segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

caminhando simplesmente...

O dia terminava.
Antes mesmo do sol se despedir, o céu escureceu.
Fui para a varanda, sentei-me na cadeira encostada na parede para observar o tempo.
Uma torrente chuva se aproximava. Da televisão vinha um som de Cazuza:
O meu futuro é duvidoso.....
O som se foi por um momento, substituído pelo som de um trovão.
Então voltei os meus olhos para meu cachorro que se encolhia no patamar da porta dos fundos, amedrontado pela tormenta.
E em meio a esta confusão meu sentimento aflorou:
Uma lágrima teimosa escorreu pelos meus olhos, parando de quando em quando nas lombadas das rugas que o tempo intensificou.
Imaginei-me criança, quando as forças regiam com todo vigor.
Neste momento, o que restava era apenas uma vontade louca de viver. Uma vontade de corrigir todos os erros do passado.
Enquanto jovem, não tinha noção do quanto castigava meu corpo, do quanto traia a segurança do meu futuro:
Acendi um cigarro, outro erro do passado, quando nem passava pela cabeça a escravidão do vicio, Tinha uma vontade enorme de parar de fumar, mas, meu organismo já fissurado nunca aceitou minha decisão.
Então veio-me a cabeça uma simples pergunta:
Fui feliz o suficiente?  Ou até então, ainda não a mereci?
Sinto o tédio de levantar-me todos os dias, executando as mesmas tarefas, cansativas e repetitivas.
Então, olhei para o passado e só conseguia ver aquela menininha descalça correndo de lá para cá, sorrindo atrás de seus sonhos.
Ao olhar para os lados nos dias de hoje eu vejo muitos jovens que assim como eu estão cheias de sonhos, achando que  podem extrair tudo da vida sem ter que pagar o seu preço,
 muitas historias se repetindo, gente doente sem achar razões para viver.
Não sei bem se vivi tudo o que tinha para viver, ou se  por motivos alheios  e desconhecidos eu não tive muitas escolhas, assim como muitos não tiveram e ainda não tem.
As coisas e a vida foram acontecendo e eu tive que ir me moldando conforme o desempenho que ela mesma me impunha.
O que é felicidade?
Ou me responda com sinceridade se puder:
Foi realmente feliz algum dia?
Digamos que assim como as estrelas brilham durante a noite, e assim que chega a luz do dia elas se apagam, a felicidade talvez seja apenas um lapso.
Não posso saber o que se passa nos sentimentos alheios, como também não posso responder as peguntas de ninguém, mas cada um conhece o que se passa em sua própria mente.
Uma canseira infindável e uma enorme vontade de dormir para sempre, para me separar desse tédio incessante de  se ter consciência.
Apenas nas horas em que fecho os olhos para dormir encontro algum alento, pois me separo dos acontecimentos do dia para viver totalmente os meus sonhos sem ter que prestar contas a ninguém,
onde vivo meus momentos de loucura quando acordada já não posso viver.
Ninguém tem culpa dese meu estado de espírito, quando a sabedoria me é pesada demais.
Não me importo com a aparência, ou me importo tão pouco, procuro não me olhar muito no espelho, para não me decepcionar com a ação do tempo que diminui minha capacidade aos poucos, apagando as luzes que um dia resplandeceu.
Não ando mais em disparada... hoje já  uso meus freios, mesmo porque não tenho mais nenhuma pressa de chegar.
As estrelas me esperam em algum lugar no infinito... enquanto não se apagam completamente... haverá alguma luz de esperança nos aguardando em algum lugar....
O trem da vida continua em seus trilhos!




Autora: Herta Fischer                                  direitos autorais














]


quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

ciclo da vida... "responsabilidade vem antes do desejo"

Hoje é mais um dia... somente mais um dia! Meus olhos estão abertos.
A consciência efetiva, deriva de atos  e nós, de momentos lúcidos e de sonhos. Algumas pessoas passam, outros ainda ficam, alguns nem se tem mais noticias, mas em qualquer lugar continua em formação o seu ciclo.
Tudo se renova o tempo todo, embora as vezes sejam tão minimas que se tornam invisíveis aos olhos,
de repente, lá se está a mudança, plena, efetiva.
Quando criança, a gente se limita em aceitar a vida como ela é, vivemos conforme o modelo aplicado pelos nossos pais, ao despontar em nós a plena consciência, a nossa visão se transforma em uma máquina de desejos,  tornando-se nossa maior decepção.
Fazemos projetos grandiosos, as vezes até impossíveis, pois a vida não é uma reta ao qual possamos traçar o encontro de dois pontos, mas, uma esmagadora fonte de trabalho, que muitas vezes tornam-se apenas fadigas.
Quando alcançamos a idade adulta, a vontade e a natureza impulsiona e desperta o desejo de construção do lar, onde cada ser é o projeto, e o realizar o modelo.
Também nem sempre sai como queremos, pois cada ser é um ser em potencial, com suas dúvidas e seus medos, que somando, se não for bem trabalhado, assume uma figura preocupante.
Assim nascem as decepções, ora de um, ora do outro, pois, caminhar lado a lado, significam renúncias,
e nem sempre há disposição para abdicar de desejos.
A corda se puxada de ambos os lados, com força igual, tende a ficar estática, sendo assim, não haverá crescimento para ambas as partes.
E tudo se transforma numa rotina, e a rotina é destruidora de sonhos, pois o sonho necessita de metas, sem metas e trabalho, o sonho definha. E definhando, leva com ele a saúde do corpo e da mente.
Por causa disso é que as famílias atuais estão desacreditadas, muitos já falam em instituições falidas,
ninguém mais quer assumir riscos.
O casamento não é como muitos pensam. Não é uma forma de lucro fácil, nem financeira. É uma instituição onde dois seres se multiplicam e se comprometem a cuidar uns dos outros, independentemente do querer individual.
Casamento não é simplesmente papeis assinados, mas compromissos assumidos diante de Deus , dos homens, mas especialmente diante de si mesmo.
Enquanto apenas os desejos materiais e os desejos carnais se fizerem presentes na vida a dois, os casamentos continuarão sendo apenas um contrato com prazo de validade pré-determinado.

Autoria: Herta Fischer                                      direitos reservados.






quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Vamos?

Vamos andar juntos por ai?
Juntar bagagens transpor estradas
Sem motivos nem preceitos.
Simplesmente  se encantar
um na presença do outro
meio certo, meio torto
sem retas, nem arcos, nem voltas

Vamos andar juntos por ai?
Eu na sua e você na minha
Na música que não desafina
sem letras, sem acordes, sem rimas
No embalo que os ouvidos sustenta
apenas o tic-tac e o
sentimento que inspira.

Vamos sair por ai?
Sem eira e sem beira
sem fresta e sem fronteira
andando, amando, somando
braços dados e sorrisos
sentimentos incontidos
e duas bocas se encontrando

Vamos andar juntos por ai?
no prazer dos desgarrados
somente um mais um e ponto.
sem defesas, nem interpretes
sem barulhos , na calmaria
apenas o amor e o amor
dois corações  sintonizados
na frequência dos apaixonados...

Autora: Herta Fischer                            direitos resevados


Nem tão anjo

A ação do tempo vem como tartaruga, mas sempre chega onde quer chegar.
Tive muita sorte de não ter caído em nenhuma cilada enquanto caminhava.
Pois sem saber de nada encontrei o meu mundo.
Não alcancei o meu melhor como esperava, mas tive o prazer de ser o que eu sou..
Não desencaminhei nem me corrompi, embora tenha me quebrado um pouco em minhas descobertas.
Caminhando descalça por sobre os espinhos, sempre se sai ferida, mas as vezes o que importa mesmo é o ter segurança enquanto caminha..
Nunca me importei se estava sozinha ou não, pois muitas vezes sozinha as lágrimas foram companheiras persistentes, e me ensinavam que em lágrimas também se cresce.
Enquanto Deus me der vida é assim que eu sigo, cheia de esperança que as pedras se desfaçam, e o limiar do  caminho se desenhe á minha frente.
Não fui o que quis nem podia ser , pois não houve muitas novidades ao meu alcance, e se houve, também não pude ver
Nem fui tão digna de mim, nem tão digna para os outros, mas fiz tudo o que podia, tudo o que sabia, e de mim sempre dei o meu melhor.
Não posso dizer de minha bondade, pois bondade não se aprende, nasce-se com ela.
E não podemos ser tão bondosos em situações de defesa, portanto, não me culpo se as vezes me comportei mal.
A vida não nos ensina muita coisa, se não queremos aprender, ela apenas despeja os dias sobre nossos pés e nos faz caminhar.
E a gente precisa ir andando, acompanhando o sol que passeia enquanto a noite não vem. E quando a noite chega é hora de superar nossos medos na escuridão que toma  posse do mundo.
Não me superei, nem superei os meus desenganos, muitas manchas ainda povoa os meus sonhos, enquanto os meus dias se desfazem diante de mim, como a neve se dissolve á chegada do sol.
Nunca encontrarei o meu lugar, enquanto ainda persistir á minha procura por sinceridade e paz.
A sinceridade nunca foi o forte dos homens, e a paz nunca vistará a terra por sabê-la imperfeita, a paz só vingará quando os homens deixarem de ser donos deles mesmos, para tornarem-se dependentes de Deus.


Autora: Herta Fischer............................................direitos reservados.





domingo, 25 de novembro de 2012

Sonhos limitados

Embora os anos tenham se passado de uma forma corriqueira,  tudo passa, de uma forma ou de outra, pois o tempo é impiedoso demais.
Tenho em minha memória gravada os sons de muitos momentos, cheiros de perfumes e na boca o gosto de gestos carinhosos que por circunstâncias preciosas nunca se apagaram, nem serão apagadas tão facilmente.
A vida é como as águas de um rio, que correm para o mar e juntam-se as outras águas e não se sabem para onde vão nem onde poderão chegar.
As ondas da vida se juntam a maré do tempo que leva junto com ele a saudade de um tempo vivido,
tempo que se prepara para novos tempos, fazendo propaganda para o novo recomeço de todos os dias..
Com a vitoria nas mãos, pois acordar e viver é o premio, comer e beber com a família é a porção da alegria.. o resto são vaidades que talvez nunca chegue a conhecer a luz.
O caminho é sempre o mesmo, porém o que se vê é que faz a diferença, ninguém sente o mesmo gosto, pois o gosto de cada um, quem poderá medir ou decifrar?
Podemos querer chegar a um lugar desejado,mas, não podemos saber a certo se de fato chegaremos. A incógnita da vida não nos deixa a vontade para traçar nosso destino, talvez ele já esteja escrito no livro da vida, ao qual desconhecemos o conteúdo, mas, que temos que ir reconhecendo pelo caminho conforme vamos avançando.
Nem mesmo as escolhas são realmente nossas, nem nossos desejos todos são realizados, mas, apenas aqueles que por certo temos que experimentar. Por isso nos lamentamos tanto, por não ter o poder em nossas mãos.
Vivemos pouco, ante tantas frustrações e  desejos absurdos que nunca chegam a florescer, vão se tornando eunucos diante dos nossos olhos, sem nunca chegar a ser como aquilo que sonhamos...
Deixamos a vida desconhecendo o conhecimento, numa fração de segundo já não somos e de nós ninguém mais tem noticias, e de tudo que vivemos sobram as sobras de uma lembrança apagada... que de tão pouco vão se transformando em nada na memória dos que juntos conosco viveram...


Autora: Herta Fischer..                                        direitos reservados





















sábado, 10 de novembro de 2012

Pensamentos em forma de frases

A inveja e os desejos vãos é que fazem da criatura um ser vazio e inútil.

Contente-se com o que tem no momento, que o que realmente precisa vai encontrando pelo caminho.

Eu me sinto tão bem do meu lado, que se alguém me faz companhia só completa o meu bem estar.

