposta.
O que temos que fazer?...apenas viver!
Viver da melhor forma possível, em respeito mútuo, cumprindo com as obrigações que o
mundo de regras nos impõe, não devendo nada a ninguém.
Nossa taça vem cheia, e temos que tomá-la, assim como O Senhor Jesus dizia: " ninguém a tomará por mim!".
Até que tudo se cumpra: a vontade de Deus e o tempo.
Quando enfim, a palavra se cumprirá, mesmo que ainda exista pessoas buscando respostas, tudo se fará, conforme foi dito.
Não muda nada, nem o fato de crer ou não crer. apenas o cumprimento da profecia. E nós que
por certo "estaremos dormindo no senhor" ( aparentemente mortos), seremos ressuscitados para
realmente pertencer a Deus.
Até que tudo se cumpra, para mim, especialmente, continuarei a jornada com uma certeza:
O que se mostra, ou se prega no mundo atual, está longe de ser verdade. E quanto mais
tentam exercer o papel de mestres, mais se fazem mentirosos. Cristo é o único mestre. Quando
passamos a viver como filhos,  e não mais como bastardos, então haveremos de fazer a vontade
do Pai. Cristo é a primazia, que enfrentou o sofrimento, a ofensa, a injuria, para nos mostrar que, sim, é possível  vencer o mundo. Este é o caminho verdadeiro.
Então, como filhos de Deus que somos, que possamos através da obediência, não mais nos
envolvermos com  princípios fracos que não trazem outra razão que não seja dissolução, discriminação e exaltação humana,
Que possamos viver a nossa história, entendendo a vida como algo que está além dos olhos,
muito além do que se vê.

Herta fischer
































sexta-feira, 27 de março de 2015

Sonho permanente

Sabe! Estou cercada de coisas..bonitas até.
É! De onde venho, parece-me o paraíso.
Mas não é! tenho saudade do tempo em
que fazia minha casinha em cima de um ingazeiro,
e sobre ele, colocava foguinho de ilusão.
Como conversava com a sorte, não existia nada além
daquele momento, acompanhada da mais leal fantasia.
Era o príncipe, era o sapo, era eu, era a mágica que
cada criança traz em si.
Conversar com a árvore e elaborar respostas, cair na gargalhada,
acompanhando o sorrir dos galhos.
A noitinha, enquanto tudo dormia, e as estrelas depertavam,
lá estava eu a falar com elas.
Como brilha minha amiga, não se importa que ninguém te veja, só eu,
em minha breve estadia, ainda estou aqui, a olhar por ti.
E todas elas sorriam, no tilintar das luzes, como mariçoca
apaixonada, eu as amava.
Queria estar lá, entre elas, e poder brincar de esconde esconde entre
as nuvens sapecas, mas, coitada de mim, só conseguia admirá-las de
longe.
então, pensava comigo: luz chama luz!
Pegava minha lamparina pequena, colocava pertinho de mim,
e elas vinham em forma de vaga-lumes, e era uma correria sem fim.
Quem disse que sonho não se realiza, não sabe o que é ter uma estrela
nas mãos, e eu conseguia pegá-las e colocá-las em meu abrigo
feito de estopa surrada, fazendo de conta que eram carros, andando
de lá para cá, na minha doce cidade de mentirinha.
Depois que a brincadeira acabava, eu as soltava, e elas subiam felizes
na imensidão que as trouxe.
Íamos dormir, eu e elas, e o mundo sereno, que conservava a meiguice
da face de uma criança sonhando em ser espaço, só para segurar
o sonho nas mãos.
Que belo hino, Senhor! que belo hino! que faz lágrimas brotarem nos
olhos, vindo não sei de onde. Talvez brote desta saudade que insiste
em me transformar novamente numa criança esperançosa, de ser
adulta feliz.

Herta Fischer


Alegoria

De onde arrancar forças?
Quem me dá o sustento dia a dia?
Se não sou eu a empurrar pedras,
quem me auxiliará?
Há muito tempo, iniciei minha jornada,
andei por ladeiras imensas, meus pés
me levavam, e, sem canseira, descia em disparada.
não precisava usar a força, nem muita sabedoria,
a gravidade me chamava, e eu, ia.
Tudo o que estava abaixo não me intimidava,
pois meus joelhos não precisavam dos ligamentos,nem
suportar limites.
Até que se iniciou a subida.
Eu olhava para cima e só via um amontoado
de pedras, até para dar o primeiro passo,
tinha que ser bem medido.
Qualquer que fosse a decisão, por melhor
que fosse, ainda me convinha pensar.
Tudo poderia vir abaixo, a qualquer momento,
e levar a minha consciência. Foi então, que]precisei clamar
a sabedoria: - venha! estou disposta a te escutar.
- Pise! disse-me ela: - um pé de cada vez, veja se
está segura, se não há nenhuma pedra solta.
Não olhe para baixo, nem se assuste com barulho, apenas use
a intuição.
E a cada passo que dava, meus pés se amedrontavam, e minhas
mãos gritavam de dor. Não é fácil subir, não é nada fácil chegar
onde se quer.
Ninguém por lá, todos á minha volta estavam lidando com suas próprias
limitações, de quando em quando alguém sondava-me para ver se
eu não caia, ou se estava muito â  frente.
Pedras rolavam, e como um equilibrista, precisava me desviar,
as vezes, uma me acertava a cabeça, ou passava muito perto, assoviando
em seu prazer.
Não dava tempo para ser tola, tinha que me prender a sabedoria, de tal forma,
que não á perdesse.
E fui desbravando a mim mesma. transformando cada escorregão em força,
cada gota de sangue que caia, mais e mais me incentivava.
Na metade do caminho, alguns se aliaram a mim, nos auxiliávamos mutuamente,
embora, alguns tentassem mutilar os esforços.
Lá em cima está o prêmio, ainda o vejo por lá, ou melhor: agora eu consigo
enxergar, já não estou muito longe.
Só mais alguns passos, com esforços redobrados, me sinto muito
cansada. Mas a fadiga mais uma vez se transforma em sabedoria, e é ela, quem
me leva.
Se ela me leva, me sinto bem, chegaremos e tomaremos posse do que é nosso,
pois valeu a pena todo peso da carga, todos os ligamentos desgastados, pois
quando chegar ao topo, não mais precisarei deste corpo que me levou, nem
de todo o resto que o sustentou.

Herta Fischer












Pobreza humana

Meu Deus, como estamos vulneráveis a criticas!
Parecemos com boizinhos prontos para ir
ao matadouro.
Não encontramos mais pureza em nós mesmos,
somos como  raiz fraca, que ao primeiro sopro
despenca.
Cadê os bons princípios?
Por onde anda a vergonha. O que se vê, é descaramento.
Cada um defendendo-se com suas varas prontas para açoitar,
sem piedade, sem amor.
Sinceramente, isto não é questão de mais ou menos idade, isto
é questão de educação.
A bandeira vermelha significa sangue, o martelo significa
açoites, e quem é dominado, também se vê na obrigação
de dominar.
Já pedi aos céus minha reclusão, quero ir para onde
quase ninguém vai, para estar livre da contaminação
dos maus.
Nada funciona direito. O direito se entortou, e ninguém há
que o detenha.
E os bons são perseguidos, e os perseguidores seguem
em segurança.
Estamos numa rota sem saída, e nos amontoamos
em lamentos, parece estar tudo bem,, mas não está.
Por enquanto, ainda há sorrisos, pois os estômagos estão cheios,
e a casa arrumadinha. Quero ver se isto faltar?
O ninho é de palha, facilmente se incendeia, pense nisto?
Quando a desonra toma conta em grande proporções, vem
a justiça, e a justiça não será nada agradável,, julga,
condena e executa.
Estão todos de braços cruzados diante do mal, e quando perceberem
será muito tarde, porque o mal tem aparência boa, até enganar,
 depois que atinge seus  reais objetivos, inicia a matança.
Tem muitas pessoas dando tanta importância ao corpo,
que é capaz de destruir ideias.
Os que pretensiosamente fazem o bem, mentem, pois
o fazem para um, e danifica o outro.
Estamos conhecendo o "homem natural" homem sem Deus, homens
que se negam conhecê-lo, e se colocam no lugar Dele como reis
terrenos.
Terrível é cair na mão do homem, pois agem sem misericórdia,
prefiro mil vezes me colocar na mão de Deus, mesmo quando
me pedem para não acreditar.
"O vazio", como muitos pensam, é melhor que a casa
cheia de ratos.
Já pensei em sumir, não quero fazer parte deste sistema falido
e desrespeitoso, é preferível, mil vezes, ser um andarilho
a comer grama, do que um verme dentro de um palácio.
Quero preservar em mim o bom conselho do Senhor, eu, pelo
menos, quero seguir e morrer em paz.
E para quem não crê em Deus, pelo menos, respeite o
homem, seu companheiro, porque  depende dele.  Se
estiver só, seu dinheiro e sua arrogância não lhe servirão
de nada. O tumulo também te espera!

