quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Somos os mesmos

As vezes podem me julgar um tanto depressiva, porém, sou apenas
um tanto nostálgica. Normal para quem carrega muitos anos nas costas.
O tempo passa depressa, não dá para assimilar bem o que nos acontece,
Parece que somos sempre os mesmos, não crescemos, somos
a criança que um dia chegou e ficou.
É complicado ser criança e ter que pensar como adulto, só porque
o tempo passou, e nos cobram essa posição.
Aprendemos sim, com um pouco de experiência, mas
temos um certo medo do novo.
Já sonhou estar dirigindo um carro sem saber dirigir e
pisou no acelerador sem saber qual a medida?
Pois é!
É exatamente assim que me sinto. As vezes, não sei
para onde vou. Nem de que forma faço para chegar, mas
vou a revelia, e sei que chego cada dia mais próximo do que se chama fim.
E não consigo entender esse fim, porque quando ele (o fim) chegar,
eu não conseguirei vê-lo.
Então, a minha moda, o final não existe enquanto o tempo existir.
É como escrever um livro. Se ainda existe espaço e ainda houver tempo para fazer ou
dar continuidade numa história, folhas infinitas podem fazê-lo eterno.
Herta Fischer.


Sou eu

Que bom que existe um amanhã. Assim espero!
Todo dia se torna apenas uma esperança de continuidade,
e o passado, lapsos de lembranças.
Meu lema...Tudo passa!
Enquanto não passa eu apenas confio.
Haverá alguém que me pergunte;
Porque tem pressa para que tudo passe?
E eu respondo:
- Mesmo que eu não queira, tudo passa do mesmo jeito!-
Aproveito, sim, os meus momentos todos, sendo
bons ou ruins, não tem outro jeito, não da para acelerar
ou parar o tempo.
Mas de alguma forma, eu saio de mim, um pouco, quando
uma situação desagradável me alcança. Se me alcançou, também, me passa.
Difícil me entender quando sou eu, mais fácil quando que,
para agradar, preciso me pintar da outra cor.
Se sou azul, não me confundo, sou....Mas se, sendo azul, me querendo
de outra cor, tentam me modificar. Ai, não consigo ser mais nada.
Herta fischer



domingo, 21 de setembro de 2014

Nunca foi pra mim..

Ah, minha bela e desejável felicidade, onde estás?
Meu encontro com o belo príncipe, por que nunca aconteceu?
Se as estrelas indicam o caminho ao viajante perdido, porque
as minhas se apagaram justamente quando eu mais precisava?
Onde se escondeu a alegria quando meu corpo passou?
E bons pensamentos, positivos e alegrantes, porque me parecem tão distantes?
E as dores que me fizeram companhia, porque não despareceram
quando a tormenta passou?
E o  seu amor, que transmitido foi a outro, porque nunca me alcançou?
Se estou no mesmo caminho, usando da mesma frequência, porque
nunca me escutou?
O cabo era tão curto, ou eu, que não suportava, ou que era tão pouco para
o que almejava, e fui ficando esquecida na correria da vida, e os seus sonhos camuflou?
Agora esta feliz com o pouco oferecido e meu amor tão profundo não
quis, nem deseja saber, mas era a imensidão
que hoje, talvez, lhe tornasse bem melhor do que já foi...
Herta Fischer.






De belos contos,,, Só o inverso

Nos meus sonhos de menina, quanta alegria, quanta ilusão.
No decorrer do tempo, quanta descoberta, quanta emoção.
E após tantos anos, só tristeza, só solidão.
Minha fada não era madrinha, minha poção nunca foi mágica,
 minha logica, nunca foi solução.
E minha noite de nostalgia, nunca foi noite, sempre era dia,
e dormir eu nunca podia.
Meu sapo que nunca foi príncipe, meu castelo que sempre foi sonho,
meu sonho que desvanecia e que sempre me corrigia.
Minha corrida  sempre foi caminhada, meu trilho que nunca foi estrada,
e o amor que me corrompia e o romance nunca acontecia.
E a abobora que apodrecia antes mesmo que virasse carruagem, minhas vestes
viravam trapos enquanto o baile acontecia.
E minha alegria de conto, no foram felizes para sempre, se
acabavam antes que a noite virasse dia.
E era assim que acordava, sem beijo de amor, sem flores nem beija-flores,
nem lembranças, só rancores....
Herta Fischer.










O que temos não tem valor

Quantas vezes eu tentei tirar os laços.
Quanta vezes, eu tentei pensar em liberdade.
Em viver por mim, em pensar em mim, em
sair, porque não, de mim.
Sou necessária?
Até quando terei que por os meus ovos na areia,
para depois sumir mar adentro, sem saber ao certo se
eclodirá?
De que me servem os pés, acorrentados?
De que me servem os sorrisos, sem significados?
E o tempo,
Pra que me servem tantos, se o que faço não
trazem nenhum resultado?
Sou aquele montinho de areia, que o vento, após soprar por algum tempo,
depositou naquele espaço,
sonhando que em algum momento voltaria para buscá-lo,
e que, depois se entristeceu por não mais encontrar seu
destino. pois vieram pés, e sem misericórdia alguma
o desfizeram sem saber a quem entristeciam?
E o vento passou, e se fizeram novos montes, e se desfizeram
novamente, até
que toda a areia se
transformassem em
algo insignificante  aos pés de quem passava,
muito menos ao vento
que tanto amava....
Herta Fischer,