No amanhã só tenha esperança e fé. Pois confiar no amanhã é como tentar apagar o sol, pois o amanhã sempre será hoje.


Grande fonte de lucro é a piedade com contentamento.

Quem muito se defende não vive.. ou vive mal.

Cada um vive, mas nenhum ser vive para si mesmo.

Seja leve, não carregue muitas coisas que pode te sobrecarregar, não leve muito a sério o que te incomoda, quem muito pensa e muito se defende acaba não apreciando tudo de belo que Deus tem a oferecer.

Quem procura, acha até o que não estava procurando.

Velhice é para aquele que já nasceu preconceituoso.

Bem aventurados aqueles que não precisam dos ensinamentos humanos, pois trazem os ensinamentos de Deus gravados no coração.

Um ser pensante é um ser em desenvolvimento.

O sol também passa por maus bocados, enfrenta nuvens e tempestades e nunca volta desanimado.

Na vida temos duas certezas: vida e morte, o resto fica por conta dos sonhos de cada um.

O corpo é uma ilusão que carrega a essência.

A marcha é lenta, mas a chegada é certa.


Os homens aprenderam a dirigir carros, mas não aprenderam a dirigir sua própria vida.

Pessoas moralistas são as mais perigosas.

As nossas mãos alcançam apenas o que esta ao alcance da nossa fé.

Autora: Herta Fischer..                    direitos autorais reservados.

Ao compartilhar  citar a fonte    obrigado.






Pensamentos em forma de frases

Geralmente o sentimento se agarra no objeto de desejo, quando o desejo de vai, leva com ele o sentimento!

Sentimentos não acabam, apenas transformam-se!

Deixar de fazer uma escolha já é uma escolha!

Temos a responsabilidade de assumir e alinhar as nossas ações com as boas intensões!

Bendito todo aquele que só sabe espalhar amor.

Viver não é para qualquer um, somente para aquele que tem coragem suficiente para se superar.

Tudo o que somos, enxergamos nos outros..Se somos capazes de trair, enxergamos traidores por toda parte.

O homem bom acaba sendo chamado de ingênuo, pois vê sua bondade refletida nos outros.

Geralmente a gente teme nos outros, as más ações que somos capazes de fazer.

Percebi que as qualidades que mais me irritavam nos outros, eram as qualidades de que eu não gostava em mim.

Todos os dias trazem em suas asas motivos para continuar.

Pequenos passos podem não fazer diferença quando uma jornada é curta, mas para a longa jornada da vida há uma capacidade de nos colocar num lugar completamente diferente.

O fardo é leve! Quem aumenta a carga somos nós mesmos, quando queremos mais do que merecemos.

Não se apresse em julgar, na mesma medida em que julgas, também será julgado.

Quem corre atrás é pneu traseiro.

Tem gente que não leva na esportiva nem o esporte, que dirá na vida.

Aprenda a ouvir a palavra sem pré-conceitos, as vezes até um não pode ter grande significado.

O acúmulo de coisas só aumentam o trabalho e as obrigações.


autora: Herta Fischer            direitos reservados
Se compartilhar  indique a fonte.....obrigado.













quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Viagem sem destino

Cada dia é uma resposta, cada noite uma pergunta,
Viver não significa acordar todos os dias e se ter lembranças do dia anterior.
Viver é acordar e ter certeza de que se pode melhorar.
De que se pode fazer diferente!
Que o dia é um presente, que a vida continua.
Que por mais que se intensifique a luta, mais ainda temos que lutar,
pois, quanto mais se tem, mais nos são exigidos.
As lembranças não se apagam, mas também não se repetem.
Se as coisas passam é porque não tem volta.
Se queremos o que não podemos, o querer fica vazio.
sem dormir nem despertar,
pois de que vale um desejo sem ter quem as complete.
Tudo é passageiro, até mesmo a saudade,
que por um tempo é um tormento,
logo se transforma apenas numa lenta lembrança.
A ilusão da vida é enganosa,
enquanto nova não tem limites,
mas ao passar dos anos,
tudo trona-se sem razão nenhuma.
tudo o que fez não encontra nenhum sentido,
e o que vai fazer, menos ainda.
No tempo breve da vida,
se consomem tempo precioso apenas nas descobertas,
no trabalho e recompensas,
que nunca se acumulam.
entram e saem do mesmo jeito.
E o que sobra são muitas experiências
que a gente acaba levando  para o tumulo
De que vale essa viagem que não nos levam a lugar nenhum?

Autora: Herta Fischer                                     direitos reservados







terça-feira, 23 de outubro de 2012

Poder em tuas mãos

Não te prives de ti mesmo.. todos os dias são santos,
quando te guarda de todos os perigos,
te abraça na noite que chega,  te encontra pela manhã, e
abriga teu corpo na benção.
Nunca digas, eu não sei!
Vá a busca da verdade,
tudo quando se quer, se aprende,
não te prives de aprender.
Não jogues  pro alto
seus momentos mais bonitos,
a vaidade também cansa,
de tanto se amar, muitos se perdem,
de tanto duvidar, seguem sozinhos.
Nunca digas que não podes,
poder é confiar que se pode,
e seguir o que se quer,
como se fosse milagre.
Nunca digas que te ferem,
pois quem se fere é você
quando deixa se dominar
pelo seu ego em evidência.
Aceite o amor,
sem cobranças e nem queixas,
quando menos esperar,
ele estará do teu lado.
Sorria mais, põe as tristezas de lado,
quem constrói, se regozija com suas próprias mãos,
na alegria de viver.



Autora: Herta Fischer                                          Direitos reservados







sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Sem acordos na discórdia

Nesta vida nada temos por certo.
As vezes um erro pode ser um acerto, e um acerto, pode ser um erro.
Dependendo do ponto de vista, cada um olha como quer,
a moeda tem dois lados.
Se vou para frente, querem me ver de costas, se vou de costas, querem me ver de frente.
E assim eu vou vivendo com meus princípios confusos, pois a confusão é tanta,
nem sei o que querem de mim.
Se olho para um lado, dizem que não é certo, se olho para outro não me aceitam,
se não olho para canto nenhum me chamam de cega.
Se sigo meu rumo, estou em estradas estranhas, se não sigo, estou perdida, se paro eu não sou nada.
Que sociedade medíocre, que só olham o que enxergam, que só enxergam o que querem.
Até mesmo no limite do meu ego, eu paro para ver as coisas do meu jeito, ai mesmo é que me condenam,
dizem que não vi direito.
Eu vou ou eu fico? Decidam!
Quem esta certo, ou quem está errado? me digam!
Até hoje estou tremendo, sem eira e nem beira, entre tantas encruzilhadas,  nem sei por onde eu sigo.
Meu vizinho nem me olha, pois não penso como ele, meu amigo me vira as costas, pois lhe falo com sinceridade.
Meus irmãos estão confusos, cada um vê de um jeito, eu aceito e respeito, mas quem está com razão?
Só me dividindo em pedaços para dar um tiquinho para cada, quem sabe esta ilusão se acabe, e eu veja alguma luz.
Até agora eu não sei, e ficarei sem saber, qual deles está com a verdade,
pois as divergências são tantas, tantos partidarismos, tantas questões sem razão.
Entendam um ao outro, depois me expliquem, ai, talvez eu também possa entender, o  porquê de tanta divisão!

Autora: Herta Fischer                                                       direitos resevados




Imóvel como uma pedra

Como as raízes que se prendem ao chão, eu fiquei presa a você.
Como a terra que sedenta , com a falta de chuva se enfraquece, eu também sequei por dentro, asfixiada  por seu egoísmo.
Tudo o que sonhava ser, nunca alcancei. Pois você não deixou meus pés correrem ao encontro dos sonhos.
Eu sonhei. Você viveu.
Não deixou tempo para mim, roubou-os todos para que vivesse a sua sombra.
Quis ser eu mesma, e só consegui ser seu desejo.
Sonhei em conquistar meu espaço, e todo ele foi ocupado por você.
Como um tirano sem alma, destruiu minha alegria, conquistando tudo que eu era.
Deleitou-se em prazer sobre meu corpo, sugou minha alegria de viver, como se tudo que era meu lhe pertencesse.
E quando me preparava para a liberdade, me prendeu em teus castelos de desejos, sugando todo o néctar de minha pureza.
Desprezou meu desespero e fechou os ouvidos para meus gritos. fazendo com que meus olhos se fechassem para tudo e enxergasse somente você.
As amarras invisíveis de sua insensibilidade me machucaram tanto, e deixaram muitas cicatrizes.
Quando percebi que tudo era dor, quis me libertar, porém já era tarde.A aurora se foi e o entardecer chegou depressa.
E nesta noite, todas as luzes se apagaram, e o que resta, são apenas a escuridão da alma, e o saber que a noite não termina, pois como uma pedra, me tornou imóvel para sempre.

Autora: Herta Fischer                     direitos reservados.



sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Unidade na fé

Vou começar este texto, emprestando as palavras do senhor...."Vinde a mim as criancinhas"
e "não entrará no reino de Deus enquanto não te tornares como uma criança".
Quando o senhor Jesus proferiu esses ensinamentos, ele quis deixar bem claro que os humanos adultos vivessem de uma forma  leve, sem preconceitos, livres de quaisquer impureza de comportamento.
Pois uma criança confia, segue seu caminho despreocupada com o dia de amanhã, sabe que tudo se lhe dará no devido tempo, e nem com a fome elas se preocupam, pois sabem que tudo o que vive, não é para si, mas para Deus que os fez.
Devemos nos preocupar, sim, como adultos, quanto ao nosso alimento diário espiritual, pois sem esse alimento, nos tornamos esfomeados de injustiças...
Toda a fonte de Deus está aberta para todos, mas, quando nos recusamos a beber desta fonte, e seguimos após ela, a beber em outras fontes, sentimos secura na boca, como se estivéssemos bebendo da água salgada que não satisfaz.
Porque a fonte de Jesus é refrigério para a alma sedenta, e outras fontes que não veio por meio dele é fonte de vaidades.
Quando o apóstolo Paulo se referiu ao dar o leite, ao invés de comida solida, porque ainda não estávamos preparado para receber a solidez, ele se referia ao sermos criança na fé, como muitos ainda insistem em não crescer.
Sejam bem vindos a fonte "Escritura Sagrada". Bebam da água da vida," Jesus Cristo", o amor que a todos consola..
Não esperem que homens comuns,  de carne e osso, como todo mundo, sejam seus guias, pois em todo homem há cegueira, Mas em Cristo há luz permanente, luz que leva luz.
Vá a fonte e experimente saciar sua sede da verdade... Pois como está escrito: "estou seguro que já sabes as sagradas letras que te levam sabedoria, e que não mais necessita que outros lhe soprem aos ouvidos as suas insanidades e conversas frívolas.
Pois todo o que foi confirmado na graça, estão esperançosos e sedentos do conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo.
E para conhecê-lo é necessário  assemelhar-se a Ele, enxergando os seus irmãos da mesma forma  que vê uma criança.
Fuja das paixões, que além de fazer mal ao corpo, ainda corroí a alma.
Leiam as historias dos tempos antigos, como os homens que se dizem religiosos se comportavam, prove os seus espíritos, e se não ver misericórdia em suas ações, deles se afastem.
Pois Deus é misericórdia, e aqueles que dizem ser de Deus e não agem como Ele, o faz mentiroso.
Toda essa escuridão que nós enxergamos no mundo,: as injustiças, o desamor, a fome, a miséria, o descaminho,  as dores, são provocados, não pela vontade de Deus, mas pelas injustiças de homens que não conhecem as riquezas das misericórdias de Deus, e o insultam contando mentiras e enganos para desviar as pessoas do caminho da verdade.
E aqueles que são enganados acabam se afastando do Deus da verdade, e se juntam aos mentirosos e recebem cada um o galardão que merecem.
O único caminho que nos leva ao Pai... é o Filho, não se enganem, não existe outra ponte...Esta escrito:
Todo aquele que não entra ela porta, é ladrão e salteador, tome cuidado para não fazer aliança com eles. O seu caminho é miséria e sofrimento.
Largo e farto é o caminho da perdição, dá uma falsa impressão de felicidade e prazer, mas é momentâneo e passageiro.
O caminho da verdade em Cristo é estreito, pois exigem sacrifícios! Esta escrito:
O maior precisa ser o menor, este é o que deve servir.
Quando aceitamos a salvação, devemos estar mortos para o mundo, e ressuscitados para o amor.
Enquanto não aceitarmos servir aos irmãos, na verdade estamos longe da fé verdadeira, Pois Deus é amor, e Cristo é esse amor revelado..Devemos então ser a personificação deste amor, pois foi para isto que ainda estamos no mundo, não para disputar quem vence ou quem é melhor, mas para amarmos uns aos outros, assim como Deus nos amou, enviando o seu filho para conhecer as nossas dores e tornar-se sacrifício eterno a fim de nos resgatar do pecado permanente que na carne ainda temos que suportar. Como diz o apostolo Paulo: "Meu espírito luta para fazer o bem, mas a carne tende a fazer o mal que não quero!"
Então, já não depende mais de quem corre, mas de Deus usar de sua misericórdia para com os homens!