Herta Fischer









quinta-feira, 26 de março de 2015

Um apelo a perseverança

Bom! como sempre gosto de fazer, intercalado com minhas
elucidações fracas. Ai vai, mais um versículo da palavra Santa.

O sacrifício de Cristo é definitivo
A lei traz apenas uma sombra dos benefícios que hão de vir , e não
a sua realidade.
Por isso ela nunca consegue, mediante os mesmos sacrifícios
repetidos ano após ano, aperfeiçoar os que se aproximam para adorar.
Se pudesse fazê-lo, não deixariam de ser oferecidos?
Pois, os adoradores, tendo sido purificados uma vez por todas,
não mais se sentiriam culpados de seus pecados. contudo, esses sacrifícios
são uma recordação anual dos pecados, pois é impossível que
o sangue de bodes ou de touros tire pecados.
Por isto, quando Cristo veio ao mundo, disse:
"sacrifícios e ofertas não quiseste,
mas um corpo me preparaste;
de holocaustos e ofertas
pelo pecado
não te agradaste.
Então eu disse:
Aqui estou,
no livro está escrito
à meu respeito;
vim para fazer a tua vontade ó Deus"
primeiro ele disse: "sacrifícios e ofertas,
holocaustos e ofertas pelo pecado não quiseste,
nem deles te agradaste" ( os quais eram feitos conforme a lei)
Então acrescentou: aqui estou; vim para fazer a tua vontade". Ele
cancela o primeiro para estabelecer o segundo. pelo cumprimento
dessa vontade fomos santificados, por meio do corpo de Jesus Cristo, oferecido
uma vez por todas.
Dia após dia, todo sacerdote apresenta-se e exerce os seus deveres religiosos;
repetidamente oferece os mesmos sacrifícios, que nunca pode remover
os pecados. Mas quando este sacerdote (Jesus Cristo) acabou de oferecer,
para sempre, um único sacrifícios pelos pecados, assentou-se a direita de Deus.
Dai em diante< ele está esperando até que os seus inimigos sejam colocados
sobre o estrado dos seus pés; porque por meio de um único sacrifício,
ele aperfeiçoou para sempre os que estão sendo santificados.
O Espírito Santo  também nos testifica a este respeito. Primeiro Ele diz:
" Esta é a aliança que farei com eles,
depois daqueles dias,
diz o Senhor.
Porei as minhas leis
em seu coração
e as escreverei em suas mentes.
E acrescenta:
"Dos seus pecados e iniquidades
não me lembrarei mais"
Onde estes pecados foram perdoados, não há
mais necessidade de sacrifício por eles.

Portanto, irmãos, temos plena confiança para entrar no
Santo dos Santos pelo sangue de Jesus Cristo, por um novo
e vivo caminho que ele nos abriu por meio do véu, isto é,
do seu corpo.
Temos, pois, um grande sacerdote sobre a casa de Deus. Sendo assim,
aproximemo-nos de Deus com um coração sincero e com plena convicção
de fé, tendo os corações aspergidos para nos purificar de uma consciência culpada,
e tendo os nossos corpos lavados com água pura.
Apeguemo-nos com firmeza à esperança que professamos,
 pois aquele que prometeu é fiel.
E consideremos uns aos outros para nos incentivarmos ao amor e
às boas obras. Não deixemos de nos reunirmos como " igreja",
( A igreja somos todos nós) segundo
o costumes de alguns, mas procuremos encorajar-nos uns aos outros,
ainda mais quando vocês veem que se aproxima o Dia.
Se continuarmos a pecar deliberadamente
depois que recebemos o conhecimento  da verdade,
já não resta sacrifícios pelos pecados, mas tão-somente
uma terrível expectiva de juízo e de fogo intenso que consumirá
os inimigos de Deus.
Quem rejeitava a Lei de Moisés morria sem misericórdia pelo depoimento de
duas  ou três testemunhas. Quão mais severo castigo,
julgam vocês, merece aquele que pisou aos pés ao Filho de Deus, profanou
o Sangue da Aliança pelo que foi santificado, e insultou o Espírito da Graça?
Pois conhecemos Aquele que disse: "A mim pertence a vingança, e eu retribuirei"; e
outra vez: "O Senhor julgará o seu povo". Terrível é cair nas mãos do
Deus vivo!
Lembrem-se dos primeiros dias, depois que vocês foram iluminados,
quando suportaram muita luta e sofrimento. Algumas vezes vocês foram
expostos a insultos e atribulações, em outras ocasiões fizeram-se solidários
com os que assim foram tratados.
Vocês se compadeceram dos que estavam na prisão e aceitaram alegremente
o confisco dos seus próprios bens, pois sabiam que possuíam bens superiores
e permanentes.
Por isso, não abram mão da confiança que vocês tem; ela será ricamente
compensada.
Vocês precisam perseverar, de modo que, quando tiverem feito a vontade de Deus,
recebam o que Ele prometeu, pois em breve, muito em breve
      "Aquele que vem virá;
e não demorará.
Mas o meu justo
viverá pela fé.
E, se retroceder,
não me agradarei dele.
Nós, porém, não somos dos que retrocedem
e são destruídos, mas dos que creem e são salvos. (Hebreus 9, 10) NVI

"Ouvindo estas palavras me sinto feliz como no dia
do primeiro amor, quando senti em mim a reciprocidade de um
sentimento!"

Herta Fischer







A vida é um túnel...O que encontraremos lá no final é que vale.

Que mundo tão grande, e eu procurando
um espaço.
Só preciso de um metro quadrado,
não mais. Isto para caber, minha
pessoa e minha história.
Pois é?
Novamente abordo o assunto
sobre felicidade. Se formos analisar
a felicidade como bem estar permanente,
então, veremos o quão longe ela se encontra.
Pois sabemos que a vida é um vira e se revira,
num ciclo onde não há como obter poder
para mudar o sentido, nem nos livramos dos
acontecimentos.
Ora, uma descoberta contrária sobre alguma pessoa, ora,
um espinho na sola do pé, ora, uma doença genética, ora,
um "amor" frustrado, etc...
Quando tentamos nos curar, o mal fica exposto.
É isto que precisamos eliminar, a vontade de mudar
o que efetivamente já está feito.
A felicidade é um bolo que não foi virado, pois exemplifica
o não saber a condição a se seguir,
por isto, é considerado momentos.
É como aquele momento que alguém se mostra interessado,
e automaticamente a gente também se interessa, a
importância que damos a pessoa que se mostra interessada
em nossa pessoa, nos faz vibrar, não porque estamos
amando, mas porque, o valor que damos à nós mesmos
está naquele momento, compensando a inferioridade
que quase sempre sentimos.
Temos a necessidade de sermos querido, de chamar atenção,
isto é  ideologia de todos. Somos o principal foco
do ideal. fazemos, para  que os outros nos aceitem, não
suportamos sequer a ideia do desprezo.
Valorizar demais uma situação, marca. E esta marca fica
impregnada até o momento em que chegamos a conclusão
de que o tempo apaga.
Ao nos sentirmos felizes com a juventude, devemos estar
cientes, que este estado vai mudar com o tempo, esta conciência
vai nos levar a sentir a mesma felicidade ao passar dos anos.
Entender bem os processos da vida, e aceitar as mudanças como
algo bom, precede autocontrole sobre os próprios sentimentos,e
efetivamente não ficamos cultuando relacionamentos perdidos,
ou tempo passado.
Não podemos mudar o marco dos limites: somos como as ervas do
campo, nascemos, murchamos e morremos. Quem não se dá bem
com essa realidade, por certo há de se morrer infeliz.
Todo esplendor passa, nascemos para morrer, e no final,
a felicidade já não importará. Contaremos mesmo com
a felicidade de ter vivido, mesmo que seja a Deus dará, cada
um com a sua história, de desejos reprimidos, de dores e lamentos,
mas com a certeza de que, mesmo assim, valeu a pena, pois vamos
sair com a certeza de que fizemos parte do processo.
Mesmo que não tenha sido da forma sonhada, mesmo
não conseguindo tudo que queríamos, mesmo assim, vamos
nos despedir com a certeza, de que, como não se sentir importante?
 Um dia foi plantado em algum lugar,  teve todas as condições para
 seguir, conduzida por uma mão tão
poderosa, que lhe permitiu estar dentro dos seus planos.
Porque, se não tivesse nascido, não teria do que reclamar,
mas, porque nasceu, fez parte com todos os seres, cuja
única finalidade é participação.

