sexta-feira, 29 de maio de 2015

Tudo está em seu lugar


Eu estava ouvindo uma palestra agorica mesmo e
dizia o seguinte: Todos buscamos a tão sonhada felicidade, achando que ela esta no bem estar que significa: liberdade,
amor correspondido, não dor nem sofrimento, não morte, e dinheiro, muito dinheiro para fazermos tudo o que queremos: viajar, bons perfumes, boa comida, boa roupa e afins.
Bom, Já deu para perceber que é impossível.
Nenhum ser humano é capaz de conquistá-la absolutamente!
Ai, ele começou a falar de liberdade. todos ansiamos por ela.
bom, se eu tivesse, e eu tenho, alguma liberdade. Hoje vou sair da minha casa e tomar umas quatro garrafas de pinga...Isto seria liberdade?
ou seria, sair de um laço e continuar atracado a outro?
Como soltar os trens dos trilhos para que andem livremente nas estradas?
Como soltar os peixes do mar para que vivam em terra?
Então, cheguei a seguinte conclusão:. Estamos atrelados ao
modo de viver para que fomos designados.
O trem em seus trilhos, os peixes para o mar, e cada um
fazendo exatamente a sua obra... a maneira que Deus concede a cada um...
Felicidade mesmo é saber que aqui chegamos, vivemos e procriamos, (nem todos) e de qualquer forma um dia
expiramos e continua......
(Hertinha Fischer). Palestrante (Mario persona)

terça-feira, 26 de maio de 2015

Eu creio em Deus

"A gente só ganha com bons sentimentos, pois de palavras, as livrarias estão cheias...Não creio em correntes, nem em letras musicais, nem em manifestações de união, nem em vestes brancas, nem em telepatia, nem em cósmicos, nem em
folhas atras da orelha, nem em liturgia.. Eu creio na palavra de Deus que nos ensinam como viver em meio a tantas diversidades conservando a plenitude de Deus dentro da gente, de uma forma em que não mais precisemos que nos ensinem, pois a palavra de Deus já nos ensina desde sempre, e nos prega um culto racional:
Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresentais os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.
E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.” (Romanos 12.1-2).""
“Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino.” (1 Coríntios 13:11)2 Timóteo 3
…14Tu, no entanto, permanece no ensino que recebeste e sobre o qual tens plena convicção, sabendo perfeitamente de quem o tem aprendido. 15Porque desde a infância sabes as Sagradas Letras que têm o poder de fazer-te sábio para a salvação, por intermédio da fé em Cristo Jesus. 16Toda a Escritura é inspirada por Deus e proveitosa para ministrar a verdade, para repreender o mal, para corrigir os erros e para ensinar a maneira certa de viver;
E para que não me ensoberbecesse com a grandeza das revelações, foi-me posto um espinho na carne, mensageiro de Satanás, para me esbofetear, a fim de que não me exalte. Por causa disto, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim. Então, ele me disse: A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, mais me gloriarei nas fraquezas, para que sobre mim repouse o poder de Cristo" (2 Coríntios 12:7-9).
Todo aquele que busca a verdade ensinada por Deus, e diante da
fé plena em Seu poder por meio do Senhor Jesus, hão de sofrer
na carne, para que não ensoberbam e se achem melhores que outros, e não ponham toda a edificação abaixo, pois o Construtor
é quem recebe as honras, não a construção...
Hertinha

Bem estar

'Eu posso afirmar que: nem mesmo o bem estar está sobre nosso controle..
Tudo depende em que condições se encontra nosso organismo, de que maneira obtivemos as mensagens que vieram de nossos antepassados, e também da forma em que respondemos as dúvidas sobre o mundo e suas consequências...Muitos
pensam que certas vaidades nascem com a gente.. mas é engano, ao nascermos nem mesmo sabemos ao certo, porque
nos limpam...A sociedade é que formaliza em nós vários transtornos, tantode personalidade quanto de comportamento..
Algo chamado... modismo, ou tendências..Isto tudo servem para
rotular e selecionar.. quem não se adapta sempre estará na exclusão...
Quando não há nenhum tipo de preconceito..não se rotula, nem
se exclui.. e não é isso que percebemos dentro da nossa sociedade.. alguém é sempre mais visto quando satisfaz egos...
(Hertinha)