Autora: Herta Fischer                         direitos reservados










terça-feira, 2 de outubro de 2012

Que mundo é esse?

Eu sigo o meu caminho com grande esperança, desde pequena eu sonho com dias melhores.
Tive meus momentos de medo, de solidão, sem ter em quem me abrigar.
Fui crescendo entre rosas e espinhos, briguei comigo mesma, entrei em conflito de existência, me escondi, literalmente, embaixo de uma cama, para fugir dos fantasmas.
E percebi, que aquilo que mais queria, estava longe de ser um ideal, a saber, ser gente grande para pensar como gente grande.
Eu não sabia, que as pessoas quando crescem, ficam tão alienadas em seus próprios caprichos, se enfiam dentro delas mesmas, pouco se importando com as dores alheias.
Esse mundo, é mundo de enganos. Esta vida não é nada se comparada com a promessa de Deus.
Então, enquanto me olho no espelho, e vejo meus motivos se definhando, minha mente se embaralhando, meu sossego desassossegando, eu sinto que meu tempo também vai se definhando.
Eu, quando jovem era dona do meu tempo, nem imaginava que um dia teria fim, que seria como uma ilusão que passa.
E que tudo o que fiz, ou que faço, é tudo em vão, daqui alguns anos, ninguém mais se lembrará, serei como a fumaça no vento, por um pouco e ela se vai.
Enfraqueceu-me as vistas, enfraquecem-se os moedores da boca, enfraquece-se a memória, também vão se as lembranças, restando apenas as marcas do sofrimento na pele.
E quanto mais me aproximo da realidade, mais me distancio do meu querer, pois meu querer não é nada, diante desse tempo que a tudo controla.
Quando criança eu não me preocupava, eu apenas confiava, hoje eu me preocupo, e vivo desconfiando de tudo.
Então, me pergunto: - Que mundo é este? Que não satisfaz!
Por mais que se conquiste, estamos sempre a querer mais!
Não basta o termos saúde, não basta o termos amor, queremos o mundo, mas o mundo não nos quer.
Pois reinar aqui, é massacrar os outros, massacrar a nós mesmos, nos desejos que não cessam, no querer que só condena, no possuir sem razão.
Eu compro coisas das quais nem uso, alimentos que nem cabe em meu estômago, ando atras do vento, e nem sei pra onde vou.
Essa ilusão de viver é tanta, que também uso as pessoas só para o meu prazer.
Se alguém esta cansado, eu me ponho de lado, e nem penso em ajudar. Meu pelego é meu assento, minha casa é meu luxo, meu dinheiro é meu poder.
Mas quando eu sair deste mundo, o que me espera?
Vou aproveitar de tudo o que possui, de tudo que só me fez sofrer?
Para onde vou, não levo nada! Então, pra que tanta correria, porque tanta ganancia, pra que tanta cobrança, se vivo com tão pouco?
É só canseira desnecessária, e esperar vitoria sem ter luta, é acordar toda manhã sem saber se vai chegar ao fim do dia.
Então, só me resta voltar a ser criança, e como criança pensar, e como criança agir, até que a noite se faça dia, até que a escuridão se desfaça pela chegada da luz, e eu possa enfim, voltar de onde sai.


Autora: Herta Fischer                               direitos reservados







sábado, 8 de setembro de 2012

Voltando o tempo da escuridão

Eu deixei de escrever por uns tempos, pois acredito que é tudo em vão.
Como já dizia há  algum tempo o sábio pensador. " Não adianta fazer algo pelo qual ninguém se interessa", é o mesmo que cozinhar sem ter quem coma.
Pouco interessa as ideias, se não temos com quem compartilhar.
Chegará um tempo em que as pessoas terão fome de boas palavras, mas será como procurar agulha num palheiro, não vão mais encontra-la.
Sentirão coceira nos ouvidos a fim de ouvir um bom conto, uma boa história  e não terão quem conte, pois nos tempos atuais as coisas  superficiais é que são valorizadas.
Eu fico deprimida ao ver que caminho toma a humanidade, não dão mais valor a instrução, cada um toma somente como verdade o que alimenta o ego.
Eu sei, não sou perfeita, mas trago dentro de mim, certos valores aprendidos com meus pais, das quais não abro mão, mesmo que para isso fique totalmente só.
Eu tentei fazer com que minha voz fosse ouvida, usei o caminho do conhecimento e da cultura para poder passar um pouco do que sei e do que aprendi nesse tempo em que vivo.
Não para me fazer melhor do que ninguém, pois cada um tem o seu valor, cada um tem um dom, e deve fazer o  melhor uso dele.
Eu vejo tanta ansiedade nas pessoas, tanta gente deprimida, sofrendo por não encontrar a paz... e quando a gente oferece a paz, a maioria rejeita.
Todos buscam a felicidade, mas ninguém quer abrir mão de si mesmo para encontra-la, os bons conselhos tem sidos tratados como reprimenda ou castigos.
Nada tem real valor a não ser os objetos, as pessoas passam despercebidas quando não estão condizentes com  a loucura do mundo.
Se eu tivesse um nome, talvez me dessem um pouco de valor, mas como sou apenas uma dona de casa, como que eu posso querer fazer algo de bom.
Neste mundo tão injusto, os que aparecem são os que fazem mal aos outros, aos que querem encontrar um espaço sem derrubar ninguém são tratados como escória... valores invertidos....
O dom de cada um passa para segundo plano, só os que estudaram e exibem um diploma qualquer podem trabalhar e receber uma cadeira na primeira fila da sociedade.
Eu não tive estudo por falta de oportunidade, mas o conhecimento veio até mim, por esforço próprio.
Sempre fui uma pessoa dedicada e inteligente o suficiente para entender o que acontece no mundo,  trabalho desde criança e me esforço o bastante para cumprir minha missão aqui na terra.
Enquanto eu sofro por ver tantas besteiras, outros se deleitam na ignorância do povo, pois quanto mais ignorantes, melhor!
Gente ignorante é fácil de ser manipuladas, enganadas.
Traçam um plano para fazer com que a sociedade continue de olhos vendados, para comercializar almas humanas.
Até que não tenha mais nenhum esclarecedor, até que todas as vozes se calem, até que não haja nenhum pensador, e os homens de poder voltem a tratar os menos favorecidos como os vassalos de antigamente.
Ouça hoje, há tantos pensamentos a compartilhar. Abram seus olhos e seus ouvidos a  fim de não verem chegando  os dias em que todas as bocas se calarão, e todos os olhos se cegarão. E procurarás e não acharás, e quererás ouvir e terá que se contentar com o silêncio.
Não tem nada pior que a escuridão das ideias.

Autora: Herta fischer                              Direitos autorais reservados





segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Escuridão permanente

Quando a gente anda pela vida, procurando pelos encontros inusitados que geralmente compõe nossa etapas de sonhos e realizações.
Quase sempre esperando que as pessoas possam suprir nossas expectativas, usando de bom senso para somar e firmar nossas raízes na terra da sabedoria.
Esperamos que tudo se concretize conforme nossos desejos, que castelos e príncipes se façam concretos nessa magia de sentimentos que conservamos desde crianças.
Ao percebermos que fazemos parte de um mundo onde todos somos feitos das mesmas sementes, e que a massa não pode diferir uma das outras, que o que é humano dificilmente se torna espírito, e vice e versa, a decepção é quase que eminente.
Esperamos ver no outro uma perfeição que não pode existir, pois como esperar perfeição se somos todos defeituosos.
Se é o ego em evidencia que descarrila os vagões da incerteza que cerca todos os mortais. Se é por medo que deixamos de realizar os mais objetivos aprendizados, se é na mentira que os homens conseguem seguir em frente. se é furtando filosofias que conseguimos entender alguma coisa, por que com certeza nem sabemos de onde viemos e para onde vamos.
Se na ignorância que homens são considerados descartados, e que a maioria se descaminha nos altos sons de que são cantados os considerados bem nascidos,
Porque colhem o que não plantaram, e comem daquilo que nunca foi pão, e que se contaminam nos suores de quem sempre trabalhou.
Nas grandes riquezas se estabelecem  em função do que é menor, pois roubam o direito do  trabalhador de comer o que plantou e sugam do pequeno o direito de viver na paz.
Em carreatas de soberba se enleva os corpos em decadência dos homens que sugerem a si mesmos os direitos, e que sutilmente usam da astúcia para construir os seus castelos, desencadeando a fome por justiça.
Esquecem-se que um dia a terra come, que os castelos desmoronam-se, e que as vestes servirão de comidas para as traças.
Pois mais vale o pobre em sua ignominia, do que os que se acham em evidência sem ter um coração.
Porque as trevas te alcançam e de suas dores não poderão fugir. No dia de tua necessidade, não terás amparo, pois depositaram confiança naquilo que não poderás lhes defender.
O homem nada é se não tiver esperança, se não amar o que tem, que não somar com os outros, se não se orientar na verdade, se não deixar de ser vaidade, se não deixar de se alimentar de ilusões.
Tudo nesta vida é transitório, tudo se desfaz em uma cova qualquer, mesmo deixando uma plantação imensa, são outros os que terão que colher.
É melhor plantar o que se come, do que semear em vão, é melhor não ter deixado nada, do que levar corrupção.
Enquanto houver roubos e matança, nunca haverá sossego.
Enquanto houver injustiça social, não pode haver povo feliz!
Autora: Herta Fischer!                   Direitos reservados