Seja feliz! a felicidade é motivo da vida e não de suas consequências, pois as
consequências que, as vezes, se tornam problemas, são facilmente
absorvidos pelo próprio tempo que passa, e de alguma forma, querendo, ou
não, tudo se extingue e perde seu valor.

Herta Fischer














quarta-feira, 25 de março de 2015

A difícil luta contra as injustiças

Mais um bom dia!

Ando meio ocupada, cuidando do meu jardim.
Já escolhi as boas sementes, agora é só
plantar.
Estou emergindo de dentro de mim, para
por para fora, pessoas e coisas que não acrescentam,
agora, só rosas.
Tenho por certo, que, certas pessoas podem nos causar
muitos danos, se não estivermos com a plena
consciência de que: Deus é essa consciência, Porém,
 quando damos margem a atitudes erradas, querendo
nos defender a todo custo da dor, nos enfiamos
em espinheiros, contrariando os bons princípios
que Deus plantou em nós.
Lembra-se  do milagre da multiplicação dos pães?
Quando o povo teve fome e os discípulos do Senhor
Jesus lhe perguntou: Como alimentaremos essa multidão?
 E o Senhor perguntou quantos pães haviam, e eles
responderam: Cinco pães e dois peixes!
E ele disse: Distribua-os em cestos, deixando
seus seguidores de queixo caído.
No entanto, foi feito conforme sugestão, e deram
de comer a todos, e ainda sobraram vários cestos cheios.
Isto é um alegoria da fé efetiva, a fé de conteúdo,
quando a gente tem pouco, mas distribui com alegria,
dá e ainda sobra.
É isto que devemos plantar em nosso dia a dia. de dois
fazemos cinco e assim por diante.
Se temos pouco para dar, devemos dar tudo, que ainda
sobrará suficientemente em nosso cesto para nós e para
muitos.
Eu sei que, decorrente da ganância excessiva, nascem-se
injustiças.
E se a injustiça se torna demasiada, por certo, nos tornaremos
injustos também. Dizem: "Se não pode lutar contra ela, junte-se
a ela!"
É muito difícil continuar no mundo, quando o mundo age contra
nós. Assim também, torna-se difícil calar a boca, quando a vontade
é de gritar.
Eu tenho o hábito de ler a bíblia, e tudo o que foi dito, por intermédio
dos homens santos de Deus, os profetas, e apóstolos, continham grande
verdade, e se observarmos nos dias atuais, parece que estão falando conosco.
Não somos israelenses de sangue, mas espiritualmente, passamos a ser,
por meio da adoção como filhos, por meio de Cristo.
 Eis a queixa de Habacude; É também a minha queixa, e provavelmente
a sua.
"Até quando, Senhor,
clamarei por socorro,
sem que tu ouças?
Até quando gritarei a ti: Violência!"
sem que tragas salvação?
Por que me fazes ver injustiça,
e contemplar a maldade?
A destruição e a violência estão diante
de mim;
há luta e conflito por todo lado.
Por isso a lei se enfraquece
e a justiça nunca prevalece.
Os ímpios prejudicam os justos,
 e assim, a justiça e pervertida."

   ( Resposta do Senhor a Habacude)

Então, o Senhor me respondeu:
"Escreva claramente a visão em tábuas,
para que se leia facilmente.
Pois a visão aguarda um tempo
designado;
ele fala do fim e não falhará.
Ainda que demore, espere-a;
porque ele certamente virá e não se atrasará.
Escreva: O ímpio ( Impio significa desumano, desnaturado, insensível. É aquela pessoa que não tem piedade, que age cruelmente. Um indivíduo impio é uma pessoa indiferente, intolerável, que pratica barbaridades, que tortura.) está envaidecido;
seus desejos não são bons; mas o justo viverá pela sua fidelidade.
De fato, a riqueza é ilusória, e o ímpio é arrogante e não descansa;
ele é voraz como a sepultura e a morte.
Nunca se satisfaz;
apanha para si todas as nações
e ajunta para si todos os povos.
 "todos esses povos um dia rirão dele com canções de zombaria, e dirão:
" Ai daquele que amontoa bens roubados
e enriquece mediante extorsão!
Até quando isto continuará assim?
Não se levantarão de repente os seus credores?
Não se despertarão os que o fazem tremer?
Agora você se tornará vítima deles.
Porque você saqueou muitas nações,
todos os povos que restaram o saquearão.
Pois você derramou muito sangue,
e cometeu violência contra terras,
cidades e seus habitantes.
Ai daquele que obtém lucros injustos
para a sua casa,
para por seu ninho no alto
e escapar das garras do mal!
Você tramou a ruína de muitos povos,
envergonhando a sua própria casa
e pecando contra a sua própria vida.
Pois as pedras clamarão da parede, e as
vigas responderão do madeiramento contra
você.
Ai daquele que edifica uma cidade com sangue
e a estabelece com crime!
acaso não vem do Senhor dos Exércitos
que o trabalho dos povos seja só para
satisfazer o fogo,
que as nações se afadiguem em vão?
Mas a terra se encherá do conhecimento
da Glória do Senhor
como as águas enchem o mar."
Ai daquele que dá bebida forte
ao seu próximo,
misturando-a com seu furor,
até que ele fique bêbado,
para lhe contemplar a nudez.
Beba bastante vergonha,
em vez de gloria!
Sim! beba você também e exponha-se!
A taça da mão do Senhor é dada a você,
muita vergonha cobrirá a sua glória.
A violência que você cometeu
contra o Líbano o alcançará,
e você ficará apavorado
com a matança que você fez, de animais.
Pois você derramou muito sangue
e cometeu violência contra terras,
cidades e seus habitantes."
"De que vale uma imagem feita por um escultor?
Ou um ídolo de metal que ensina mentiras?
Pois aquele que o faz
confia em sua própria criação,
fazendo ídolos incapazes de falar.
Ai daquele que diz á madeira: desperte!
Ou a pedra sem vida: Acorde!
Poderá o ídolo dar orientação?
Está coberto de ouro e prata, mas não respira.
O Senhor, porém, está em seu santo Templo;
diante Dele fique em silencio toda a terra". (habacuque 2, 3) N V I

(Isto não nos faz pensar: em quanto acontece o mesmo em
nossos dias, em como estamos ofegantes em meio a este
mar de descaso, onde a justiça se pos de largo, e já
não sabemos a quem recorrer? )
















sexta-feira, 20 de março de 2015

Naturalidade

Obrigado gente!
Tenho tido um público legal de leitores.
Sei que não sou nada, coloco meus pensamentos
em ordem, mas as vezes, eles saem meio
desordenados.
É muito difícil encontrar um método perfeito
de passar uma mensagem.
Mas, não importa, o bom é se fazer entender,
e mostrar que não sou diferente de ninguém, acho
até, que, muitos se identificam comigo. Assim, como eu
também me identifico com todos.
Me lembrei até de um caso engraçado.
Eu sou muito simples, eu acho que, para alguns, até
simples demais.
Então, eu tinha saído com  meu marido, e. meus filhos ainda pequenos,
fomos mostrar uma chácara que estava a venda, e essa família era....
como que eu posso dizer?  Sofisticada, parecia gente de posse!
Depois de visitarmos a propriedade, passamos numa lanchonete, pois
já tinha passado da hora do almoço.
Sentamos a mesa, e iniciamos uma conversa animada. Nossos filhos
estavam se medindo, os meus calados e bem comportados como sempre,
e os deles, também um casal, um tanto barulhentos e bagunceiros.
Bom, tudo dentro da normalidade, até que, meu filho soltou um arroto, e
eu, quase morri de vergonha. todos riram, e a mulher, com uma certa
doçura no olhar, virou para mim e falou:
- Não precisa ficar assim. Lá em casa nós fazemos campeonato de arrotos,
a gente faz uma bela disputa, chegamos a chorar de tanto rir.
Ai, ficamos um certo tempo contando  as nossa experiências.
Contei a ela que nunca proibi meus filhos de serem naturais.,
  ela concordou comigo, então eu percebi que, em todos os lugares,
as pessoas são as mesmas, embora, na frente dos outros, se mostrem
diferentes.
É isso ai....Prefiro a naturalidade do que fazer outros
acreditarem no que não sou.