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Confiança

Olha!... nem sei se vão entender. Mas Deus nos fez, como tudo
que ha no universo... cada um no seu e do seu modo. Pode notar! Ninguém pediu para nascer e nem escolheu onde nascer, no entanto, todos se fizeram dentro de um ventre, e prosseguiram. Nem todos tiveram a mesma oportunidade, alguns
morreram mesmo antes de brotar, outros brotaram mas não criaram folhas, também morreram antes de conhecer o sol. Enfim...Eu creio no espírito e não no corpo, o corpo só nos servem por um breve espaço de tempo, depois se finda, como qualquer material...Por isto a palavra por si fala tudo. João 6.63, - "O espírito é o que vivifica; a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida.
Isto que agora vemos não passará sem que antes seja transformados..1 Coríntios 15
…51Eis que eu vos declaro um mistério: nem todos adormeceremos, mas certamente, todos seremos transformados, 52num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta. Porquanto a trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis e nós seremos transformados. 53Pois é impreterível que este corpo que perece se revista de incorruptibilidade, e o que é mortal, se revista de imortalidade. …
Então meus amigos...Tudo está sob controle...Deus comanda e nós devemos obedecer e confiar....
(Hertinha)

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Pensamentos obscuros

Que coisa louca é essa de tentar se entender.
Olha! eu já conheci tanta gente, mas de fato, não
conheci nenhuma.
Deus não nos permitiu ter esse poder, ainda bem!
Mora tantos pensamentos obscuros dentro da gente,
eu mesma, as vezes, tenho medo de mim!
Não é por preconceito, nem por seleção,
mas tem certos pensamentos que nem é bom
conhecer. O ser humano é tão desejoso de
ser, que acaba não sendo nada.
Todos nós procuramos uma maneira de se destacar, seja
na convivência a dois, ou a três, ou a mais.
Eu acho que a gente olha demais pra gente mesmo.
È!
Porque a nossa consciência é aquilo que necessitamos,
seja um remédio que tire uma dor, ou uma palavra que
dê algum impulso, ou qualquer fala que faça-nos sentir
especial.
Se não encontrarmos nada disso em nosso mundo,
acabamos por perder toda a confiança no homens.
Eu acho que tive sorte.
Aprendi desde cedo que o que sou não muda.
 Posso mudar a aparência, posso cursar faculdade,
posso amadurecer com o tempo, posso tomar
outros rumos, posso acreditar, desacreditar, fazer
ou não, mas a minha identidade, e o que sou,
 não mudam,
Eu gostaria, gostaria mesmo, de contar minha
história toda.. Os erros que cometeram comigo,
mas principalmente, contar todos os
erros que cometi com referencia a outras pessoas,
mas, isto não importa, não muda nada.
Se voltasse no tempo, eu não seria outra pessoa,
eu seria a mesma pessoa, na mesma idade e
provavelmente agiria da mesma forma.
Interessante como costumamos esperar pelo segundo seguinte
para corroborar esperanças, quando que a esperança já nasce com
a gente.
E a levamos por todos os dias, e a vivemos, pois de esperança
em esperança se vive uma vida.
(Hertinha)