quarta-feira, 18 de julho de 2012

Saber.... Uma porta sempre aberta

Bem, cá estou novamente querendo escrever.
Tem horas em que tenho um milhão de pensamentos, mas quando estou aqui para escrever a mente se esvazia.
Tenho comigo que somos feitos de ilusões... e quando essa ilusão se extingue tudo vira fumaça.
Os nossos pensamentos as vezes não se solidificam, é apenas uma passagem que se apaga em determinado tempo.
Mas quem gosta de escrever precisa saber pensar, ou inventar uma história ou simplesmente sonhar.
Eu luto comigo mesma todos os dias para não cair em armadilhas, como aquelas que nos fazem pensar que não somos capazes.
Capacidade a gente inventa... se não tem, se constrói.
Nada é impossível quando se acredita  que pode, e a gente pode tudo quando se tem fé.
Há algum tempo atrás, as mulheres acreditavam que elas só sabiam cuidar de casa, e hoje elas realizam tarefas que só os homens realizavam, e com muita competência por sinal.
Então, a mudança só acontece quando estamos dispostos a mudar.
E isso independe de classe social ou de cultura, mas do próprio querer em si.
Eu me lembro quando comecei a escrever, as palavras não fluíam, queria registrar meus pensamentos, mas não conseguia transformá-lo em palavras.
Geralmente ficava irritada e acabava desistindo.
Mas, a vontade era tanta, que continuei insistindo, até que, com o tempo fui desenvolvendo meu método de escrita, pode até não ter valor, mas me dá grande prazer.
Acontece o mesmo quando a gente tem algo grande a realizar e vem aquele medo ou  insegurança de não ser capaz, mas  a partir do começo, logo a gente percebe que pode, que consegue. Todos conseguem, porque a gente não?
Somos feitos da mesma massa, construídos para vencer desafios, então temos todos o mesmo potencial, basta acreditar e dar o primeiro passo.
Eu me lembro que não fiz o colegial, logo que terminei o fundamental, pois morria de medo dos x e dos y em matemática, e também das aulas de inglês, eu achava impossível eu aprender.
Mas, como sou muito teimosa, depois de muito tempo, resolvi enfrentar a tão temido colegial.
Logo de cara já tive aula de inglês, eu tremia de ansiedade, mas foi indo, foi indo, e foi a matéria em que mais me dei bem.
Então compreendi que deixamos de fazer um montão de coisas, só por insegurança.
Todos nós temos uma neurose a respeito de alguma coisa, e o medo faz com que deixemos de acreditar em nós.
Quando aprendemos a enfrentar nossos medos, descobrimos que somos capazes de fazer tantas coisas boas, que não há limites para o aprendizado.
Podemos ser doutores se quisermos, sem nunca ter frequentado uma faculdade, pois, para isso existem os livros, e estudar nunca é demais.
Eu amo a aprendizagem, eu amo tudo o que ensina, quero morrer aprendendo.
Aprendo com a natureza, aprendo com as pessoas, aprendo com meus filhos, com as crianças, enfim, tem sempre uma lição esperando para ser descoberta.
E precisamos estar abertos para tudo na vida, para que possamos viver melhor e tirar do nosso mundo todas as lições que puder.

Autora: Herta Fischer            direitos reservados





.

domingo, 15 de julho de 2012

Sociedade

Quando o ser humano eclode para o mundo, mesmo inconscientemente, já tem uma noção de suas necessidades básicas.
O Bebe, um ser tão dependente dos outros, não tem uma consciência efetiva, mas como um computador programado, busca inconscientemente na consciência, o material para suprir suas necessidades de sobrevivência.
Esse programa já está estabelecido geneticamente, sem que precise que o leve até o peito, ao sentir o cheiro do alimento, gira a cabecinha no sentido da procura de subsistência.
Tão logo o tempo passe, ele vai se desenvolvendo, tomando consciência de alguns objetos que lhe chama a  atenção.
Não podemos afirmar com certeza o que os leva ao desenvolvimento assim tão rápido, mas podemos afirmar que dentro do quadro familiar, com a ajuda dos provedores, sua mente, embora desativada da plena consciência das coisas, como os animais, o programa do instinto é muito aguçado.
Instintivamente, começa a identificar a mãe, o irmão, ou o pai, sua boca já consegue esboçar um sorriso, suas mãozinhas se abrem e se fecham em torno de algo, e o tempo em que passava dormindo começa a espaçar-se.
A partir desse momento já é um ser social, passa a fazer parte da sociedade familiar, ao sentar-se numa cadeirinha a mesa, onde incluindo-se socialmente, faz parte do ritual da alimentação..
Como um robozinho, inicia-se o aprendizado dos movimentos, meio sem noção do querer, mas acompanhado pelo desejo de locomoção, já vai fortalecendo todos os músculos do corpo, a fim de sobreviver.
Com o passar do tempo, já com os músculos desenvolvidos, diante da necessidade da coordenação motora, passa então a colocar objetos a boca, ainda meio desajeitado inicia-se então o querer alimentar-se sozinho, porque além da coordenação, sente necessidade de desvencilhar-se da ajuda dos outros, para executar pequenas tarefas.
Esse processo dura no minimo um ano, a partir dai, habituado a ouvir sons, já começa a falar uma pequena quantidade de palavras, algumas coerentemente, outras balbuciadas, sem sentido.
Com a ajuda da audição e da percepção, aprende os nomes dos objetos e das pessoas ao seu redor, que com o tempo vai se expandindo, até que se crie na consciência a noção de si mesma e dos outros que começam a fazer parte de seu mundo.
Começa-se uma nova etapa no aprendizado, na necessidade de aprender a arte da comunicação, não só da fala, mais da escrita.
Se a criança acha um lápis ou caneta, seu instinto é rabiscar, nesta fase é interessante preparar algum lugar para que ele faça isso, sem transtornos para os pais.
Também seria interessante tirar alguns minutos do dia para que tenha contato com imagens diferentes e com a própria linguagem, neste caso, poderá ser uma revista, ou um programa de televisão voltada para a criança.
Mas, tão importante quanto a linguagem, é aprender a ter limites....Pois no futuro isso lhe será cobrado constantemente.
Enquanto pequeno precisa ir aprendendo a se colocar em seu lugar, para isto é necessário ter bons exemplos de seus provedores .
Assim, vai tendo a oportunidade de no futuro ser um bom cidadão.
Também é importante que se dê valor ao que ele gosta de fazer, e lhe dar ferramentas para desenvolver o seu potencial em relação ao seu melhor dom.
Cada criança tem a sua personalidade individual, mas o conhecimento vem de seus familiares, portanto, importa que as pessoas com as quais convive, sejam pessoas sociáveis e comunicativas, mas que não interfiram tanto em seu desenvolvimento psicológico.
Que não contem mentiras , para que não se  crie um expectativa falsa em relação a seu próprio futuro.
Isso pode criar na mente da criança uma certa desconfiança em relação aos adultos. e um certo medo de que suas descobertas também possam ser mentirosas.
Nesta fase do aprendizado deve-se tomar muito cuidado com as cobranças, sempre que ela vai avançando, deve-se incentivar e nunca criticar, respeitando o tempo e o modo com que ela vai aprendendo, para que no futuro não seja uma criança insegura.
Executar pequenos trabalhos também são necessários para que não se sinta inútil, pois é perfeitamente normal que se interesse em fazer alguma coisa mesmo que seja em forma de brincadeira.
Uma criança nunca deve ser submetida a provas.. e sim, em testes de conhecimento, só para que se acompanhe o seu desenvolvimento, e não para cobrar resultados.
Também se deve por meio dos que convivem com elas, falar somente coisas boas e agradáveis, porem nunca deixar de ser verdadeiro em ralação ao mundo em que vive.
Ela precisa crescer em um ambiente saudável e tranquilo, sem ser super-protegida, tem que aprender a respeitar, mas também precisa ser respeitada em sua individualidade.
Pois precisa aprender a fazer sua próprias escolhas sem que  haja interferência dos pais.
No futuro precisará ter confiança em si mesma , para crescer segura de sua capacidade física e psicológica.


Autora: Herta Fischer                    direitos reservados.





quarta-feira, 16 de maio de 2012

Entre o céu e a terra

Ao nascermos já está escrita a nossa história, nas entrelinhas da imaginação.
Todos temos os nossos desejos.
De sermos amados, de sermos ricos e abastados, de sermos vistos, de sermos pelo menos, importante para alguém.
Passamos a vida inteira correndo contra o vento, querendo dar o passo seguinte, sem ao menos termos firmados os primeiros passos.
O que nos conforta é saber que estamos no mundo fazendo parte do jogo da vida, e que todos jogam da mesma maneira, e que as vezes perder faz parte, pois não se pode ganhar sempre!
Estamos entre o céu e a terra, um pouco de luz e um punhado de loucura, um pouco de magia e o resto de ilusão.
Mais ilusão que outra coisa, porque desejar o que possui é impossível.
Desejar o que se tem perde a graça, então estamos sempre com as mãos estendidas, a espera de alguma coisa que ainda não veio.
E damos tão pouca importância ao que temos, por querer um pouco mais.
Porém quando percebemos tudo o que  perdemos por causa dessa ilusão toda, a vida já se foi.


Autora: Herta Fischer                       direitos reservados

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Quem não pensa é uma pedra

Não consigo ficar sem escrever nada. Mesmo que não tenha ninguém para ler, vou continuar.
Todo o prazer da vida se resume numa palavra "fazer o que gosta".
E eu amo tudo que diz respeito ao pensamento, quisera eu poder ter acesso á todos os pensamentos e que aqui pudesse registrar também tudo o que penso.
O pensamento é como o vento, nunca está no mesmo lugar.. rodeia o mundo da imaginação e se renova de tempos em tempos.
Pena que nem sempre conseguimos expô-los todos... As vezes precisamos refreá-lo para que não se torne um martírio, porque o que pensamos são os reflexos do que somos.
E muitas das vezes são só pensamentos, nunca se tornam ação.
As idéias é que movem o mundo, sempre que algo novo acontece, é porque alguém pensou, colocou esse pensamento em prática e o consumou, deixando de ser simplesmente um pensamento para se tornar algo real e com significado.
É por isso que gosto de registrar o que penso, porque contido nele está toda uma história de superação, pois viver é uma superação. Empurrar um dia não tão bom, com força e atitude, veicular uma vida incerta, pois de manhã, não encontramos nada de concreto. Acreditar no passo seguinte, sem saber ao certo aonde se pisa, tudo é superação,
E ai está novamente o pensamento tomando conta do seguir, não damos um passo, sem antes pensar.
Para mim, a coisa mais interessante que existe, é não saber de onde vem, como se explica o pensar de um adulto ou o pensar de uma criança?... como amadurece um pensamento?. De onde vem tanta informação?
Não preciso saber ler para pensar, não preciso ouvir ou falar, não é preciso saber nada, ele existe.. e pronto.
As vezes faz tanta confusão, as vezes acalma, e ainda outras vezes não nos deixa nem dormir.
Mesmo dormindo faz os seus estragos ou age como  um anjo, entre o limite do sonho ou do pesadelo, sempre esta ativo.
Diga-me o que pensa, que sabereis quem é!
Você é seu pensamento!
Sem ele pra te guiar, provavelmente não faria nada, não seria nada, seria apenas como uma pedra que nada tem para oferecer a não ser seu grande peso, pois....O que é o ser humano sem pensar? Pense!

Autora: Herta Fischer                                        direitos reservados



quinta-feira, 10 de maio de 2012

Estrela cadente

Quando olho para o céu, na esperança de ver as estrelas sorrindo, como se fosse você a me confortar.
Como no dia em que de fato te encontrei em meus sonhos, aquele que não realizei, aquele que me pareceu uma estrela cadente, que tão depressa passou sem que eu pudesse perceber.
Pudera eu te encontrar em algum lugar neste imenso céu, onde a luz se mistura a escuridão da minha alma, pois não há mais espaço para os sonhos,  o tempo se finda no firmamento do corpo.
E o corpo já submerso na tristeza, sufocado pela lembrança que a alma se ajuntou, num derradeiro suspiro, enfrenta a calma do anoitecer que se chegou.
Quando era ainda dia claro, onde eu enxergava a alva da vida, tinha ainda tempo pra mudanças...Porém como toda manhã, na esperança se cobre o dia, de nunca a noite o alcançar, mas foge  em tormentas de saber que a noite vem.
E o brilho da estrela que passou, que também já se apagou e de saudades se enfeitou,
com a escuridão da noite sem brilho, sem você neste vazio, solitário ainda insisto.
Não encontro mais forças para continuar, meu caminho  transformou-se em trilhos, minhas duvidas nunca alcançaram respostas e eu sigo devagarinho sem a estrela que me guiou.
Estrela cadente, que chega de repente, traz de volta o que se foi!