Herta Fischer









Modelo de conduta

Fala-se muito em tempos passados, muitos
acham que foi o melhor tempo, pois
era o tempo em que éramos jovens. Então, é natural
que digamos ser a  melhor época.
Me lembro da ditadura, é não existia  só ditadura militar,
havia ditadura entre a humanidade mesmo.
Não podíamos falar certos assuntos com os nossos
pais, eles eram extremamente fechados.
Na adolescência, precisamos desesperadamente
de informações, para construirmos nossa identidade,
no entanto, tínhamos que nos resolver sozinhos.
Precisávamos  domar a própria curiosidade, e também
a nossa natureza.
Me lembro que, já mocinha, a nossa vontade de estar
agrupados com pessoas da mesma idade, fazia com
que, naturalmente, procurássemos pela amizade dos
rapazes, e meu pai  não podia nos ver conversando com
os do sexo oposto, e quando o questionávamos sobre
o porque da proibição, ele apenas dizia: - É assim que
começa!
Começa o quê? O namoro? E como namorar sem conhecer?
E como saber se não nos contavam?
A forma de criação era totalmente arcaica, vivíamos para
o trabalho, e eles traziam o mesmo modelo dos seus pais e avós.
Não digo que hoje, temos um modelo ideal, pois devíamos
aprender que somos nós os responsáveis por aquilo que fazemos,
e quando Deus nos deu a oportunidade de fazer seres, Ele esperava que
nós pudéssemos, enfim, usar de todo o bom senso para formá-los.
E mais uma vez nos perdemos, não copiamos o modelo arcaico
de nossos pais, criamos outros métodos, e talvez seja ainda mais
nocivos que o deles.
Por acreditar, que, talvez, viveríamos bem melhor se tivéssemos mais
liberdade, cometemos tantos excessos em relação a liberdade na qual
conduzimos a educação dos nossos filhos.
Toda instituição precisa de algum líder. É assim que funcionam até
entre os animais irracionais.
E nós abrimos mão da liderança, por amor, ou por conveniência,
sei lá! É bem mais confortável para nós, observar de longe, sem
maiores envolvimentos, deixar o barco seguir seu curso, sem
direção, pois usar os remos exige trabalho.
E o resultado estão ai..Jovens perdidos, procurando o que lhe negamos,
o verdadeiro sentido do amor!  Pois liberdade não é afeto, afeto é direção.
Tratamos as crianças e os adolescentes como debiloides, como cristaizinhos
pequenos, sem medidas, sem disciplina, como pobres coitados a voar na
a sabedoria do vento.
Tinha uma coisa boa naquela época, pelo menos, na escola, os professores
nos forneciam o que nos faltava, pelo menos em parte, ensinando-nos a
consciência cívica e moral, também dava-nos um sentido religioso.
Não eramos rotulados, éramos considerados iguais, também pregavam
Deus, e não religião.
Tive ótimos professores.
Eles não escolhiam o lugar, também não davam tanta importância
para salário, o que faziam, faziam porque gostavam, tinham nascido para
uma missão ideológica, não comercial.
Da mesma forma os médicos. eram poucos, os doutores, mas faziam jus ao
nome, não existia picaretagem como atualmente nós conhecemos por ai.
Agora, em certas questões, eu acho que melhorou, pois ao abrirmos a nossa
mente, ao falarmos sobre tudo, sem tabu, nós também temos a oportunidade
de crescer. Só que, crescer só para nós não ha nenhuma vantagem, temos
que crescer a fim de somar, de participar, de questionar, e de liderar, pelo
menos, a que se refere aos que ainda precisam aprender.
Não trate os seus filhos como bibelôs, um dia, eles precisarão enfrentar
os reveses e precisarão provar que estão vivos.

Herta Fischer










quinta-feira, 19 de março de 2015

Se penso, logo, escrevo

Se vocês soubessem a razão do meu saber?
Se sei muitas coisas é porque as vivi sobre
meus lombos.
Sei falar de fome, porque por ela já passei, não
me é desconhecida.
Sei falar de lágrimas, porque foi minha companheira
por longo tempo, também a conheço bem.
Sei falar de abandono,  vivi quase que a metade
da minha vida, sozinha.
Sei falar de amor, pois ele é, o motivo de ainda
estar aqui.
Sei falar de perdas, nem me lembro o
quanto já perdi.
Sei falar de céu, de terra, de mar, de vento, de
brisa.
Eu nunca fui fã de conformismo, não em relação
aos outros, mas em relação a minha pessoa.
Tive muitas dificuldades, mas no que me proponho a fazer, eu
faço, mesmo que seja difícil ou me rasgue por dentro.
Já aprendi a me arrastar, quantas vezes botei minhas traseiras
no chão.
Já pedi perdão tantas vezes, também já perdoei calúnias.
Já tropecei, e depois do primeiro passo, segui em frente.
Nunca fiquei  de costas para o caminho que já percorri,
meu aliado é a luta e a iniciativa.
Se, as vezes, fico desanimada pela dificuldade, volto
e recomeço tudo de novo.
Não jogo fora o produto das minhas conquistas, pois só
eu conheço o seu valor.
Estou bem adaptada a vida , ás circunstâncias e também as dificuldades.
Não seria eu como sou, se não tivesse como enfrentá-las.
__ O mal é uma passageira fase de experiências, não é páreo para quem
gosta de aprender.
Se eu penso, eu vou ao encontro do meu bem....

Herta Fischer







Ser o ser

No inicio era eu e meu mundo, agora,
sou eu no mundo.
Tem uma grande diferença entre estar e ser.
Quando a gente está, significa que precisa
ser conforme o que todo mundo faz ou acredita.
E quando a gente é, a gente faz e acredita naquilo
que a gente passa a conhecer.
Quase ninguém pensa em ser, geralmente a gente
quer estar e faz de tudo para ser aceito, mesmo
que para isto use uma máscara, para ser aceito
faz coisas que não quer fazer.
Trocando em miúdos: Dependendo da educação
recebida a gente age de uma forma ou de outra, embora
a vida nos cobre uma postura idêntica para todos.
 Quando na verdade nem todos são iguais. Há quem goste
de falar muito, teve uma educação mais aberta, acostumada
a invadir, isto é: Chega em qualquer lugar, e não se importa
com formalismo, entra, toma seu lugar sem pudor, não
pede licença.
E outras, que foram educadas mais formalmente, respeitando
o espaço do outro, quando chega, pede licença, e só entra
quando é convidada.
Tá vendo! Há uma certa diferença entre os mais "saidinhos" e
os retraídos. Porém, as pessoas preferem aquele que gosta
de estar onde não é chamado, pois acham que estes, são mais
sociáveis. Quando na verdade, é só questão de diferença
na educação.
Os retraídos estão mais aptos a ouvir, pois ficam na deles,
e portanto, prestam mais atenção no que acontece ao seu redor.
Enquanto que  os mais "saidinhos" gostam de se exibir e as
vezes perdem a noção do espaço e do respeito.
Vale saber qual dos dois é mais esperto!

Herta Fischer











Se....

Se és capaz de manter a tua calma quando
Todo mundo em redor já a perdeu e te culpa;
De crer em ti quando estão todos duvidando
E para esses, no entanto,  achares uma desculpa;
Se és capaz de esperar sem te desesperares,
Ou, enganado, não mentir ao mentiroso
Ou, sendo odiado, sempre do ódio se esquivares;
E não parecer bom demais, nem pretensioso;

Se és capaz de pensar __ Sem que a isso só te atires,
De sonhar __ sem fazer dos sonhos teus senhores;
Se encontrando a Desgraça e o Triunfo, conseguires
Tratar da mesma forma estes dois impostores;
Se és capaz de de sofrer a dor de ver mudadas
Em armadilhas as verdades que dissestes
E as coisas, por que destes a vida, estraçalhadas,
E refazê-las com o bem pouco que te reste;

Se és capaz de arriscar numa única parada
Tudo que ganhastes em toda a tua vida
E perder e, ao perder, sem nunca dizer nada,
Resignado, tornar ao ponto de partida;
De forçar, coração, nervos, músculos, tudo
E dar seja o que for que neles ainda existe,
E a persistir assim quando, exausto, contudo
Resta a vontade em ti, que ainda te ordena: Persiste!

Se és capaz de, entre a plebe não te corromperes.
Entre reis, não perder a naturalidade,
E de amigos, quer bons , quer maus, te defenderes,
Se a todos podes ser de alguma utilidade,
E és capaz de dar segundo por segundo;
Ao minuto fatal, todo teu valor e brilho,
Tua é a terra e tudo que existe no mundo,
E__ o que ainda é muito mais __ És um homem, meu filho!