quarta-feira, 20 de maio de 2015

Percepção de Deus

Me  inspirei agora a falar algo maravilhoso
que acontece comigo e
quero dividir com vocês.
Já falei muito sobre cansaço, e também sobre
tédio.
Agora preciso falar que além do cansaço e tédio, eu
aprendi alegria, a alegria de me ver como filha
de Deus, recebendo o dom da vida sobre seus olhos
atentos.e todo dia, quando desperto, me envolvo com
minhas tarefas domésticas, e logo vem aquela
consciência, de que, todo dia é a mesma coisa.
tenho que me preocupar com a limpeza, com a alimentação,
com as roupas, com a casa, enfim.
Essa é a minha tarefa. assim como cada uma tem a sua.
E hoje, eu me levantei com uma certa serenidade no olhar,
Agradeci pelo dia, pedi reconciliação comigo mesma,
e também proteção para minha família, e para a família
de todos.
Então, pela meditação, em conversa sem palavras, eu vi as
coisas em movimento: Ora uma nuvem passando, ora, um
pássaro cantando, e meus braços e minhas mãos ganhando forças
novas, percebi então, que nada vinha de mim. era a graça de
Deus trabalhando, mesmo sem merecimento.
A tardinha, já pronta para o descanso, quando tudo já estava feito,
minha casa limpinha, as roupas lavadas, alimento preparado,
eu passei a contemplar mais de perto toda aquela graça da
qual estou falando.
Ouvi sons da rua, gente passando, mães buscando seus filhos
na escola, alguns cães latindo, incomodados pelo barulho,
cheguei a conclusão de que,
a vida é um dom gratuito de Deus. A Graça Divina se manifesta
 em cada suspiro que damos, nos permitindo viver. 
Quando acordamos ou quando dormimos, tudo é pela Graça.
 O amor de Deus se manifestou em todas as espécies de seres
 vivos para revelar Sua grandeza e perfeição. A Graça é viva e doa vida a todos.
Olhar pela Graça de Deus é ver que estamos vivos por permissão
 do Senhor e que a vida que temos agora pertence a Deus.
 Por isso precisamos aproveitar cada momento, seja ele bom ou ruim.
De graça recebemos, pela graça doamos, nosso tempo, nossa
dedicação, e assim como com todo amor recebemos, também com todo
amor devemos servir.
O tempo que Deus nos dá não pode ser em vão, também não deve ser
desperdiçado com lamentações. Assim como o Senhor Jesus doou
todo o seu tempo, em fazer a sua parte como filho,  veio com
propósito, cumprindo todas as ordenanças que dizia a respeito dele,
do que lhe era cabível fazer, o fez, sem pestanejar.
Para que através Dele, e de seus ensinamentos, pudéssemos igualmente
fazer parte com ele, em todas as nossas obrigações.
A partir dessa reflexão, eu me senti totalmente segura, ganhei meu dia,
a partir de agora, a graça de Deus me basta!
Até agora, recebi de graça o dom da vida, e receberei até o ultimo dia,
pois por mais que chore ou que sofra em determinados momentos,
tudo compensa quando penso que todo poder de continuar não
mora em mim, vem de graça, diretamente dos céus..
Hertinha