Autora: Herta Fischer                                          direitos resevados

domingo, 6 de maio de 2012

Olhos cerrados

Geralmente só olhamos para dentro de nós mesmos, esquecendo que outros também tem seus sentimentos.
Que outros sofrem querendo realizar seus desejos mais profundos, que esperam de nós, um simples olhar, ou um singelo sorriso.
Quando andamos pelas ruas, quantas pessoas passam por nós, cada um com seus sonhos, quantas cargas elas carregam nas costas e nós nem fazemos ideia do que realmente elas pensam.
O único conhecimento que temos, são de nossas próprias frustrações, de muitos de nossos desejos que não foram concretizados.
Parece que o sofrimento só foram direcionados a nossa pessoa, que para outros ele não existe.
Será que todas as pessoas são felizes?
Será que a canseira da vida só castiga nossa causa, que outras pessoas não tem problemas?
Ou somos miseravelmente egoístas a ponto de só ver o que realmente queremos ver, os nossos olhos só alcançam aquilo que está muito visível, ou que nos afetam diretamente.
Queria poder alcançar com minhas delicadas mãos os corações quebrantados, que sofrem como eu algumas desilusões, e por causa dela  desistem de viver.
Pudera eu ser o balsamo para todas as dores do mundo, pudera eu compreender os fatores que muitas vezes levam alguém a desistir dos sonhos.
Pudera eu ter nas mangas a carta certa, para completar no outro as suas faltas, pudera eu ser como o vento sul, que vai de mansinho tirando as nuvens do céu, empurrando-as, até tornar-se dia perfeito.
Nenhuma pessoa é feliz completamente, enquanto houver gente clamando por justiça, enquanto houver crianças nas ruas, mendigando o seu pão.
Enquanto houver gente querendo tirar proveito do pobre jornaleiro, que todos os dias se perde na esperança  de encontrar um pouco de alento pras suas dores.
Enquanto houver gritos, e rumores de agonia daqueles que converteram seus sonhos num punhado de pó, entranhando suas narinas na face da morte.
Enquanto quem pode, quem detém o poder, não abre seus olhos para a deficiência do mundo.
Entre risos e lágrimas vamos nos definhando, caminhando sozinhos, arcados pelo peso pesado da solidão em questão.
No meio do ninho, uma cobra se esconde, pronta para dar o seu bote sem piedade nenhuma.
Pronta para incutir seu veneno mortífero, nas entranhas do pobre que desavisado segue tranquilo seu caminho.
Ou quanto muito é usado, todo seu corpo suado para outros viverem de seu ganha pão, enquanto em sua casa há falta de vinho, outros se embriagam  na vinha de seu lagar.
Queria poder ver e sentir o que os outros veem e sentem, para poder mudar minha forma de pensar, de agir e até de ajudar.
Queria ter em meus lábios o dom da palavra, para poder orientar os que andam no escuro, queria ter um coração repleto de amor, para semear esperança no caminho daquele que se perde. Queria conhecer o segredo de cada um, para saber se são maiores que os meus.
Queria poder medir o medo, pesar a esperança, esquadrinhar os destinos, desenhar o improvável.
Queria mesmo ao saber de tudo isso...Ser alguém mais tratável, mais humano, mais iluminado, mais forte em favor dos fracos, mais alegre em favor dos tristes, mais sábio em favor dos que se alineiam diante das dificuldades a que são submetidos aqueles que no mundo não encontram uma opção!

Autora: Herta Fischer                                        Direitos reservados


quinta-feira, 19 de abril de 2012

Mente incansavel

Hoje eu acordei meio sem rumo, tentei fazer as coisas que faço diariamente, mas não consegui. Minha mente estava mais ágil que meu corpo.
Pensei em sumir por um momento, para esquecer todos os dias de angustias que vivi.
Não por culpa de ninguém, mas pela briga que travo comigo mesma.
A vida pode ser bonita,,, já o aprender a viver?
Acho graça nas coisas que geralmente ninguém acharia, mas não sinto prazer nenhum em viver como a maioria, que vive se enganando, engajados nas futilidades e nos prazeres momentâneos.
As vezes me pergunto: Se sou real, ou um bocado de fumaça lançada ao sol, que ao soprar do vento acaba ficando invisível a olho nu.
Quando percebo que não sou nada, que meu poder é limitado onde ha fraqueza e dor.
Como um leão faminto, buscando a sua presa eu vivo neste mundo sem razão e sem causa, com fome de tudo, e sem ter o que comer.
Minha mente é andarilha, não consegue sossegar.
Meus sentimentos tão vazios, que por mais que me esforce não consegue se alastrar, de meu próprio entendimento eu me cubro todo dia, até que me sinto sufocar.
O viver só não me basta, o respirar só é fraqueza, de entendimento eu preciso, mas não do entendimento dos homens que só sabem enganar.
Eu preciso de algo muito mais precioso, preciso de consultas, de linguagem mais culta, de aprender sem me cansar.
Do quotidiano estou farta, de pensamentos em vão me lamento, e o que me surge é um quadro surrealista, que não consegue me formar.
Eu existo, ou sou apenas um sonho, sonhado por alguém, espelhado no alpendre da vida, que me formou e não me supriu.
Sou a negritude das trevas que espera pela luz que nela não chega, sou o rio que de tanto esperar pela água, subitamente morreu.
Sou o que chamam de gente, mais gente não nega a si mesma, gente vive meio sem rumo, mais vive. Gente se alegra com coisas bobas, se consomem com coisas inúteis, que para mim não tem valor.
A carne se envenena, os corpos se corrompem na meia duzia de incertezas, mas na correria da vida isso não tem nenhum sentido, até que os olhos se fechem para sempre.
E quando eles se fecharem?
O que verei com outros olhos, ou não terei mais olhos pra ver?
É obscuro esse pensar. É o mesmo que olhar para o horizonte onde só há poeiras e cinzas.


Autora: Herta Fischer...Hertinha                       Direitos reservados


















sábado, 31 de março de 2012

Amizade

Amizade, não existe só no encontro, nem no companheirismo, ou no pensar igualmente.
Amizade se tem no coração que liberta, que se preocupa, que não invade.
Que não faz diferença do desconhecido, que se esforça na bondade, nas palavras e no fazer.
Que alcança o infinito, pois o infinito são insondáveis, que na crença se finaliza , no sentimento, não na causa.
Não tem rosto, não se importa com aparência, pois é forma de coração, não de consciência.
Resplandece na harmonia e como o vento sopra brisa fria, alivia toda dor na ignomínia.
Quando o bem que te alcança, daquele que nunca vê, é de onde sai a amizade, de quem não quer remuneração, pois faz o bem, sem olhar a quem.
A amizade é uma fonte onde quem tem sede vem beber, de águas vivas e revigorantes, a alma se renova e se consola na ternura do poço da bondade.
A amizade não é vista com os olhos, pois se encontra além dele, é fagulha de fogo que não queima, é sabedoria que a própria luz esconde.
Esta além da compreensão, além da imaginação, pois não é vista, mas é sempre benquista quando caídos na ilusão.
Uma mão pra levantar, dois braços a abraçar, uma palavra de conforto, uma lágrima no olhar.
Um sorriso sem malicia, o compreender uma dor, o respeitar seu autor, sem nada lhe perguntar.
É olhar pra um desconhecido, como se já o conhecesse, é sentir que somos iguais, perante os homens e perante Deus.
Que não fazemos menos que nada no ato de ajudar, pois consolo na angustia todos buscam em alguém!


Autora: Herta Fischer                                              Direitos reservados



quinta-feira, 15 de março de 2012

Poesia

Poesia está na alma..em tudo que vivemos, aprendemos e executamos.
Poesia se vê no que vê, e no que não se vê.
Poesia é algo que se passa na mente e que por razões desconhecidas se transforma, unifica pensamentos reações e reflexões.
Poesia é dialética da alma com o ser existente, conversa íntima, incoerência coerente.
Poesia é coração, é letras que se fazem canções, é sonho, é magia, é confronto com o desconhecido.
Poesia é voz de vento, é farfalhar de folhas, é dança de asas, é beleza de nuvens, é melodia de borboletas.
Poesia é mente, corpo e alma.
Alma que se cola na energia, corpo que se pinta de alegrias, mente que se esvazia na beleza da poesia.
Poesia é fuga, é o encontrar-se nessa fuga, é embalar-se no tempo e correr como vento, é trabalho e passa-tempo.
Poesia é falar com a divindade, é poder e felicidade, é comprometer-se consigo mesmo, no silencio  da vaidade.
Poesia sou eu, é você. Onde tudo se torna novo, mais bonito e mais saudável, é o bem que tudo vê,  é a delicia de esconder entre a lua e sua luz.
Poesia é mar que conhece seus limites, é onda que beija mansamente sua brisa, é esconderijo dos amantes, é maré que leva saudades.
Poesia é letra, é leitura, é beleza, é feiura, é água mansa, rio bravo, é liberdade e escravo.
Poesia é tudo que tem sentido, que ao mesmo tempo é difícil de ser entendido, compreendido, ou sem nenhum significado.
Poesia é sentimento, é palavra, é revolta, é sorriso, é a volta, o começo e o terminar.
É tudo que encanta, no cansado e no que descansa, no trabalho do que se deita e do que se levanta.
Na ideologia da movimentação, na vontade de mudar, na ânsia que se tem de amar, na necessidade de se tocar.
Poesia é consolação, é exortação, é conexão, é inspiração.


Autoria de: Herta Fischer                        Direitos reservados



sábado, 3 de março de 2012

Aprendendo com seu mestre

Certa vez um homem de Deus chamou o seu discípulo para fazer uma viajem num lugar bem distante.
Viajaram durante semanas passando por vários lugares, e o discípulo aprendeu muito com seu mestre.
Até que numa tarde calorosa chegaram no topo de um monte..Lá de cima dava para ver um vale que se estendia. No vale uma pequena casinha muito pobre e duas crianças maltrapilhas brincando ao pé do morro.
Ao descer avistaram uma vaquinha que pastava ao redor do precipício.
Ao chegarem na casinha o morador e sua esposa os receberam com alegria, e ali eles pernoitaram.
Enquanto conversavam durante a noite, antes de dormirem, o discípulo fez várias perguntas ao homem da casa.
Ele lhe perguntou como sobreviviam naquele lugar esquecido por Deus, e o homem lhe explicou que tinham uma vaquinha e que todos os dias tiravam o leite e vendiam para o vendeiro dali de perto... e com isso eles compravam o que precisavam e eles iam vivendo.
Ao despertarem no outro dia, os dois se puseram a fazer o caminho de volta, se despediram de seus anfitriões e começaram a subir o morro. Lá no alto encontraram a vaquinha pastava tranquilamente..quando o mestre surpreendeu seu discípulo empurrando a vaquinha no precipício.
O discípulo ficou furioso com seu mestre, mas nada falou, apenas pensou em sua insensibilidade, pois matou a única fonte de renda daquela família tão pobre e necessitada...
Passaram-se muito tempo desde o ocorrido, mas o discípulo nunca esquecera o que seu mestre fez. Então quando foi convidado novamente para ir por aquelas bandas, de imediato o discípulo aceitou.
Novamente viajaram por vários dias, até que chegaram no topo daquele mesmo morro, mas quando olharam para o vale, não o reconheciam mais. No lugar daquela casinha tão pobre havia uma casa grande, imponente, cercada de um imenso jardim, ao lado dela, muitas cabeças de gado cercadas num imenso curral.
Ao descerem até a casa, o casal de meninos, antes maltrapilhos, brincavam alegremente, bem vestidos e bem tratados.
Quase não aguentou de tanta ansiedade para saber o motivo daquela transformação.
Logo que o dono da fazenda veio lhes receber, o discípulo lhe perguntou o que acontecera em sua ausência, e o homem sorridente lhe falou: Sabe, da última vez que estiveram por aqui, aconteceu uma tragédia, a nossa vaquinha caiu no precipício e morreu, e eu fiquei sem a única fonte de renda que tinha, então, tive que tomar uma atitude...Arrumar um outro modo de sobreviver e sustentar minha família.
 Esse pequeno relato nos faz ver que na verdade o mestre viu que o morador daquela casa estava muito acomodado com sua situação.. acordava cedo, tirava leite da vaquinha, vendia pro vendeiro e...ficava satisfeito, Quando porém se viu sem alternativa, começou a pensar em outras soluções que não pensara antes, e assim com muito trabalho começou a ver a vida por outro prisma.
Naquele dia o discípulo aprendeu a lição: Muitas vezes nos acomodamos tanto com nosso dia a dia que deixamos passar despercebidos o mundo de possibilidades que estão a nossa frente..E acabamos morrendo na pobreza, só pelo medo de investir......