Rudyard Kipling (trad. de Guilherme de Almeida)

Ser jovem

A juventude não é um período da vida: ela é um

estado de espírito, um efeito da vontade, uma

qualidade da imaginação, uma intensidade emotiva,

uma vitória da coragem sobre a timidez,

do gosto da aventura sobre o amor ao comodismo.


Não é por ter vivido um certo número de anos que

envelhecemos.......envelhecemos porque abandonamos

o nosso ideal.

os anos enrugam o rosto: renunciar ao ideal, enruga a alma.

As preocupações, as duvidas, os temores, os desesperos são

inimigos que lentamente nos inclinam para a terra e nos

tornam pó antes da morte.


Jovem é quele que se admira, que se maravilha e pergunta,

como a criança insaciável: "E depois?" Que desafia os

 acontecimentos e encontra alegria no jogo da vida.


És tão jovem quanto a tua fé. Tão velho quanto a tua descrença.

Tão jovem quanto a tua confiança em ti e a tua esperança.

Tão velho quanto o teu desânimo.


Serás jovem enquanto te conservares receptivo ao que é belo,

bom e grandioso. Receptivo as mensagens da Natureza do Homem,

do infinito.


E se um dia o teu coração for atacado pelo pessimismo e
corroído pelo cinismo, que Deus, então, se compadeça
de sua alma de velho.
(General Mac Arthur)


Crer em mim, me faz acreditar no que faço

É... Ouvindo e vendo sobre outros aspectos,
chego mais uma vez na mesma conclusão:
Eu só sei do que aprendi, eu só posso falar
do que senti, e definir cores sobre como vi.
Quem poderá dizer sobre quais condições
eu cometi meus erros, e, se, realmente, pode
aquilo que fiz e que não foi aceito ser considerado
mesmo um erro?
Quem pode medir o que vai aqui dentro, se só
eu conheço as minhas limitações, ou as poucas
vezes em que me enchi de coragem para desafiar
alguma controvérsia qualquer?
Continuo me desafiando, não me conformo com
o conformismo, Sei da minha pouca experiência
diante de muitas coisas, Não foi por que não quis
aprender, mas foi porque não me deixaram
Quando me dispus a subir numa árvore, eu não
tive medo, mas, alguém lá embaixo, me dizia:
vai cair!
E essa voz me limitou, e quando cheguei lá no alto,
e a árvore começou a balançar, sobre sugestão da
voz que vinha de baixo, eu comecei a tremer e a
duvidar da minha capacidade de me segurar.
Então, não sei como cheguei até o chão, só sei
que cheguei, e ainda sentia a sensação de estar
lá em cima, com as pernas bambas.
Como posso perder meus medos, se a toda hora
me lembra dele?
Como posso ser uma pessoa equilibrada, se vivo
em meio a pessoas que oscilam.
Não falam a verdade, fantasiam, e me passam uma ideia
falsa de vencedor, quando a fraqueza me é constante.
Porém, é fato que, embora tenha idade suficiente para
me tornar autossuficiente, ainda  me falta o principal;
acreditar um pouco mais em mim.
Quando acredito em mim, o acreditar no outro não
faz tanta diferença.

Herta Fischer




Sem medo de se mostrar

"Como todas essas coisas são aprendidas, quais são algumas das coisas que nos poderão unir, algumas das coisas que precisamos saber sobre a união, os relacionamentos, o interesse, o amor? A primeira é tão essencial, porque temos um conceito muito louco na nossa cultura, do que se chama amor romântico. É por isso que tantos entre nós se desiludem! Continuamos a acreditar mesmo no que nos contam nas revistas musicadas, que olhamos uma sala cheia de gente e lá avistamos aqueles olhos especiais que estão à nossa espera, há 20 anos. Vocês são atraídos, se abraçam e saem para o pôr-do-sol e nunca têm problemas. Que pena! E o que é feito daquele lindo namoro, em que você se comporta maravilhosamente e ela também? Ela sempre está linda, cada vez que você chega. Você é sempre (gentil). Até leva flores e bombons. Diz a ela como está linda e depois se casam e no dia seguinte você pergunta: "Quem é você?" Ela de repente aparece de rolos nos cabelos. Você diz: "Meu Deus! Casei-me com um ser espacial!" Não seria bom que, uma vez no namoro, ela atendesse à porta e dissesse: "Olhe, eu uso rolos no cabelo. Assim, se você se horrorizar com isso, paciência". Por que não? Apresentando-se como é você tem que reconhecer que, se espera que um relacionamento continue numa lua-de-mel de perfeição, vai se desiludir." (Leo Buscaglia)

Tudo que sobe tende a cair

As vezes as pessoas me perguntam: onde
eu encontro tanta coisa para falar.
Eu respondo: sinceramente, eu não sei, não
sou escritora, apenas gosto do que faço!
Não fico inventando histórias mirabolantes
para os que gostam de ler, nem ajo como
um filosofo que tem mania de querer provar
ou desafiar conceitos.
Eu sou isto: mera espectadora da vida. Sondo-me
para ver se encontro em mim algumas respostas
para o que acontece.
Vejo o mundo como uma grande tela. Lá tudo acontece,
mas o que acontece não pernanece por muito tempo.
São como pedras amontoadas, que subsiste por algum
tempo, mas, se insistir em colocar mais pedras, não
aguentado tanto peso, ela vem a desmoronar.
Por isto, todo poder um dia vem abaixo.
Com sempre aconteceu com Atenas (Grécia) Roma (Italia),
entre outros reinos menores que se levantaram por algum tempo
a fim de apropriar-se da terra.
Foram tantos os desbravadores e conquistadores que formaram
países, no entanto, ficaram sem nada.
Os portugueses vieram para cá, tomaram posse da terra como
se fossem deles, e no entanto, não puderam agregar estas terras
a Portugal. Da mesma forma aconteceu com os espanhóis, desbravaram
quase toda a América latina, e no entanto, não puderam levar
a terra a fazer parte da Espanha. Formaram-se  povos a parte,
que não tem nada de comum com os  seus colonizadores.
Os E U A colonizados pela Inglaterra,  também tronou-se
um país independente.
Enfim,  funciona como a lei da gravidade;  tudo que sobe, um dia desce!
Isto acontece, para que os homens não fiquem orgulhosos demais,
detenham poder e massacrem outros povos.
Então, eu sigo pela lógica, não vou pela fala mansa, nem por aspectos
ilusórios, nem tampouco pela falação ou sugestão de alguns.
Não fico abraçando celebridades, nem quero me sujeitar ao que a mídia
inspira. Eu sou a máquina, não seus componentes. Se alguém fala, para
que eu escute, primeiro precisam me provar se o que estão falando
procede da verdade.
Eu busco minhas soluções, sempre foi assim, não me conformo com
qualquer coisa, muito menos com aquelas que querem obrigar-me a
engolir.
Se vivo, é pela graça de Deus. Se morro, é pelo mesmo motivo!
Não tenho medo dos homens, nem deixo que me coloquem rédeas, Se faço
tudo à meu modo é porque confio Naquele que me dirige. Quando confio
no condutor, acredito que chegarei  intacta ao meu destino.
Não preciso que me digam o que fazer. Eu sei separar o certo do errado,
conheço o terreno onde piso, também sei definir perfis, dificilmente me
engano com as pessoas. Elas, ou melhor: Nós trazemos no rosto o nosso
próprio retrato, e nos olhos,estão espelhados a nossa capacidade de ser.
Os fracos se dirigem para a escuridão, pois se negam a mostrar-se.  Já os fortes
vivem na luz, para que sejam vistos e identificados. Assumem o que são, e não
temem encarar-se ou serem encarados.
Os covardes, nunca agem sozinhos, Já os corajosos, não tem medo de apanhar.

