sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Foi... não é mais

Nem quero mais dizer o que sinto,
pois o que sinto ninguém entende.
Por menor que seja uma flor.
o melhor é exalar o seu perfume,
apenas aos que com
sentimentos bons
conseguem enxergar
o seu interior.
De restos, pouco importa,
ao que me fez,
recebo favores,
aos que, apenas me vê,
só rancores.
E assim até que se cumpra
meus dias,
e que, ninguém mais
faça conta do
que um dia foi.
e que não mais será.....
Herta Fischer.

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Ninfose

Hoje escorçarei meus sentimentos como uma eufonia de acordes de nagô,
como um excêntrico ditador evolutivo encorajar alguns seguidores,
sobre a lustração de minha estrela sugerir.
Construir um mata-burro.Só entra quem pode.. só sai se for aberto os portões.
Sou um petrarquiano em busca de um picadeiro que possa exercitar esse meu dom com platéia,
mas, que seja sem restrição a alegria que de mim emana para desconsertar quem zomba de minha arte.
Garrir com som estridente nos infortúnios da minha loucura, que se rompe como arrozal em tempo de colheitas.
Não me chegue as macegas, em campos férteis pretendo florir, e dançar sobre uma retouca e descansar sob meu lamento.
Como num ato de eflorescência em época incerta, desnudo minha alma todos os dias na certeza de eclodir  ideias fervorosas  a respeito do respeito.
Contudo sobraçar todos os que com mansidão caminham comigo sem lambança, na sintonia de um carrilhão.
Herta Fischer.





terça-feira, 26 de novembro de 2013

Poesia: Coração preguiçoso

Sinete de silencio corcova em minha vida.
Que faço eu se de longe não te escuto,
e sobre essa tristeza cavalga minha prece.
Em soluço minha alma te deseja, e se
maltrata na ironia do teu inconstante
amor.
Atordoada em mim mesma tento,
sem sucesso me fazer ouvir,
quando dentro de ti já fui apagada.
Embora tantas vezes se diz
apaixonada(o),
sua atitude não entra em sintonia
com o que diz sua boca,
e minha alma não se alivia mesmo
quando em pedaços se mostra inteira(o),
no desvario dessa solidão sem causa.
Pois, atua, aparece e desparece quando encena
teu belo ato entre uma pausa e outra.
E, eu fico sentada na platéia a esperar
que possa te visitar no camarim,
se por acaso me chamar...
Herta Fischer.Coração preguiçoso

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Ciclo

Mesmo que se escrevesse em cada esquina, nos muros, nas frontes, nas calçadas.. Sejam felizes!
Mesmo assim, as cegas continuariam seus caminhos, cavando cicatrizes e experimentando seus limões....
A luz do dia também contém suas trevas.
Lembrai-vos do que outrora fostes, apenas uma criança emburrada a clamar por seus doces,
hoje, nem o mais doce satisfaz.
Somos todos feitura de barro, que ao limiar da chuva de trovões se ameaça, onde
o raio cai, ali mesmo se forma uma cova.
Lembremos que o que se faz, se forma, e o que se forma, é isso mesmo que é.
e o que é, jamais será outra coisa que não seja ele mesmo.
A cada dom concedido há uma força operante, sois concidadão do destino do acaso. Não vem de vós.. é dom de Deus.
Os gritos dos vencidos jamais serão ouvidos, quem se endivida, fica refém da mesma divida, até que se pague o ultimo centavo.
É mister que soframos, porque não entendemos, como porcos a fuçar o barro, sem saber ao certo o que vamos encontrar.
Felicidade, o que é?
Aplacar um desejo de momento, viver a ilusão da eternidade, vivendo na pobreza da carne,
ou esperar por algo mais?
Felicidade é saber que somos passageiros do tempo,  é ele quem nos leva, do começo ao fim,
 como ervas, nascemos pela manhã, á tarde murchamos, e ao cair da noite perecemos.
De repente surge o sol pela manhã, vem ressurgindo em sua luz brilhante, com a sensação de que a noite o apagou, porém em algum lugar continuou cumprindo o seu dever.
A vida é isso.. Fé, esperança e fidelidade.
Ninguém pode se esconder de si mesmo...É inquestionável o fato de que por onde for, vai a sua força ou sua fraqueza.
A vida dispensa pensamentos positivos, pois se faz de qualquer jeito, na alegria ou na dor.
Herta Fischer.








quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Sentimento de flor

Ah! Se todas as flores falassem...Tudo faria sentido.
Uma iria dizer á outra: -Hoje eu fui vista, apanhada, desencabada...Mas minha alma evoluiu!
Se me tiram de meu lugar, logo outra me substitui. Assim entendo, que não sou a única, nem sou tão necessária assim.
Porém, mesmo que não mais me vejam por aqui, a sensação é que estou, que nunca saio do meu lugar, apenas adormeço por alguns instantes para depois voltar renovada.
Tem horas que estamos tão sozinhas que nem nos damos conta da nossa própria pessoa, continuamos ligadas em outras coisas, como se outras coisas fossem nós.Como se não existíssemos sem aquilo que nos rodeiam.
Sempre preocupados com a imagem diante do outro, se seremos aprovados ou não por sermos assim ou assado. De como o outro é bonito, é amado..
Por quê, se somos semelhantes, tão assim como as flores?
O filho do homem não nasce rei, nasce apenas homem, independente de títulos ou glorias.
Assim como a margarida não pode ser rosa, e a rosa não possa ser margarida...Há quem goste das duas, pois as duas estão na mesma posição.
Uma pode nascer ou ser plantada num jardim melhor, mais bem cuidado, mas na essência, elas são apenas flores.
O bom perfume não vem de flores exóticas, o bom perfume vem de flores comuns, não vem daquelas que somente dá flores uma vez por ano, mas, daquelas que florescem sempre.
Assim como o lavrador lavra sua terra para plantar para outros comerem, assim nós também nascemos para complementar um ao outro.
Se sou vassoura, sirvo para varrer.. Se sou máquina, sirvo pra produzir, se sou abelha, sirvo para fazer mel,.Porém, se sou ser humano, domino tudo isto..
A inteligência faz o monge, e não o monge faz a inteligência!
Somente a insensatez produz sofrimentos.
Insensatez vem de quem não pensa, apenas age.
É lógico que se gastar mais do que ganha, vai automaticamente ficar endividado, não é difícil chegar a essa conclusão?
Se ficar endividado, acarretará problemas á outro, pois, o que vende também precisa pagar. Não está claro?
Só que assim como as flores, ficamos estagnados, esperando que outros façam, enquanto ficamos nos divertindo.
As flores não podem se mexer, mas, nós podemos!
Dominamos! Mas, dominar não significa massacrar. Dominar significa,  fazer bom uso.. Usar com inteligência aquilo que conseguimos manipular.
Ou, manusear com cuidado a preciosidade que cai sobre nossas mãos. A vida!
Herta Fischer.












terça-feira, 19 de novembro de 2013

Canção dos vivos

A madre se abriu, e com ela veio a canção dos justos.
Aleluia! Estamos caminhando juntos sobre poeiras,
mas, ainda assim, olhos se abrem, corações fazem sentido.
Onde há pedras, também nascem as flores,
talvez, um pouco desengonçadas, frágeis,
mas, com muita vontade de fazer parte.
Sejamos então, um ponhado de terra
que sobre ela se estende,
sejamos a sombra, sobre a tempestiva onda de calor que queima.
Sejamos a alegria que contagia,
sejamos a compreensão que alivia.
Sejamos o desejo realizado de cada um.
Todos precisamos da alegria, da canção mais comovente,
aquela que fala de amor. Não só da que fala, mas, da que transmite.
Que no limiar do dia, possamos ser e estar vivos,
como a aliança completa entre a lua e o sol,
que caminham na necessidade do dia e da noite,
não pode haver trevas onde há abundância de luz.
Não pode haver compreensão na metade de um caminho,
só quando ele se completa poderemos decifrá-lo e entendê-lo,
ao contar pela manhã, cada gota de orvalho que a noite
tão graciosa doou a cada plantinha que não se importando com a escuridão
esperou nela.
Dormiu na expectativa do sol, mas, antes que ele nascesse,
 ela, a lua, cuidou para que dormissem em paz.
A noite também trabalha, onde ninguém consegue ver,
para que o mundo dos vivos não
se confundam com ao mundo dos mortos.
O que esta morto, está em decomposição para
voltar a natureza em sua forma original.
Enquanto, aqueles que ainda vivem, recebem alimentos
para  que componham a canção
da continuidade da vida em expansão...
Herta Fischer.








segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Poesia

Desnecessário dizer que te amo
quando meus olhos brilham mais do que estrelas
ao pronunciar seu nome.
Desnecessário dizer que faz parte dos meus sonhos,
quando já dormes no meu amor.
Desnecessário tentar te convencer de que a minha vida é você,
quando a luz que me conduz é a sua felicidade
de braços dados com a minha.
Desnecessário falar de mim, quando
o meu ouvido clama pela voz do teu querer
falando baixinho..
Sou teu amor....
Desnecessário ter os pés no chão, quando o que queria mesmo
é estar preso em tuas asas, voando no teu céu,
sobre a luz de um sol de verão.
Desnecessário me declarar, quando minha alma mostra
o quanto enseja estar e ficar do teu lado
para sempre.
Só é necessário que você de fato esteja.
Ai.. voaremos.. e sentiremos a brisa do amor correspondido....
Herta Fischer.

Bumerangue

Se você acha que estapear apaga uma mágoa.. Então, vai em frente.. Estapeie!
Se você acha que amor se torna mais amor, quando se cobra.. Vai em frente...Cobre!
Se você acha que pode mudar o mundo mudando as pessoas.. Vai em frente.. tente!
Se você acha que alegrias se constroem em cima das desgraças alheias.. vai em frente! Põe um arreio!
Se você acha que bons pais são contas bancárias..Vai em frente...Use!
Porém lá na frente, quando for só entre você, você mesmo e a vida...verá que.. da mesma forma.. receberá tudo de volta.. com juros e correção monetária..Sentirá na pele a lei do.. bate-volta....E pensará se vale realmente a pena pagar o preço!!!!
Herta Fischer.

domingo, 17 de novembro de 2013

Pensamento

Ah... que esperança é essa que me abastece...Que colheita é essa que de repente torna-se o que não queria colher?
Porém, meus seleiros se derramam, e minha alma na fome ainda vive..
Na conformidade dos meus dias cheios, de vazios se alimenta.
Que horas são essas que faz com que os ponteiros se adiantem,
e que se atrasem os meus sonhos.
Passarei, mas, não me dou por vencida.. No topo ainda verei a luz do outro lado
se mostrar grandiosa.
Porque a vida só pode ser vivida na troca de mãos,
que sorrateiramente escalam uma a uma os obstáculos e a canseira.
Que de tempos em tempos se renova na fé de quem acredita que a subida é bem mais dura que a descida,
mas, chegando lá em cima.. o prazer é bem maior.
Pois, sabe-se que já é um vencedor(a).
Herta Fischer.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Fonte que seca

Não me sinto mais tão á vontade.
Me pesa demais essa dor,
de viver tão dividido, sem carinho e sem amor.
Abrir a boca é só amargura,
ouvir, me cansa mais,
e no descaso dos outros,
são arrancados os meus ais.
Me dou,  fico ainda em divida,
Se me levanto,
ainda fico estendida,
como o salto duma enguia.
Como folhas a farfalhar com o beijo do vento,
no tempo do contra-tempo,
dançarei sobre o lamento,
de não mais ser dona do meu tempo.
Secaram -se os mananciais,
enrugaram-se os lamaçais, e os seres que lá se refrescaram
estão enterrados nas fendas do esquecimento.
Não há mais moedor, não há mais merecedor,
só dor do desconforto.
Só um vivo no meio do todo morto.
Herta Fischer.








terça-feira, 12 de novembro de 2013

Alma

Somos prisioneiros de nós mesmos,
ligados a matéria. Pois é só isso que conhecemos...
Até mesmo quando se trata de sentimentos, precisamos que seja palpável.....
Não nos damos bem com o invisível, ele nos dá medo...Até onde conhecemos é tudo que enxergamos com os olhos, o que passa disso é loucura para os homens...
Precisamos ir além para afiarmos nossa ferramenta mais preciosa... a fé!
Herta Fischer.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Saudade

Quem pode mudar a direção dos ventos?
Vidas e sonhos,
ilusões e procura,
sinais que não se pode apagar.
visões de fadas e 
seus pozinhos, de bruxas,
e sua poções.
saudade de Noé e sua fé, Crusoé e seus caprichos,
muito mais
de Peter Pan e a terra do nunca.
Nunca mais coisa nenhuma, nunca mais tempo, nunca mais saudade.
nunca mais dor, nunca mais idade!
Herta Fischer.