Fim

quinta-feira, 1 de março de 2012

Ao sabor da felicidade

Quando eu nasci, meu Deus me colocou num bercinho de palha, uma casinha simples me acolheu no amor, filha de pais analfabetos a quarta filha dentre cinco irmãos, e uma história linda pra se contar.
Apenas uma parede separava nossa cozinha do quarto, dois cômodos acomodavam toda nossa esperança.
Uma prateleira com três repartições retinham algumas panelas queimadas no pequeno fogãozinho a lenha que não se cansava de ficar acomodado em um canto da cozinha. Duas cadeiras e um toco de pau serviam de ponto de descanso no final de cada jornada.
E nós eramos muito felizes, a ponto de não fazermos questão de sonhar com mais nada. Tínhamos dona Francisca como nossa vizinha, o seu Dario seu companheiro e suas crianças para brincar.
A mata ao redor da casa escondiam vários segredos que gostávamos de desvendar, entre barbas de bode em várias jabuticabeiras, que se lançavam das cunheiras até o chão era nosso esconderijo, que de gargalhadas estridentes era fácil nos encontrar.
Um pequeno riacho entre ramas se escondia, donde minha mãe e dona Francisca compartilhavam para a lavagem de roupas e para levar pra cozinhar... Carregavam baldes na cabeça, em cima de uma rodilha feita de panos, água limpinha, água potável que hoje já não mais existem por lá.
Eu com meus dois anos de idade, ainda me lembro de tantas coisas, como se a minha memória resistindo ao tempo, ainda gosto de lembrar.
Coisas boas não se esquecem, felicidade é cultivada na mente e nem o tempo consegue apagar.
Meu pai saia bem cedo pra roça, e minha mãe ia pro rio, sua roupas sujas lavar, e eu e meus irmãos saímos para brincar.
Era tempo de sobra, tempo que não se findava até a hora de dormir todos juntos numa mesma cama, era bonito de se ver. Cada um se encolhia em seus próprios sonhos, do meu pai, o merecido descanso, da minha mãe, fim de preocupação. E o nosso... esperança de ver o sol nascer noutro dia, anunciando novas formas de brincadeiras dentro da mata que se estendia além de nosso quintal.
Dona Chica... assim que costumávamos chamar nossa outra guerreira, estava sempre se preocupando conosco, era como se conhecêssemos duas mães fervorosas, sempre de olho, sempre alerta ao som de qualquer perigo ou choro, lá estava ela pra nos socorrer.
Brincávamos, brigávamos, mas estávamos sempre juntos, crescendo no tamanho, e também em esperteza. Até que num belo dia, sem que soubéssemos o motivo, vimos meu pai colocando nossos pertences nas costas, dizendo que estávamos mudando para um outro lugar.
Quando pequenos, tanto faz para onde vamos, tudo é uma aventura, então, carregando alguma coisa nas mãos fomos conhecer a nova casa, motivo de outras experiências que faziam bater mais forte o coração.
Uma fila indana se pôs a caminho pelo trilho que estendia sobre a mata fechada, até alcançar do outro lado, uma casinha fechada.
Eu, com meus olhinhos de criança, não cansava de admirar aquele lindo lugar. Parecia ter saído dos contos que ainda não tinha lido, mas  que já acontecia no lado do inconsciente, porque era mágico.
Uma casinha de barro, com duas portas e três janelas, até então minha casa só tinha a porta de entrada e nem uma janela... agora eram duas portas e três... três janelas.
Que paraíso.. Eu sai de um para entrar num outro, muito mais bonito e singelo, tinha tantas coisas que nem te conto, meus olhinhos de menina brilhavam de alegria e meus pequeninos pés não cansavam de explorar.
A casinha era rodeada por bananeiras, coqueiros , pessegueiros, laranjeiras e outras árvores frutíferas, era tudo o que queria.
A cozinha era pequena, com uma porta e uma janela, um fogão a lenha feito a mão, ao lado da porta, estava imponente esperando pelo fogo que logo se acenderia, dando vida aquela casa. Meu pai colocou uma pequena mesinha bem embaixo da janela, e o nossa prateleira ficou entre a mesa e o fogão. Do outro lado, um banquinho sustentava o balde onde armazenávamos a água pra beber e pra cozinhar.
Só minha mãe não ficou muito satisfeita, pois o rio era muito longe, então o sacrifício seria bem maior, já que não tinha mais dona Francisca para olhar por nós.
Um quilômetro mais ou menos, teria que caminhar, tanto para lavar suas roupas, quanto para outros afins.
Mas eu estava satisfeita olhando meu pé de lima, onde as galinhas se apoleiravam, quando era hora de dormir. E ainda mais emocionante era ter nosso próprio quarto, porque eram dois no total, um para meus pais, outros para nós cinco.
Uma sala também, com apenas uma mesa com quatro cadeiras, mas já era um avanço, pois na outra casa não tínhamos nenhum.
Nosso quintal era grande, do lado da frente da casa, era apenas um pequeno espaço entre a casa e o jardim. mas na lateral, o espaço era enorme, e ainda terminava num grande corredor entre duas faces de pés de bananeiras que se dispunham desde a entrada até a estradinha que passava por ali.
Antes de chegar na estrada havia um pequeno ranchinho, assim como nossa casinha, coberto com telhas de barro cozido. Ao lado do ranchinho,  havia um pequeno pomar, misturado com jardim, cheio de flores e de frutos.
Na primeira noite, a gente nem conseguiu dormir, tanto era a excitação, embora estivéssemos deitados sobre panos, pois precisávamos de uma cama, era uma delícia estar ali, naquele lugar misterioso, cheio de lugares para serem explorados.
Ao nascer do dia, logo que o galo cantou já estávamos acordando para saborear o mel de mais um dia de alegrias.
Meu pai se preparava para desbravar a terra que se estendia do outro lado da estrada, logo acima de nossa casa, com uma foice na mão, derrubava a densa mata e os capins se rendiam na força de seus braços fortes. Enquanto que nós rolávamos ribanceira abaixo, deitados sobre os capins macios de marmelada que cobria metade da vegetação nas laterais do plano que meu pai roçava. As gargalhadas se misturavam com o barulho da foice  e dos cantos do passarinhos que pareciam se reunir na dança de nossa alegria.
Ao meio dia, meu pai olhava para o céu, dizendo que já era hora do almoço e nós em disparada rumávamos pra nossa meiga casinha. Não precisávamos de relógio, os ponteiros escondidos do sol nos mostravam as horas.
Minha mãe já estava com a comida pronta, fresquinha e fumegante, o arroz com feijão nos esperavam em cima do fogãozinho a lenha. Sem geladeira, a comida tinha que ser feita incansavelmente todos os dias.E geralmente o acompanhamento eram ovos,  algum legume ou verduras. Depois  do almoço, nos recolhíamos cada um no seu quarto para tirar uma soneca. Meu pai roncava, enquanto nós liamos revistas, quer dizer..Eu apenas olhava as figuras enquanto minhas irmãs esqueciam da vida, lendo algum tipo de romance. Foi então que minha imaginação de criança já começava a desejar aprender as sagradas letras, para pode ser como minhas irmãs mais velhas que não se cansavam de ler.
Aos cinco anos de idade, eu já pegava papel e lápis e já tentava escrever alguma coisa, saia alguns rabiscos e eu não ficava nada satisfeita, eu queria aprender a ler.
Depois da sesta, meu pai se levantava, batendo seu tênis no chão para retirar a terra, quando ouvíamos esse barulho, rapidamente escondíamos as revistas embaixo do colchão de palha que minha mãe teceu para nós.
Pois se meu pai visse qualquer pessoa lendo essas revistas, ele ficava muito bravo, dizendo que leitura nos deixávam preguiçosos, sem vontade de trabalhar, mesmo que fosse só para brincar, nós tínhamos que ir com ele para a roça.
Logo que toda vegetação se estendia na terra, era hora de por fogo, para chamar quem a revolvesse com um parelho de cavalos e de um arado. Com a terra toda arada, era hora de plantar, então não era mais tempo de brincadeiras, era hora de aprendermos a trabalhar.
Somente minha irmã mais nova não ia para a roça, pois tinha apenas três anos...Eu com cinco já ajudava como podia, pois meu pai não nos forçava a fazer trabalhos pesados, mas tínhamos que ajudar de alguma maneira.
As vezes , nem podia com o peso da enxada e já tirava os matos do meio do milharal, mas não me incomodava não, pois também me divertia muito estar no meio de gente grande, fazendo trabalho de gente grande, e me esforçava bastante para não fazer feio.
Também brincava bastante com as bonecas feitas de espigas de milho, sonhando em um dia poder ter uma boneca de verdade, com trapos velhos vestia as espigas e as embalava, enquanto cozinhava de mentirinha num fogão feito com a ajuda de dois tijolos, e latas vazias que minha mãe descartava no quintal.
Era um sonho poder dizer que em breve entraria no mundo dos adultos, pois queria muito aprender a ler e escrever, para poder sonhar com os romances que minhas irmãs liam nas revistas. Eu só via a imagem, mas também queria entrar nas histórias.
Até que completei seis anos de idade, e chorava todos os dias, pedindo para que meu pai me colocasse na escolinha perto de casa.
Meu pai me levou até lá para falar com a professora. Ela então, depois de tanta insistência por parte de meu pai, e tocada pelas minhas lágrimas, aceitou fazer um teste comigo, vendo então a minha disposição e desempenho, não teve como negar fazer a minha matricula. Disse que se o diretor viesse visitar a escola me esconderia embaixo da carteira, por eu ser tão pequena.
No primeiro dia de aula, eu me senti a menina mais feliz do universo, estava realizando meu primeiro sonho, e depois desse dia, me esforcei tanto que no final do ano só perdi em resultado, para a filha da professora.
Então, entrei no mundo das letras, já sabia escrever e já dominava  a escrita, podia ler os romances relatados nas revistas de fotonovelas.
Também entrei na rotina de esconder as revistas emprestadas de outras colegas, embaixo do colchão, para que meu pai não brigasse comigo. E toda vez que se aproximava a hora do almoço, minha ansiedade aumentava, não via a hora de estar novamente naquele mundo tão magnifico, das letras e dos contos.
O tempo foi passando depressa e minha ânsia pelo conhecimento aumentava gradativamente, porém ao completar dez anos, depois de concluir a quarta série, eu tive que parar de estudar.
Então, entrei mesmo no mundo adulto, tinha que participar das tarefas como qualquer outro membro, desempenhando de igual modo, tanto na roça, quanto em casa, as brincadeiras só aconteciam no período da tarde, ou noite, quando meu pai deitava em cima de um saco de estopa no quintal e nós deitávamos ao lado dele, e ficávamos olhando as estrelas do céu. Não havia televisão. apenas um rádio velho que tocava  lindas canções sertanejas que nos faziam viajar na imaginação.
Certo dia minha mãe chegou da cidade, e foi para a roça nos levar o café da tarde, dizendo que tinha comprado duas bonecas, uma para minha irmã caçula, outra para mim, eu quase morri de alegria, então pedindo para meu pai, dizendo que iria pegar água, rumei para conhecer outro sonho se realizando.
Minha boneca era linda, de plástico, vestia um maiô verde, também de plástico, e aquela noite eu dormi abraçada com ela.
Essas lembranças são mais fortes em minha mente, pois foram as mais importantes da minha infância.
Então, meu pai resolveu sair daquela nossa casinha, pois a terra em que morávamos era arrendada.O dono das terras ia levantar uma outra casinha perto dali.
A nossa vida começou a melhorar, de uma casa de barro, passamos para uma casa de tábua, os cômodos eram tão pequenos quanto a outra, mas a sala tinha o piso revestido com tijolos, o resto, a cozinha e os quartos eram de terra batida.
De resto tudo continuou na mesma, só meu único irmão que passou a dormir na sala, pois meu pai comprou um sofá para ele dormir, para que nós quatro mulheres pudéssemos ter um pouco de privacidade.
Nós quatro dividíamos a mesma cama de casal, em um quarto quatro por quatro.
O rio era bem mais perto, embora para alcançá-lo tínhamos que descer uma ribanceira, e consequentemente subir uma ladeira com baldes cheios de água.
Aos catorze anos de idade, meu pai deixou de plantar e nos intimou a arrumar emprego em outro lugar, tendo que se virar para vestir-se já que meu pai só nos dava o que comer, tivemos que nos virar, trabalhando de empregados para um e para outro.
Ganhávamos uma ninharia que mal dava para comprar as coisas de primeiras necessidades na pequena feira da cidade.
Mas, não me importava, pois foi naquele recanto escondido que conheci a felicidade de poder ter nascido naquela família humilde, onde os valores eram tão ricos.
Aprendi que não é a casa, nem as coisas que nos tornam importante, mas o que se aprende com os pais enquanto criança. Aquelas bagagens que a gente carrega para a vida toda é que nos deixam preparados para a vida.
Enquanto pequena, eu me sentia grande, pois meus sonhos eram maiores que eu, minhas realizações embora consideradas pequenas é que enchiam meu mundo de possibilidades.
Meu crescimento espiritual foram se solidificando dia a dia, e o conhecimento aumentava a medida em que ia crescendo, as realizações, a simplicidade de quem sabe manejar uma enxada, as conversas entre irmãos, os conselhos sábios dos meus pais, construíram pilares de aço formando um caráter impossível de ser derrubado.
E agora é com esses mesmos pilares que construo o alicerce da vida dos meus filhos, repassando tudo o que aprendi no decorrer dos anos que vivi.
Meus agradecimentos primeiramente a Deus, o oleiro da minha construção, depois á meus pais, que fizeram de mim uma herança deixada para meus filhos, que também são uma herança que deixo para Deus.