Herta Fischer

















A cara do mal

Minha escola, meu coração.
É  dentro dele que recebo instruções
para que me torne uma pessoa
diferente da maioria dos mortais.
Não estou aqui para defender nem
para criticar. Estou aqui para viver a
minha história junto com a sua.
O que me é devido...faço!
O que não me compete..deixo para lá!
É assim que se vive melhor. A felicidade
habita em corações sinceros, que não buscam
a justiça para si mesmo, mas para o conjunto,
e o conjunto não é só a nossa Pátria, o
lugar de nossa habitação, mas tudo que vive
e faz parte do mesmo planeta.
O sol não trabalha para alguns.
 Ele dá a sua volta orbital,
para socorrer a todos.
Buscamos pela mesma Pátria, não
é esta que massacra, que inventa,
que coloca o ser humano sobre
custódia de mentiras. Basta olhar
um pouquinho para dentro da gente,
para percebermos o quanto ainda
falta para chegarmos num mesmo
parecer.
Existe um véu que nos cega,
que nos faz ver embaraçado,
que não nos permite enxergar
com o coração.
Não nos livramos completamente da
consciência instintiva dos animais, e
ainda nos comportamos conforme a
conveniência.
Basta olhar para os lados, e facilmente
podemos observar quantas pessoas
ainda estão defendendo o que é mau.
Bem se diz a palavra de Deus:" Não há nada
escondido que não venha a luz!," Por um
tempo, as pessoas não se mostravam como elas
eram, se faziam o mal, os faziam as escondidas.
Agora, todos mostram a cara desnuda, mostram
exatamente como são. Faltosos e arrogantes, cada
um vivendo á seu bel prazer.
Poucos defendem a justiça para todos, poucos enxergam
 a necessidade dos irmãos, poucos se preocupam de
fato.
O mal não se mostra com cara de mau, pelo contrario, ele
se mostra com cara linda, cheios de encantos, prontamente
para enganar. Faz a sua obra refinadamente como se
fizesse o bem, mas por trás, fica rindo da cara dos que
caem em suas armadilhas.
Aqueles que se juntam a bandidos, correm o risco de provar
do próprio veneno, pois o mal não aceita recrutas fracos, se
fizer alguma coisa que não convém a eles, que os desmascaram,
eles o queimam sem piedade.
O mal só se curva ao mal, não dá nenhuma margem para
falhas. Vivem de enganos, e por decreto,
 também podem ser enganados. Não existe mal que
se transforme em bem.
O bem, para o mal, vem em benefício próprio, a cara
do mal é descarada e mentirosa.
Quem mente para um, mente para todos!
E consequentemente, também vive se enganando.
Herta Fischer




quarta-feira, 18 de março de 2015

Deixe o amor entrar

“[...] A maioria de nós continua a agir como se o amor não fosse um fenômeno a ser aprendido, e sim como se vivesse adormecido em cada ser humano, simplesmente esperando alguma idade mágica de consciência para emergir em toda a sua intensidade. Muitos esperam essa idade para sempre. Recusamo-nos a encarar o fato óbvio de que as pessoas, em sua maior parte, passam a vida tentando encontrar o amor, tentando vivê-lo, e morrendo sem nunca tê-lo descoberto verdadeiramente.” (Leo Buscaglia*)
Eu nunca vou desistir de amar: seja minha família, seja a família do meu vizinho,
do meus irmãos, ou, a família universal que somos.
Eu me lembro de quando realmente conheci o amor, antes, quando era apenas uma menina. eu vivia sem saber, sabia, tinha ideia que estava ali, que participava de um pequeno grupo; alguns vizinhos, e minha família, mas eram apenas instintos, não
conhecia sentimento, apenas ansiava para que fossem saciadas as minhas necessidades
básicas.
Foi então que, ao terminar o dia, estávamos, eu e meu irmão, sentados numa pedra
no meio de uma plantação de tomates, conversávamos alegremente, desprovidos
de qualquer preocupação a não ser nós mesmos e aquilo que tínhamos a frente.
Meu irmão saiu correndo, e eu fiquei só, ainda queria estar lá, amava a plantação,
não era nossa, mas era como se fosse. Todos aqueles pés, sustentados em armações
de taquaras, cada um em seu espaço como se fizessem parte junto comigo, daquela terra.
Meu irmão apareceu todo sorridente entre os pés de tomates, tinha uma caqui nas mãos, era muito apetitoso, e eu lhe perguntei o porque de não ter trazido um para mim; e ele
me disse: è o ultimo!
Então, eu lhe pedi um pedaço, e ele se negou a me dar, eu fiquei muito brava e dei um
tapa em sua mão,  fiz o caqui pular para longe, ele rolou e se sujou todo de terra.
Eu olhei para meu irmão  e ele estava com cara de tristeza. peguei o caqui e fui
até um tambor de água que havia ali perto, lavei a fruta,  me dirigi ao meu irmão
e lho entreguei. 
Mas meu irmão se negou a pegá-lo. Corri até em casa, peguei uma vasilha e levei
até a plantação, lavei novamente a fruta e tentei entregá-lo em suas mãos, mas,
desta vez, foi ele  a me dar um tapa, e novamente o caqui rolou plantação abaixo.
Voltei para casa pensando na maldade que fiz com meu irmão, não me conformava
em tê-lo privado  de comer sua fruta. Foi neste momento que compreendi o
quanto o amava, e como doía esta sensação de não poder voltar atrás e fazer
tudo diferente.
Chorei muito naquele dia, até não poder mais,
 depois deste acontecimento, passei a fazer tudo que me pediam, nunca mais
queria sentir aquela sensação de magoar aqueles que amava com tanta intensidade.
Foi neste dia que compreendi o valor do amor. E comecei a tomar mais cuidado
com os outros, não me importava o fato de conhecer ou não, eu fazia de tudo para
agradar, me libertei do instinto para verdadeiramente sentir amor.
E este sentimento carrego até hoje, não suporto a ideia de magoar, eu sou o amor
e por ele eu vivo, quem ama não consegue suportar sequer a hipótese de ver
alguém triste, ainda mais se for por nossa causa.

Herta Fischer (hertinha)










Uma nova oportunidade

Qual o sentido que se tem depois que se morre?
Este mundo só nos serve enquanto ainda carregamos
o corpo. para os que ficam será somente saudades
por alguns anos, até cair no esquecimento. A pós
geração não terá nenhuma lembrança do que fomos.
Poucos tem o privilégio de deixar alguma obra que
 possa ser lembrada por algum tempo, pois a maioria
dos mortais só são importantes por algum tempo, até que
cheguem outros, e outras coisas que a substituam.
Eu estou aqui, diante de uma tela, pondo minha cabeça
para funcionar, tentando registrar uma ideia em relação
a vida e seus mistérios. Olho para o espelho grudado
na parede onde reflete uma imagem que acredito
que todos os que me veem, por algum tempo, acreditem
ser eterna, mas que, ao passar, este sentimento em relação
a mim, também passe.
Talvez, dure menos que este espelho que insiste em me refletir.
Por isto, tento não olhar muito para as coisas que passam, embora,
neste momento, talvez, ainda tenha alguma importância nesse espaço
que me trouxe.
Foram tantas as coisas passadas: pessoas, bens materiais, pensamentos, e
até sentimentos, que por fim, desintegraram-se na passagem de um tempo.
Ai, houve mais um tempo, esquecimento se fez presente, e se não puxo
na memória, caíra para sempre e deixará de fazer parte de mim.
Houve um tempo, onde a história era outra. Era eu, meus irmãos,
alguns poucos amigos, pai, mãe, avós. E hoje, onde estão eles?
Alguns já se foram, e mesmo que os busque, nunca mais os encontrarei,
a não ser nas poucas lembranças que ainda por um tempo, fica registrado
na tábua do pensamento, até que o tempo os destruam para sempre.
E eu, até onde irei com minha pretensão? Até onde irá a  imagem que
alguns guardam de mim?
Até quando verei o que ainda se encontra ante meus olhos, até quando terei
a oportunidade de me questionar, de fazer coisas para aprovação, ou negação.
Qual é a importância que terei, assim que eu me for? Nem preciso dizer que,
para mim, nenhuma!
Pois mesmo que queira saber, eu não mais estarei aqui para cobrar lágrimas.
Tudo isto para dizer que, a real importância da vida vai muito além
daquilo que julgamos, a oportunidade ainda está em mim, naquilo
que me faz acreditar que estou vivendo apenas o primeiro ciclo, e
que, depois de tudo isto, Aquele que prepara um outro curso, sobre
novas águas, abrirá novos caminhos onde eu ainda possa ser algo
de  mais valor do que somente algo que passou.