Quebra de promessa

São incontáveis as vezes em que me peguei pensando na servidão.
Na solidão da escolha mal feita, nos acasos que são muitos,
e nas leis fracas dos homens.
No juramento sobre coação, um juramento diante de um homem,
sem sabermos ao certo, se somos capazes de cumprir.
Como já dizia Raul Seixas:
"-Quando jurei meu amor eu trai a mim mesmo".
E um padre nos obriga a confirmar, e nos coloca numa prisão perpétua, sobre um juramento sem vivencia.
Depois, então, como desfazer uma aliança, feita com o coração?
Como honrar uma promessa feita ao acaso, na pequena fé de um momento?
Não fazemos promessa para outros, o fazemos á nós mesmos.
Então, quando não cumprimos a promessa feita, não estamos sendo infiel ao outro, mas á nossa própria fé.
Quando Moisés deu carta de divórcio, ele pensava na possibilidade de um casamento não dar certo, de desonra a promessa feita. Pois muitas vezes, uma fagulha de incompreensão gera um fogaréu de violências.
Quando um descumpre a promessa, o outro sofre.
Qual passarinho, que estando preso a uma gaiola, não pense em fugir.
Amor é liberdade.
Onde há amor sincero, não se tem por que se preocupar.
O amor não pode ser só corpo, tem que ser espírito.
Porque nas tempestades o corpo não aguenta, é a fé que nos faz invencíveis.
Nem sempre trocar de parceiro é a solução, as vezes é trocar seis por meia duzia. Só nos casos de violência e desonra que o divorcio é a solução.
Uma família bem estruturada tem filhos saudáveis, e a sociedade agradece!
Herta Fischer.






quinta-feira, 7 de novembro de 2013

Somos aquilo para que nascemos

Com certeza, você me dirá que já sabia...Não é porque não sabe, que escrevo. Mas, para que reflita naquilo que acha que sabe....
A vida é feita de escolhas, sempre nos dizem isso.
Mas, na verdade, isso tudo é faroleira.
Se fosse verdade, todos nós escolheríamos a riqueza, o melhor marido ou esposa, o melhor lugar pra se morar, as melhores comidas, o melhor emprego etc...
Quando nascemos, não escolhemos os pais que queremos, podendo nascer numa casa luxuosa como também num casa simples. Começa por ai.
Na verdade, como venho dizendo, não temos controle sobre nada nesta vida, chegamos na ignorância, nem o crescimento depende de nós.
E as vezes, ou quase sempre, vamos embora na ignorância em muitos aspectos.
Somos como um grande olheiro de formigas, onde a rainha forma seus súditos, e embora, ela não tenha domínio sobre o que vai ser, eles fazem tudo conforme a própria natureza de sua criação.
Uns nascem para serem servidos, outros para servirem, uns nascem para realizar, outros para aproveitarem dessa realização.
Enfim, nada é definitivo, tudo se transforma, menos a forma de cada ser, cada um vive de acordo com o que lhes é permitido ou não, pela própria formação da consciência de cada um.
Nada se faz debaixo do sol, que ainda não tenha sido feita nos tempos anteriores, até mesmos os pensamentos sempre serão os mesmos.
Podemos deixar de agir como seres inferiores, porém na maioria das vezes retrocedemos, copiando comportamentos antes já conhecidos.
Buscamos o que mais se adequá as nossa necessidades e muitas vezes vamos além por acreditarmos que somos capazes de mudar a nossa natureza. Querendo mais e conseguindo tão pouco.
Ai, se inicia toda sorte de violência.
Vemos então, pessoas se sobressaindo, formando fortunas,e nos perguntamos: Porque não nós?
Porque nem todos nascemos para a fortuna! Alguns nascem só para cortar as folhas, assim como algumas formigas.
Herta Fischer.

quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Vem e volta

Não se preocupe em demasia com nada... Somos passageiros do acaso...
As nuvens chegam e os ventos a dissipam..
A chuva chega e volta da mesma forma.
Os ventos se alastram, para depois se recolher.
A brisa da manhã vai embora quando o sol brilha,
E mesmo o sol de vez em quando encontra seu descanso.
Toda passagem tem um preço, e toda viagem leva a seu destino...
Apenas espere e promova a sua melhor intenção em todas as suas obrigações....
Herta Fischer.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Melancólica esperança