Autora: Herta Fischer              Direitos reservados










































       



























             

























terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Corajosos não correm

As experiências da vida servem para nos dar uma nova consciência do grande potencial que há em nós.
Algumas vezes podemos crer, que não possuímos a necessária coragem, para nos defrontar com algumas experiência. Podemos sentir que alguma dúvida esta se aninhando em nosso coração.
Pode parecer até que a vida está nos empurrando na direção de uma situação que está além da nossa capacidade para resolver.
Muitas vezes é com o resultado de tal experiência que descobrimos o nosso verdadeiro valor. descobrindo que realmente temos coragem para nos defrontar com todas as experiências da vida.
Como podemos conhecer a coragem, se não a experimentamos?
Quando enfrentamos os desafios ganhamos novo vigor e novo entendimento, que nos preparam para enfrentar as mais sérias experiências da vida.
Toda a vida é uma preparação para maiores acontecimentos.
Quanto mais superamos os obstáculos maiores descobertas fazemos do nosso potencial interior e divino.
Os únicos derrotados neste mundo são aqueles que não acreditam em nada. Esses se desesperam e negam a si mesmo, pois com medo de pensar que logo seus dias se findarão, fazem tudo que lhes dá na cabeça, agindo assim, melhor mesmo não acreditarem em nada, pois são menos que nada. Por isso que estão no mundo. Para fazer você acreditar que é como eles e tornar-se uma pessoa medrosa e sem iniciativas!

Herta Fischer

Reflexos de Deus

Nós somos reflexos de Deus, se confiarmos nisso, não tem quem nos segure!
Se você acredita ser um filho de Deus..Então, não pode acreditar que seja simplesmente um homem.
Nascemos para ser felizes, embora o mal esteja sempre a nossa espreita, fazendo com que não acreditemos em nós mesmos.
Você é o maior milagre da natureza, confie sempre no seu potencial, coisas boas acontecem quando acreditamos e nos preparamos para receber com gratidão tudo o que nos foi reservado.
Quando confiamos em nossa capacidade não existem barreiras que nos possam segurar.
A prática leva a perfeição, então, sabendo disso, comece a exercitar sua mente em coisas boas. Ninguém faz nada perfeito sem prática, do mesmo modo não existem problemas sem solução.
Pensamentos bons resultam em coisas boas. Se você quer o melhor para si, dê o seu melhor aos outros.
Não espere muito da vida, ela só lhe dará o que realmente merece.
O amanhã é um sonho, então comece a viver a realidade do hoje, o hoje é a única coisa que você tem no momento então, aproveite o tempo que lhe cabe.
Dê o melhor de si, em tudo que realizar, então verá seu pomar florescendo, e dará seus frutos no tempo certo.
Não se importe com aqueles que querem te derrubar, continue em pé, mostrando que você enverga, mais não cai.
Renovem suas forças no poder de Deus, faça-se como as asas dos pássaros, nunca se cansam e nem se fadigam.
Em Deus confie tanto que não mais precisará mendigar tantas consolações humanas.
Deus não pretende que viva em pobreza, doença ou em qualquer outra condição penosa.
Cada um de nós tem dentro de si o poder de fazer e se tornar aquilo que bem desejar. Quando procuramos aperfeiçoar nosso espírito, aprendemos a seguir a orientação divina fazendo com que a felicidade venha ao nosso encontro.

Autora: Herta                                    direitos reservados

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Passageiros de sonhos

Na brisa mansa que cai pela manhã, envolvida num manto a cobrir quase tudo. Na magia serena do despertar, entre lençóis amassados, suspiros sofridos, envolvida em sonhos no desejo de viver.
E o sol muito tranquilo, no nascente do acaso, vem de mansinho esse invólucro dissipar.
Então busco forças pra me levantar, ao encontro da vida, que caminha descalça entre flores e espinhos, pra seguir a esperança de não despertar em vão.
Minhas mãos tão pequeninas, como tesouras afiadas nas pedras do destino não se cansam de tecer.
Esse é o segredo, os anseios do meu coração que não se cansa, de bater descompassado nessa ânsia de viver.
Num impulso então levanto, tantas coisas  esperam pelo amadurecimento da alma que precisa se acalmar, e num abraço sincero, vem ao encontro do nada, e o nada se torna tudo nesse prazer que a vida tem, de nos dar o que fazer.
Quanta vida se esparrama, na soberba da vida, da ilusão que a eternidade venha te socorrer. Mas os ossos estão tão fracos e aos poucos vão se quebrando, a paisagem se tingem de cinzas e o dia se esquece  que ainda não terminou.
E o sol se esconde entre matas e morros e a sombra se espanta no derradeiro da alma, e aquela doce calma, dentro do sorriso da alma, te avisando que o tempo já expirou.
Os obstáculos se estendem e entre trancos e barrancos, eu vou caminhando sem olhar para os lados, nem tão pouco olho pro horizonte que se aproxima cada dia um pouco mais.
A estrada está curta, e os passos estão tão lentos, a vida se esvai também lentamente, como o sol que seu dia completa, antes que a escuridão entristeça sua jornada, antes que eu não veja mais nenhum amanhecer.
E o sorriso que havia, quase nem se ouve mais, se apagou como uma chama sem alimento. A vida levou consigo o alimento, e a chama vai se apagando no fumaceiro da alma.
E o vento carrega em seus braços a dor e a fadiga, a amargura do não consigo seguram minhas frágeis mãos.
Ontem, eu tinha sonhos, hoje, eu acordei, olhei e vi que a vida completa seu ciclo, e os olhos se fecham para o prazer e o amor.
Não se prenda  a nada , não cultives amargor, porque o que sustenta os ramos,  é o caule da flor, e o que sustentam a vida são os pingos de amor!


Autora: Herta Fischer                                           direitos reservados



quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

O tempo,,,,

Eu preciso de um sorriso para me sentir mais leve!

Já passei pela vida como um furacão enfurecido. Vivi quase sem perceber que o tempo passava depressa.
Se soubesse teria aproveitado mais!
Se soubesse que seria tão sofrida essa minha vida, teria me alegrado mais.
O sol se pôs tão depressa quanto nasceu, a penumbra chegou para mim.
Ao me olhar no espelho, quase não me reconheço, pois todo o sorriso já se apagou..
E aquela vontade de correr mais depressa que o tempo já se esgotou.
Agora, ao invés de correr, queria era estacionar em qualquer esquina,
só pra ver as pessoas passando, sonhar os mesmos sonhos que todos estão sonhando.
Ter o tempo que não tive, viver o que deixei de viver, sentir até mesmo o que não tem mais sentido.
Enquanto existia tempo, eu não me importava com o tempo que gastava perdendo tempo.
Ao olhar para trás, sinto vontade de ainda estar lá.
Quero aproveitar pra pedir desculpas ao próprio tempo que não tem culpa do estrago que me causou.
Os braços estão estendidos, mas as forças não o suportam, a pele antes tão firmes, revelam hoje que não estão mais.
Voltar é impossível, o que não fiz, não da mais para fazer, o que não vivi, não da mais pra reviver.
Todos os sonhos que não realizei o tempo levou com ele.
Este restinho de tempo que me sobrou, tento alertar os jovens a aproveitar o seu tempo, antes que não reste mais tempo para realizar.
Sonhem, conquistem, vivam tudo que tiver que viver, não tenham medo de ser feliz!
Para nunca se arrependerem do que deixaram de fazer!


Autora: Herta Fischer                                   direitos reservados

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

É uma droga essa vida de drogas

Vidas fragmentadas entre as virtudes e os vícios, aurora que não tem luz, luz que não tem aurora.
Pudera eu ser alguma coisa que pudesse se colocar entre o adulto e uma criança.
Fazendo carícia naquele que grita, que chora, que se lamenta, por ter perdido a sua essência no caminho destruído pela indiferença.
Pudera eu fazer diferença nessa vida sem razão, nesse lamento sem decisão, nessa força que se espera, neste
mundo de ilusão.
Eu queia poder te abraçar e dizer que é tudo brincadeira, que não existem barreiras, que a vida é simples como uma canção.
Eu quisera ser algo que te impulsiona, que te da motivos para encarar de frente quaisquer fraquezas, dizer que tudo é fácil, que não existem competições.
Mas tudo é tão vago, até mesmo meus motivos, o que me leva a ter fé. Fé que você pode mudar, que o mundo e as pessoas não são o que parecem, que podemos dar uma reviravolta , que o poço não é tão fundo, que minhas mãos podem te alcançar.
Mas, os vícios são um laço, tão apertado como nós de marinheiro, difícil de desatar.
Só o poder de um marujo, cuja força encontra no mar, entre os rebentos das ondas, sempre acham o seu lugar.
Eu queria ser essa força, esse poder de decisão, essa luta incessante de lhe estender  a mão e de todos os vícios do mundo pudesse ser libertação.
Mas de mim , vejo que sou nada, menos até que minha vontade de  merecer estar nesse palco, pois a minha atuação é nula, porque pra quem gosta de verdade é difícil ser atriz. Tudo o que se faz por debaixo do pano é podridão sem fim.
Essa podridão contamina as crianças, os jovens e até mesmo o adultos que buscam um meio de fugir dessa peça que não lhes mostra a saída,. apenas as condenam , as espreitam e as obrigam a atuar na marginalidade.
Queria apagar desse mundo a ideia das drogas!