Herta Fischer







Cuidado com a mente

Pois é amigos! Em se tratando de gente, é tudo
igual, em qualquer lugar.
Não devemos nos colocar contra ninguém, mas
devemos sim, olhar os feitos, ai, sim,
 defender ou criticar.
Não podemos ser indiferentes, ou ir aceitando
tudo. Temos que nos posicionar de uma forma
que não fiquemos pendurados ao vento, indo
de lá para cá, conforme conveniência.
"As vezes é preciso perder para ganhar"!
Nem sempre as perdas significam derrotas, por
exemplo: quando perdemos alguns quilinhos que estão
sobrando, ou perdemos alguém a quem julgamos
amar. O passar dos anos vão nos mostrando que
para qualquer perda há uma certa compensação.
Melhorar sempre com a boa consciência que,
de qualquer modo, nos leva para o fim.
A vida não é uma reta, nem um triângulo, ela
é um círculo que se completa.
Saímos de um ponto, damos a volta e novamente
nos encontramos no mesmo ponto, isto é! Nunca
nos distanciamos demais de onde saímos, também
nunca nos esquecemos o caminho percorrido, porque
ele termina exatamente onde começou.
Ninguém se perde na estrada, apenas nos distanciamos
do ponto principal, e isto as vezes nos parece
cansativo, ainda mais quando já se dão os sinais de
que a plenitude, ou seja, quando vemos que as pontas
da corda vão se aproximando, significando: " Missão
concluída!"
Quer algo mais digno do que isto, Encontrar-se com
a conclusão?
Tornar-se pleno, completo, atingindo o ápice da vida, onde
os vencedores se encontram, porque não há mais o
que encontrar. Tudo está feito!
Como um artista tecendo sua obra com determinação, embora não
saiba ao certo o que fazer, vai criando espaços e paisagens, até que
finalmente chegue ao que ele pode chamar de concluído, isto se faz
no momento em que fica satisfeito com a própria imagem que vê.
Assim é a vida: Ninguém entra nela em sua plenitude, tudo precisa
ser aprendido e discutido dentro de cada um, até o final dos dias
ainda se espera por alguma coisa que se possa fazer para que se
complete a obra.
No final, podemos, enfim, olhar para trás sem medo, fazendo um balanço
sobre o que foi feito , ou o que a vida acrescentou enquanto nos
formávamos dentro de nós.
Se existe um objetivo para cada um? Isto é muito relativo! Sempre haverá aquele
que chegará a conclusão de que: remou, remou e não chegou a lugar algum.
Como aquele que chegou e nem participou da vida e já foi-se, ou,  ainda aquele
que nem chegou a nascer, teve a sua melhor sorte, não viu e não ouviu o
que se faz entre a humanidade, não conheceu nem o mal e nem o bem.
Este, provavelmente, foi bem mais feliz, não precisou fazer escolhas, a vida
o programou para que dela não participasse.
E aos que vem e ficam, nela precisam permanecer, mesmo que lhe seja negada
uma boa condição, pois isto não se pode escolher.
Fomos dotados de corpo e espírito, não se escolhe nem um, nem outro, somos
responsáveis, apenas com o que vamos construir, depois que se forma a consciência
dentro da gente.
E é com esta consciência que se formam os indivíduos, cada um colhe o
que mais lhe cabe, ou o que mais lhe satisfaz, embora exista aquele que gosta
de seguir tendências, não se forma por ele mesmo, mas usa outros como
referência.
Até nisto, não se torna culpado, pois há quem diga que o que difere o bem do mal,
é o cérebro, se este não for bem "acabado" se torna mente doente, formando indivíduos
desconectados com a realidade.
Eu, particularmente, acho que tudo depende do lar em que o individuo é formado, e da
escola em que ele estuda, mentes são formadas pelo que, desde cedo aprendem.
Se colocarmos uma criança crescendo entre animais, provavelmente, aprenderá
a viver como eles.
Ou, se tirarmos a condição humana da criança, limitarmos a sua convivência
com outros da mesma espécie, facilmente a tornamos inapta para conviver
em sociedade.
O que vemos nos dias atuais?  Os pequenos estão agindo como gente grande, pois,
não há mais regras, as crianças absorvem atitudes que são impróprias para a sua
idade, e  ninguém lhes ensina a ser criança, deixam-na  pensar como qualquer um,
de qualquer idade.
Estão aprendendo errado, e quando chegar a hora de tornar-se adultas, com toda
certeza irão agir da forma que aprenderam.
Não precisam tirar dela a propaganda em si, precisam prepará-la para que saibam, ou
encontrem os seus próprios limites.
Não podemos ensinar-lhes que é errado defender-se, mas,  que é errado pagar o erro
dos outros, edificado dentro de si, a mesma forma de erro.
Aprofundar na criança o senso de respeito um pelo outro, inclusive ao respeito que
se deve aos mais vividos.
Não se pode ter tudo? Então que não se dê a falsa ideia de que tudo é extremamente
alcançável!
Eu até ouvi uma pessoa falando um dia desses: - "Ele rouba porque também quer
ter uma roupa legal, ou um tênis que eu não posso comprar!"
Que mentalidade é esta?
Desde quando temos que medir forças com aquele que tem mais?
Está faltando exemplos, está faltando mentes saudáveis entre os adultos, alguém
que passe uma ideia de valores, onde não entrem sentimentos de que o
individuo vale por aquilo que o veste.
Não viemos todos abastados,  aqueles que tem menos não podem ser comparados
com aqueles que tem mais, é errado, isto leva o adolescente a cometer crimes e
a achar isto certo.
Insistimos em cuidar do corpo, e negligenciamos a mente. Porém, quando a mente
fica doente, o primeiro a sofrer, é o próprio corpo.
Então, que se faça logo algo a respeito, antes que o mundo se torne "mundo de
psicopatas!"

Herta Fischer





















terça-feira, 17 de março de 2015

Apostas: perdas e ganhos

No inicio da minha jornada, eu estava
tão convicta das coisas, procurava métodos
para fazer o que me dava contentamento, pois
por certo, era isto o que buscava, exatamente
o que todos buscam, satisfazer meus mais absolutos
desejos.
Achava que a vida só teria sentido, quando encontrasse
alguém na estrada da vida, que pudesse fazer comigo
uma parceira de amor.
Um amor para a vida inteira, nem pensava em quanto
isto, iria me custar.
Caminhava segura de minhas responsabilidades, embora,
ainda vivesse mascarada pela ânsia da conquista.
Quando ficamos assim, tão ansiosos por algo, nos esquecemos
que as coisas ou os amores acontecem naturalmente, sem
que para isto precisemos viver no experimento.
Não estou falando de sexualidade, embora os hormônios
nos coloquem em situações perigosas ao atingimos certa idade.
Estou falando de sonhos, sonho de construir família, de gerar
filhos, de dar ênfase a natureza criativa, aquela que leva para
frente uma geração.
Faz parte, fazermos planos de casamento, principalmente ao
se tratar do sexo feminino. E o que podemos oferecer neste
sentido?
Como aprendermos como se deve conquistar, o que oferecer,
como descobrir o que é certo, ou encontrar o parceiro ideal?
Assim como experimentamos diversos sabores através do
paladar, e assim consequentemente, definimos gostos, assim
também, passamos a qualificar e desqualificar pretendentes.
È uma luta íntima que envolve sentimentos dos dois lados, tornando
assim, muito sofrido fazer escolhas.
É um caminho extremamente íngreme, que exige tato, reflexos, paladar,
mas, especialmente bom senso, se isto for possível, pois em se tratando
de paixão, é impossível ver com exatidão o que está bem debaixo do
nosso nariz.
Por sorte eu apostei, e perdi muitas apostas, hoje, eu vejo isto com
bons olhos. O que foi feito para mim, é isto  mesmo que eu ganhei, e o
que não era, a vida sobre custodia do tempo, foi deixando para tráz.
Não posso dizer que tenho uma vida perfeita, pois ainda tenho que
lutar muito para aceitar o outro com as suas deficiências, aquelas que
sobre meus olhos apaixonados não apareceram, e que agora. sobre a
maturidade, vem se lançar a luz.
Eu tenho métodos para lutar contra isto. Eu olho sobre a perspectiva do
outro em relação a mim. Se o outro me aceita, na maturidade, quando o
 tempo já fez seus estragos, e também acentuou defeitos. Eu, naturalmente,
tenho que olhar com bons olhos, a dificuldade que o outro tem de me aceitar,
e assim mesmo me aceita.
Já não é mais paixão, já não é mais com a finalidade de fazer filhos, nem no
desejo de construir, e sim, no aconchego de cuidar-se mutuamente, de ter
um ao outro, de poder contar com alguém, de estar junto apesar de tudo.
Mudou a maneira do conquistar: o que antes era finalidade, agora tornou-se
principio. Não posso mais ver a vida como via antes. O que era desejo passou
a ser necessidade, e a paixão transformou-se em amor, aquele amor que prega
desprendimento, Um pelo outro e o outro a favor do conjunto.
E assim vou levando, chegarei no final, se Deus quiser, amontoando as pedrinhas
uma em cima da outra, até que não haja mais tempo nem espaço para continuar.
Herta Fischer




















Sofrendo por fazer o bem

Quanto ao mais, tenham todos o mesmo modo
de pensar, sejam compassivos, amem-se fraternamente,
sejam misericordiosos e humildes.
Não retribuam mal com mal, nem insulto com insulto;
ao contrario, bendigam; pois para isso fomos chamados,
 para recebermos bênçãos por herança. Pois,
  
"Quem quiser amar a vida
e ver dias felizes,
guarde a sua língua do mal
e os seus lábios da falsidade.
Afaste-se do mal e faça o bem;
busque a paz com perseverança.
Porque o olhos do Senhor estão
sobre os justos
e os seus ouvidos estão atentos á
sua oração, mas o rosto do Senhor
volta-se contra os que praticam
o mal."