Só pra si

Eu falei, quando o silencio era melhor,
Pois de silencio eu estava já estava farta.
De sim, eu me perdi, e agora,
no não, eu preciso me encontrar.
Sei que pra você, o sim, quando quer,
é o melhor.
mas eu, me perco em meus medos,
quando digo sim, ao que não
me traz satisfação,
só para sentir-me melhor ao
te agradar,
Porém me acabo,
quando seu desejo explode,
e eu não mais faço parte
do seu mundo.
Ao dormir, já em seu sonho,
me desalinho,
e sozinha, eu
durmo em meu travesseiro, só.
E ao acordar, a satisfação da noite já se foi,
e meus pés sedentos de passos
já não aguentam meu próprio peso,
enquanto os seus, suportam o caminho
que eu te preparei, por amar-te demais.....
herta Fischer,

Enquanto se deseja

Ontem, eu tentei te dizer, ontem, eu tentei ser eu mesma
pra você.
E como sempre, você se esquivou, me abraçou,
 e seguiu em frente.
Você se camufla como caranguejo a beijar o barro, não se
define em você mesmo,
e quer me transformar em outra coisa,
como se não se resolvesse.
Eu, o que sou,
uma sombra que
morre ao meio dia,
quando os seus desejos se distanciam?
E após, vai se desenhando timidamente,
quando se despertam seus instintos?
E ao cair da noite é um vulto expressando
sua orientação e assimilando o
que realmente quer sobre
o manto que te faz tão sóbrio?
E quando o sono te deseja,
a letargia te cobre, e o esquecimento
do amor que eu te dei se perde
na ilusão da tua satisfação,
esquece-me.
E eu, continuo a lembrar teus beijos,
na continuidade da noite a seguir.
Herta Fischer,






Realidade sentimental

Ah! É hoje!
Enquanto a vida segue, Eu, sem ritmo certo, sigo.
Não adianta ter um lápis á mão, quando não se sabe utilizá-lo.
nem boas idéias,
 sem saber o que fazer com elas?
Como um carro com combustível, motor ,e  todas as condições,
sem ter um bom motorista para conduzi-lo?
E é assim que sigo, direções e conversões adversas, e
um sentido que não me diz exatamente o que fazer.
tenho a minha frente uma porção de terra,
um céu a se seguir, mas, nenhum veículo que
 me leve, com a velocidade que me é perfeita.
Ah, se seu amor estivesse sobre minha responsabilidade,
se seu sorriso me bastasse?
Se a única condição me fosse adiantada,
sem cobranças, nem, nada?
Como astro e suas luzes, eu apenas existisse.
e suas diretrizes se intercalassem,
 na realeza do existir, do sentir-se completo.
Quando o amor só, pudesse falar o que sente,
sem sentir-se ameaçado, sobre
a sombra do que não se compreende,
mas que, a luz o definisse como
real.
E que só se compreendesse
através do caminho a seguir,
como se um passo a dada vez
fosse a realidade da
compreensão, sem
precisar de mentiras
para sobreviver.
Herta Fischer.









quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Ser ou não ser

Demorei demais para entender.
O que a gente pensa não importa,
Nada muda!
Pra que ficar regando folhas mortas?
A verdadeira sabedoria consiste
em "tocar" a vida, a nossa vida,
não a dos outros.
Ter o nosso modo, defender a nossa causa,e deixar
que cada um defenda o seu.
Não colocar em risco a nossa própria consciência,
mediante conceitos alheios.
Ficar batendo na mesma tecla cansa os dedos.
E tentar mudar a direção dos ventos é insensatez.
Tudo se acaba da mesma forma, mesmo
sem a nossa interferência.
Dizem que somos capazes de mudar o mundo,
porém, eu acho, que é o próprio mundo quem nos muda.
Herta Fischer







Tudo fica para trás.

Folhas amareladas é o que restou,
do poema de um tempo
que passou.
Sonhei, sonhou...
 No romantismo da idade precoce,
o amor era maior.
Nos momentos a sós eu escrevi trechos
lindos, pensando em você.
E no fundo de uma gaveta qualquer,
o sentimento evaporou,
assim como a folha que amarelou.
Hoje, encontrei-me com o  mais singelo
amor,
através desse poema,
e reparei que só ficam
as coisas que o momento intensifica até considerarmos
passado.
E o passado que já foi presente na emoção de quem sentiu,
se não tiver registro, se perde em algum momento
na própria decadência do sentido, que
opera no momento apenas.
No momento em que se vive. Não mais!






quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Não sei o que esperam de mim

Eu só queria poder ser eu.
Ao nascer não foi perguntado aos meus semelhantes
se me queriam aqui, e
conforme fui conhecido,
já me descriminavam.
Ora, pelo meu jeito,
ora, por pensar,
ora, por apenas existir.
Falam em máscaras, quando na verdade
sou o que sou.
Não posso simplesmente acariciar egos.
Também tenho os meus, e conforme
me aprofundo em conhecimentos,
mais das pessoas me afasto, ou
elas é que se afastam de mim.
Não posso ser arco-íris, quando sou apenas uma gota.
Não posso ser um oceano, quando sou apenas um rio.
E o que as pessoas querem é que
eu seja exatamente igual,
que siga pelos mesmos caminhos,
aos quais não me identifico.
Então, que seja.
Fico sozinha, mas não me entrego
a ninguém,
para não me tornar refém
de quem, assim como eu,
ainda aprende!
Herta Fischer.



Total de visualizações de página