Autora: Herta Fischer                  Direitos reservados


quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Todo poeta é criança

Todo poeta tem um pouco de criança
Toda criança tem um pouco de poeta
O poeta brinca com as palavras
Os meninos com carrinho
E as meninas com bonecas

Toda criança inventa uma maneira de se divertir
O poeta inventa um motivo pra sorrir
Ambos vivem  o mesmo sonho
De crescer e de servir

Da palavra escreve hinos
de amor e de carinho
A criança escreve sonhos
no encanto do sorriso

Toda criança espera um dia poder crescer
O poeta espera inspiração pra escrever
Os dois vivem de sonhos de serem reconhecidos
Que através deles o coração dos adultos possam ser amolecidos


Autora: Herta Fischer                  direitos reservados

Você é linda

Amo este sol que ilumina teu rosto, e este raio que o enobrece.
Minha garantia de viver está em você
Toda a beleza dos elementos da terra se resumem em tua formosa presença
Toda composição da matéria-prima, a mais linda está em ti.
Sobrevoando meus sonhos, encantando meus dias, você é o sussurro de amor que me faz viver
Alcancei o infinito entre cavalos alados, só pra dar o meu melhor
Busquei na brisa do vento, o doce encantamento de ser seu companheiro
Aprendi com as estrelas que a luz pode iluminar até mesmo quem não tem luz, que o sorriso pode conquistar, que o amor pode elevar. Isso eu aprendi com você
Subi no cume do monte para buscar uma flor , era de rara beleza só pra te enfeitar, mas descobri que você era mais cheirosa, mais macia , mais bela que todas as flores do universo.
Tornou-se rara e única em meu coração que te achou, és a flor que encanta todas as flores.
Agora, não preciso ir tão longe pra conhecer a beleza, porque toda está em ti
O que quero está tão perto, acho que todo perfume eu já senti. quando meu coração te encontrou.
Vou tomar muito cuidado para não te perder, pois sem você o universo não tem mais sentido, vou fazer de tudo para te merecer , pois todo meu mundo é você!
 

Autora:Herta Fischer                                           direitos reservados

meu tudo é você

Meu paraíso é você.
Meu dom de dar e receber
Quando ouço a tua voz
A alma toda estremesse
 
Você é tudo que quero
Você é o presente que espero
Não há nada neste mundo
que me faça mais feliz

Minha alegria se resume em teu sorriso
É tudo que quero e que preciso
Nas alturas vivo, você é a minha paz
Todo este desejo de te amar
Faz minha vida sorrir

Você entrou em meu pensamento
Você é meu doce momento
Vivo a magia de pensar
Que não tenho futuro sem você

Alcanço as estrelas com as mãos
E lhe dou de presente
As estrelas e meu coração
Só pra lhe ver contente

Autora ; Herta Fischer                             direitos reservados



terça-feira, 31 de janeiro de 2012

enganando e sendo enganados

O amor é feito de sonhos, mas os sonhos são desfeitos logo que o dia amanhece.
Eu gostaria... Ah! como eu gostaria de falar coisas bonitas, palavras de incentivo, palavras que edificam, mas todos parecem surdos.
Os conselhos que a gente dá para que as pessoas possam se felizes são jogados na lixeira dos sentidos.
E o que não presta, as orgias, os descaminhos tomam toda a atenção, a escravidão acabou, não se açoitam mais as pessoas, mas a escravidão do espirito está a espreita e os açoites em forma de virtudes invertidas.
Que pena! Todo o trabalho se perdeu  nas ondas do tempo, toda pureza dissipou na correria do vento.
Eu não reconheço mais a verdade, anda tropeçando nas praças, se perdeu no coração da humanidade e os valores se prenderam nos prazeres que o mundo ostenta.
A mentira mascarada de verdade, se faz onipotente,e as pessoas se enredam nesta teia.
Só tem valor um ponhado de desejo que logo se desfaz, mas a procura é grande e a vergonha se pôs de largo.
Não posso entender o que mudou, com que propósito inventam tantos laços, laços de passarinheiro prontos pra pegar os que confiantes seguem seus caminhos.
Tantos sofrem os transtornos de que não podem mais viver sem se vender, fizeram de nós lucros..de cada um uma cacaborrada  sem direção.
Do amargo que a vida tem tiraram o doce do mel, enganado o paladar.
Da verdade sugaram o néctar pra transformar tudo em mentira, para que os homens de bem se enroscassem nos enganos.
Tornaram o que é perfeito em dissoluções e medos, e na ânsia de se dar bem, colocaram o homem a passar fome de justiça.
E toda esta sujeira ainda afogará os justos, pois fugirem já não podem,e viver fora delas é impossível.
Estamos expostos, com dinheiro e sem alegrias, famílias se desfazendo na ganância do terror, para que os homens fiquem presos  na arapuca dos ganhos do comércio  fraudulento.
O socorro já não chega a sua casa, as crianças vivem a Deus dará, e os homens vivem de mercados a mercadantes.
Sendo vendidos seus sonhos e comprados nos desejos que por certo jamais se sentirá saciado.
E nessa correria  nas doenças definhando, os seus sonhos só servem para alimentar mais a mentira e os enganos,e a demência daqueles que deveriam te servir te arrastam para uma vida sem razão e sem sentido.
E numa vontade derradeira de caminhar com suas pernas, os tropeços se tornam tantos que já não consegue caminhar.
Então, ao pobre só restam seus sonhos de um dia tornar-se livre!

Autora: Hertinha                                     direitos reservados




Luta sem fim

Cansei de falar, de ouvir, do silêncio, cansei de jogar perolas, de colher amarguras, de ficar olhando o vazio, como se alguém se importasse.
Cansei da dúvida, das descobertas que não tem partilha, cansei dos sonhos e das ilusões de que tudo vai mudar.
Cansei de ensinar, de aprender, de jogar cartas no vazio, cansei da chuva, da águas, do sol, da lua que parecem não ter problemas, enquanto os meus aumentam a cada dia.
Cansei de viver todos os dias, porque tanto faz, todos os dias são iguais.
Cansei de jogar, de perder e de ganhar, de dar o meu melhor e de só receber migalhas.
Cansei de passar fome em meio ao milharal e de sentir sede sentada a beira do rio.
Cansei de mendigar carinho, de me dar e nunca receber, cansei da luta e da canseira que ela me joga nas costas.
Cansei do que é belo, sem olhos para ver, cansei do que é feio, pois ninguém se importa, cansei de reclamar sem conseguir ajuda.
Cansei de ver sujeira em meu planeta, de propostas no vazio, da indiferença, da dor, de não ter em quem me abrigar.
Cansei de viver sem direção, cansei de falsidades, de ninguém para amparar, cansei do medo de ir e vir, do dormir e acordar, enfim, acho que cansei até de mim!

Autora: Hertinha                                             direitos reservados

domingo, 29 de janeiro de 2012

Fingindo ser o que somos

Não quero usar minha fraqueza como justificativa para os erros que cometo, ou que cometi., mas sim, minha condição humana que chega sem rotulo, nem manual de instrução. Apenas com uma vontade enorme de descobrir e sentir novas sensações.
Tantas coisas são proibidas que a gente acaba se perdendo em nossas descobertas, não temos liberdade para escolher, porque tantos querem escolher pela gente.
Por isso é que sempre vamos vivendo meio que tateando no escuro, vagueando pelo desconhecido, desconfiando até de nossa própria sombra.
Não seria mais fácil viver acorrentado em expectativas, do que tentar realizar sonhos impossíveis?
A vida é como uma grande empresa, traçamos metas e morremos por elas, vestindo a camisa que alguém tão sutilmente teceu .
Eu queria ser mais do que sou, eu sei que posso ser melhor. Poder falar das coisas que sinto sem arrependimentos, fazer coisas sem que precise me policiar a todo instante para ver se estou agradando.
Eu sinto em mim um ponto de interrogação, não sou eu,  sou o que a sociedade quer que eu seja.
Sou a sombra da semente que alguém quer plantar, e quando cresço, continuo sendo a sombra daquilo que quero ser.
Fui programada para não ser eu, mas para ser a vontade espelhada na vontade dos programadores de vidas alheias.
Um robô! Pois pessoas deveriam ter liberdades de escolhas, e o que conseguimos é enterrar nossos sonhos na terra da alma.
Não consigo amadurecer, pois a minha descoberta não tem valor algum, a minha vontade está subjugada a condição em que fui criada, dentro das limitações humanas.
Não sei se é correto afirmar a limitação. mas as convenções em que as pessoas delimitaram nossas conquistas, nossa capacidade, nosso querer.
Eu só posso ser o que querem que eu seja!
Ou só fazer minhas escolhas baseada na loucura de que seja o correto, dentro daquilo que me fazem acreditar que seja o certo.
Tenho que estar dentro da lei que insiste em dizer que me protege, quando na realidade estou desnuda diante dela.
Ela me deixa completamente a deriva dentro de mim mesma, atormentada em seguir os estatutos que ela me impõe.
Sem se importar com minha própria identidade. se sou feliz ou não, pouco importa, desde que seja conveniente para a sociedade.
E desta forma a própria sociedade adoece, porque regras e regras deixam qualquer ser fora de si, e sem expectativas nenhuma de vida .Somos autômatos fazendo de conta que tudo está conforme os conformes, aceitando de bom grado nossa própria ineficiência de poder interferir naquilo que já está estipulado de loga data, só para tirar proveito da nossa ingenuidade diante dos fatos. E assim, morremos um pouco a cada dia, desesperançados demais para reclamar e fazer diferente!


Autora: Herta Fischer                                           direitos reservados





terça-feira, 24 de janeiro de 2012

Sinônimos de amar

É muito importante elogiar as pessoas, valorizar as coisas boas que elas fazem,ao invés de ficar doida para pegar os erros alheios.
Quando a gente procura a gente acha, quando nos interessamos por algo, começamos a vê-las por todo lado.
Fique sempre atento para quem faz o bem, de repente começamos a ver coisas que nunca tínhamos vistos antes.
Receber elogio é uma necessidade humana, essencial para um relacionamento, só que terá que ser um elogio sincero. temos que ter habilidades de sermos verdadeiros com as pessoas, e não sermos inchados de orgulho e fixados em nós mesmos.
O ego pode criar grandes barreiras, pois o fato de achar que é um sabe-tudo pode causar um estrago pra muitas pessoas, porque ninguém sabe tudo ou tem tudo, pois precisamos uns dos outros. Só os orgulhosos  fingem  que não precisam.
O individualismo é mentiroso, cria uma falsa ilusão de que não devemos ser dependente de outras pessoas.
Antes mesmo de nascer, dentro do útero, nós já estamos sendo alimentados por alguém.
Depois do nascimento, precisamos de outras mãos para nos alimentar e ensinar a dar os primeiros passinhos, e assim  a vida segue seu curso, quantas mãos não ficaram calejadas para trabalhar por nosso bem estar.
O respeito é tratar as pessoas como seres importantes, evitando selecionar as pessoas a quem as destina.
Deus não criou homens desalmados, apenas homens com problemas de comportamentos.
Respeitar o tempo é bom, por que é gostoso saber que precisa esperar.
Pessoas honestas cumprem a palavra e seguem os compromissos, por isso é que devemos satisfazer as necessidades dos outros antes mesmo que das nossas.
Satisfazer necessidades não significam  satisfazer vontades. Ser servidor não significa ser escravo.
Perdoar não significa desconhecer as coisas ruins que aconteceram, mas é saber lidar de um modo afirmativo com as situações que aparecem e desapegar de qualquer sombra de ressentimento.
Quem guarda mágoas por muito tempo, torna-se amarga e muito infeliz.
Os sentimentos vem e vão, é o compromisso que nos sustentam.
O verbo amar pode ser definido como ato ou atos de doação aos outros, atendendo suas necessidades legitimas.


Autora: Herta Fischer                                             direitos reservados
.


Total de visualizações de página