Quem há de maltratar-nos, se formos zelosos
na prática do bem? Todavia, mesmo que
 venhamos a sofrer porque praticamos a justiça,
seremos felizes. "Não temamos aquilo que eles temem,
não fiquemos amedrontados, Antes, Santifiquemos a Cristo
como Senhor em nossos corações,
Estejamos sempre preparados para responder qualquer
 pessoa  que nos pedir a razão da
esperança que há em nós. Contudo, façamos isso com mansidão
e respeito, conservando boa consciência, de forma que
os que falam maldosamente contra o nosso bom procedimento,
porque estamos em Cristo, fiquem envergonhados de suas
calúnias.
É melhor sofrermos por fazer o bem, se for da vontade de
Deus, do que sofrermos por fazer o mal.
 Pois Cristo sofreu pelos pecados uma vez por todas, o
justo pelos injustos, para conduzir-nos a Deus.
Ele foi morto no corpo, mas vivificado pelo Espírito, no qual
também foi e pregou aos espíritos em prisão que há muito tempo
desobedeceram, quando Deus esperava pacientemente nos
dias de Noé, enquanto a arca era construida. Nela apenas algumas
 pessoas, a saber, oito, foram salvas por meio da água, e isso é
representado pelo batismo que agora também nos salva - não
 a remoção da sujeira do corpo, mas o compromisso de uma
 boa consciência diante de Deus - por meio da ressurreição
do Senhor Jesus Cristo, que subiu aos céus e está a direita
de Deus; a ele estão sujeitos anjos, autoridades e poderes.
(1 Pedro 3. 5) N. V. I.







quarta-feira, 11 de março de 2015

Conhece a ti mesmo

Emprestei este texto de Eva Pierrakos, para que nunca me esqueça, do
quanto Deus é essencial para que a minha felicidade seja completa!


Bem no fundo do coração de cada ser humano existe o anseio por felicidade. Mas o que é felicidade? Se você perguntar a pessoas diferentes, receberá diferentes respostas.
Os espiritualmente imaturos, após pensar por algum tempo, dirão, talvez, que se obtivessem esta ou aquela satisfação ou tivessem uma preocupação eliminada, seriam felizes. Em outras palavras, para eles felicidade significa que certos desejos sejam satisfeitos.
Mesmo que esses desejos se tornassem realidade, porém, tais pessoas não seriam felizes. Elas ainda sentiriam lá no fundo certa inquietude. Por quê? Porque a felicidade não depende de circunstâncias exteriores ou de outras pessoas, não importa quão convencida esteja a pessoa espiritualmente imatura dessa falácia.
A pessoa espiritualmente madura sabe disso. Sabe que ela mesma é a única responsável por sua felicidade ou infelicidade. Ela sabe que é capaz de criar uma vida feliz, primeiro dentro de si mesma, e então, inevitavelmente, também na sua vida exterior. O indivíduo espiritualmente imaturo pensa que a felicidade tem que ser criada primeiro no nível exterior, pois as circunstâncias externas, que não são necessariamente produzidas por ele, devem atender plenamente os seus desejos e, que quando isso for alcançado, a felicidade se seguirá. Os que se encontram amadurecidos espiritualmente sabem que se dá exatamente o contrário.
Muitas pessoas não querem reconhecer essa verdade. É mais fácil culpar o destino, a injustiça do destino ou das forças superiores, ou ainda as circunstâncias causadas por outras pessoas, do que ser responsável por si mesmo. É mais fácil sentir-se vítima. Dessa forma, não é preciso examinar, por vezes muito profundamente e com máximo de honestidade, o próprio interior.
Ainda assim a grande verdade é: a felicidade está em nossas próprias mãos. Está em seu poder encontrar a felicidade. Você pode perguntar, “o que devo fazer”? Mas vejamos primeiro o que significa felicidade no sentido espiritualmente maduro. Ela significa simplesmente: Deus.
Muitas pessoas, com toda a sinceridade, esforçam-se para encontrar Deus. Contudo, caso lhes perguntassem o que exatamente querem dizer com isso, como imaginam que aconteça, seria difícil para elas dar uma resposta significativa. Porém, naturalmente, existe esse desejo de “encontrar a Deus”. Na verdade é um processo bastante concreto, não existindo nada nebuloso, irreal ou ilusório a respeito dele.
Encontrar Deus quer dizer realmente encontrar o Eu Verdadeiro. Se encontrar a si mesmo em algum grau, você está em relativa harmonia, percebendo e compreendendo as leis do Universo. Você é capaz de relacionar-se, de amar e de experimentar alegria. É realmente responsável por si mesmo. Você tem a integridade e a coragem para ser você mesmo, mesmo ao preço de abrir mão da aprovação dos outros. Tudo isso significa que você encontrou Deus – não importa o nome pelo qual esse processo possa ser designado.
O único modo de achar a felicidade é encontrando Deus, e ela pode ser achada aqui e agora mesmo. “Como?” você poderia perguntar. Meus amigos, com muita frequência as pessoas imaginam que Deus está incomensuravelmente distante no Universo, e é impossível de se alcançar. Isso está longe de ser verdade. O Universo inteiro está no interior de cada pessoa; cada criatura viva tem uma parte de Deus dentro de si. O único modo de alcançar essa parte divina lá dentro é pelo caminho íngreme e estreito do autodesenvolvimento. O objetivo é a perfeição. A base para isso é conhecer-se a si mesmo!
Conhecer-se a si mesmo é realmente difícil, pois significa encarar muitas características pouco lisonjeiras. Significa uma busca contínua, infinita: O que eu sou? O que realmente significam as minhas reações – e não apenas os meus atos e pensamentos? Será que as minhas ações são apoiadas pelos meus sentimentos, ou será que eu tenho motivos por trás dessas ações que não correspondem ao que eu gosto que as outras pessoas acreditem? Tenho sido honesto para comigo mesmo até aqui? Quais são os meus erros?

Embora alguns de vocês possam conhecer suas fraquezas, a maioria das pessoas ignora uma boa parte delas, e isso é um grande obstáculo, mesmo para aqueles que atingiram certa altura neste caminho ascendente. Você não pode superar aquilo que não conhece. Cada defeito não é nada mais e nada menos que uma corrente que o prende. Pelo abandono de cada imperfeição você rompe uma cadeia e assim torna-se mais livre e mais próximo da felicidade. A felicidade é o destino de cada indivíduo, mas ela é impossível de obter sem que sejam eliminadas as causas da sua infelicidade, que são os seus defeitos – bem como qualquer tendência que viole uma lei espiritual.
Você pode descobrir o quanto avançou nesse caminho pela revisão da sua vida e dos seus problemas. Você é feliz? O que está faltando na sua vida? Na medida em que a infelicidade ou descontentamento exista na sua vida, nessa mesma medida você não terá preenchido o seu potencial.
Para aqueles que realmente se realizam haverá um contentamento profundo e cheio de paz, segurança e uma sensação de plenitude. Caso isso esteja faltando na sua vida, você não está completamente no caminho certo, ou ainda não alcançou a libertação que necessariamente se experimenta depois que as dificuldades iniciais deste caminho são superadas.
Só você saberá a resposta, só você saberá em que ponto se encontra. Ninguém mais pode ou poderia responder a essa pergunta para você. Se você estiver no caminho certo, contudo, e tiver aquele profundo sentimento de satisfação e realização, e ainda assim existirem problemas exteriores na sua vida, isso não deve desencorajá-lo. A razão é que a forma externa do conflito interior no qual você está trabalhando agora não pode ser dissolvida tão rapidamente.
Quanto mais você dirige as correntes internas da alma para os canais corretos, mais as formas exteriores correspondentes mudarão, de forma gradual, porém segura. Até que esse processo seja completamente efetuado, o problema externo não pode dissolver-se automaticamente. A impaciência só pode atrapalhar. Se estiver no caminho certo, você viverá e sentirá a grande realidade do Mundo de Deus na sua vida diária. Ele se tornará tão real, se não mais, quanto o seu ambiente humano; não será mais uma teoria, um mero conhecimento intelectual. Você viverá nesse mundo e sentirá o seu efeito.

Eva Pierrakos


Total de visualizações de página