Mais uma vez estou aqui. Como se tivesse uma caneta na mão, escrevo.
Sinto uma gigantesca onda de melancolia, esperando por respostas que não chegam.
Como explicar este universo imenso. Muito se imagina, mas, sabe-se tão pouco.
O mesmo posso falar de mim. O que realmente sinto, fica entalado na garganta.
Com um nó feito por marinheiro, espreito em ambas as mãos, na calada da noite,
eu só vejo ilusão.
Tento me desfazer dessa onda que me invade, mas o que consigo
é afogar-me ainda mais.
Quem somos nós?
Fumaça sambando ao sabor do vento, ou  algo mais concreto?
Andamos e não  conseguimos sair do lugar.
Amamos, mas muitas vezes só de língua,
ao menor sinal de perigo, só nos servimos da ira.
Quem realmente é nosso Deus?
Aquele que coroamos na gloria da nossa renúncia,
ou aquele que satisfaz os desejos?
De que somos feitos?
Da carne que envelhece, ou do espírito que permanece?
E se permanece, para onde nos leva?
E se nos leva, para onde vamos?
São tantos mistérios, e os homens ao tentarem entender, deixam-nos mais confusos.
Como Salomão em toda a sua pompa, e com grande sabedoria nos diz:-
De que vale ter entendimento, se nada podemos mudar?
O melhor mesmo é seguir a vida, colhendo o que ela nos dá.
Ser feliz  com essa porção, cada um sabe de si.
Amanhã, tudo cai no esquecimento, com exceção do que foi feito para ficar.
Herta Fischer.




Saudade

Eu gosto de me encarar, as vezes,
só consigo isto, diante do espelho.
vejo nuvem em meu olhar,
que se dissipa, quando penso que
em mim, eu também te vejo.

Deixa-me visitar o teu silêncio,
sondar teu coração.
Para poder ter a ilusão .
de que ainda pensa em mim,
e que é meu teu coração.

Todos os dias,  eu
te encontro,
dentro desta saudade
que é só minha.
Murada agora estou,
na esperança que tinha.

O sol nasceu mais uma vez,
Isto para mim é demais.
E, eu vou morrendo aos poucos,
na distancia de um tempo,
que não volta nunca mais.

Se me estendesse a mão,
e eu pudesse te tocar,
traria novamente para mim,
este amor que não tem fim.

Herta Fischer





segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Entre chegadas e partidas

Um dia eu sai de casa apenas com um saco amarrado na cintura, dentro dele, alguns pertences.
Sem saber ao certo que rumo tomava, eu fui na confiança.
Na doçura da vida me  expus tão caprichosa era a esperança.
E no caminho incerto, me encontrei sem saber.
O cheiro da vida vinha á frente, e eu me inundava de querer,
nem sempre pude, mas não desisti de ser.
Sem saber ao certo pra onde ia, eu sempre estava chegando, e ao chegar,
 eu ficava o tempo que tinha para estar.
deixava que a brisa fresca de todas as manhãs
me indicasse o caminho seguinte,
e fui me aproveitando do único momento que realmente interessa,
o do agora e não mais.
Depois, no tempo eu cavalguei, e enquanto ele me levava,
eu, sobre seu lombo sorria.
Me enredei por muitos lugares, onde pessoas interessantes me aguardavam,
mas, infelizmente, a minha sede de vida
não me permitia ficar,
por isso carreguei muita saudades.
Me fazia  falta um lugarzinho só meu, onde eu pudesse estacionar em um sossego.
Como a vida é mesmo nossa aliada, foi me preparando um lugar,
e sobre  o ruido da queda de uma grande cachoeira, aos pés de muitos montes,
 fiz o meu universo.
Me desfiz então de toda bagagem, que por muito tempo carreguei,
só deixando o necessário.
Mágoa , solidão, como trapos velhos joguei fora,
e o que restou foi só amor.
Hoje, em meio a esse meu devaneio, vivo minha paz, divido se necessário,
agrego se preciso for,
mas, só com aqueles que se permitem chegar...com muito amor para dar...
Herta Fischer.





Total de visualizações de página