terça-feira, 19 de maio de 2015

Bebendo da minha taça

Não me lembro bem quando comecei a
 ter consciência das coisas,
parece que Deus desenvolve diferentemente o tempo de cada um.
Alguns se desenvolvem precocemente, enquanto outros, demoram
mais para perceberem o que acontece ao seu redor.
Me lembro que, aos três anos de idade, eu estava meio que alheia
ao meu tempo e limite, quando percebi que minha irmã caçula revirava
os olhos, debruçada sobre um caixote, enquanto olhávamos um
pequeno avião passar.
Ela estava arroxeando como um cacho de uva a amadurecer, eu
fiquei espantada com  a sua cor, nunca vi nada igual. Gritei com toda
a força que existia em meus pulmões, como se pudesse chamar a atenção
de Deus, para que viesse em meu auxilio.
Minha mãe chegou primeiro, e ao vê-la quase que a morrer, apenas gritava e
se esperneava como um veado ferido, rolava ao chão entre lágrimas e soluços,
 deixando a situação mais pavorosa ainda. Sobre meu olhar de criança, a primeira
vista, consciente, eu fiquei abobada, aquilo me pareceu irreal.
Por sorte, aonde se precisa sempre existe um anjo, e esse anjo apareceu na
pessoa da dona Francisca, uma mulher piedosa que vivia na proximidade da
nossa casinha.
Ela chegou, e como uma rocha se pôs a fazer o necessário, colocou a minha
irmãzinha nos braços, e com suas mãos milagrosas, massageava o seu pulso quase
que inaudível e sem pressão.
Aos poucos, vi a vida voltando, minha irmã abriu seus olhinhos devagar,
 meio sem brilho,
Ela só tinha um aninho, tão pequena e tão frágil, mais parecia um botão de rosa
pálida ao nascer do sol.
Após algum tempo de pavor, ela enfim, voltou a sorrir,  e eu sem entender bem o que se passou, voltei a brincar com ela.
Engraçado como a gente guarda certos eventos na memória, como se o tempo não fizesse
tanta questão de apagar.. ainda sinto o cheiro de terra molhada, e a dor de ver minha mãe chorando,
a bondade de dona Francisca estampado em seu rosto, e minha irmã recebendo a ação
do milagre da restauração de sua vida.
Depois seguimos em frente como se nada houvesse, a não ser o doce momento a se seguir,
como premio conquistado, e a vida se pôs em seu eixo.
Só que as crianças, estão tão suscetíveis aos riscos, que certas situações exigem, eu fiquei com
minhas marcas. comecei a ter medo de chuva, assim, tão repentinamente.
Começava a sentir cheiro de chuva, minha barriga doía, e começava então um ritual. catava tudo que via a frente: galhos, roupas velhas, latas usadas e as recolhia em nosso paiol.
Todos riam do meu jeito, sem saber o tamanho da minha agonia, pois eu sofria demais com aquilo.
Eu queria proteger. eu precisava proteger, não sei o por que, mas eu precisava recolher tudo aquilo
para me sentir em paz.
Não sei ao certo, quais foram os motivos desse pânico, só sei que, por muitos anos, eu
tive muito medo de chuva. As vezes, a chuva se formava, me pegando longe de casa, e, eu corria, parecia criar asas nas pernas, e ao chegar em casa, me punha a guardar tudo que encontrava.
O tempo passou e aos poucos, esse medo fi diminuindo, ainda não estou totalmente curada, mas,
pelo menos, nuvens negras não me fazem correr.
Quando ameaça cair chuva, eu me controlo, fico com medo, mas não entro em pânico, penso que
não posso controlá-la. Ainda fico de lá para cá, até que passe, e quando alguém não está em casa, eu
fico desesperada, por não saber o que esta acontecendo.
Acho que sou controladora, e situações que não posso controlar me metem medo.
Estou lutando contra isto, aprendendo a confiar que, tudo se faz a sua maneira, independente de estar presente, ou não.
Quanto a minha irmãzinha. Ela já está com cinquenta e dois anos, se casou e tem dois filhos, vive
bem e tem saúde.. aquela fase de ataques passou.
E eu, eu estou aqui! Tentando lidar com meus medos, as vezes, tenho recaídas, mas estou
bem.
Hertinha



.

Não nascemos para morrer, morremos para viver

Há uma certa ternura em meus olhos,
passeando no jardim da vida, pois
tudo que é belo, me encanta. E tudo
é belo, quando se sabe bem o seu propósito.
Deus na refinaria, tirando do bruto para
fazê-lo especial.
Não ha regras em sua criação, se fez por seu poder
tudo que há, que debaixo de todo propósito, nasce e morre.
O mar tem seus limites, manda e  recolhe suas ondas
em tempo certo, sabe bem qual é o local de
sua morada, não ultrapassa para não lesar quem
mora ao lado.
Assim como as gaivotas deitam seus ninhos nas encostas,
bem perto do seu alimento, e se regala no poder do mar
que não produz só para ela.
Nós também dividimos nosso espaço em terra, e a terra
produz para todos, a porção seca nos abriga, sem
invadir, há limite para os dois. Mar e terra se compreendem,
cada um em seu lugar, em seu tempo se completam.
Eu vejo a vida transferida de um momento para o
o outro, meus pais transferiram a deles para mim,
eu trouxe suas identidades que também transferi
para meus filhos, que levarão adiante, e assim
consequentemente a vida permanece inalterada,
somando um com o outro como um tecer
com muitas cores.
Para compreender Deus, há uma certa necessidade de
se compreender a vida. Tudo se desenvolve em seu tempo,
o que vai faz aliança com o que fica, E assim, nada se perde.
Os peixes, as aves e os animais se reproduzem  conforme
a necessidade do propósito á que foram criados. exemplo:
Os peixes servem de alimento para a continuação da
existência de outras espécies, assim como os pássaros e
os animais. Cada um serve na natureza a seu modo.
O homem, por sua vez, está no topo da cadeia alimentar,
então, a que serve?
Serve para cuidar de tudo que está a sua volta, pode se servir de tudo,
com a consciência de que, precisa estar limitado a sua necessidade, para
não colocar em risco, os seres selecionados para se reproduzir, e dar
continuidade a espécie.
Não podemos romper a linha, tecida cuidadosamente  formando elos,
pois, uma vez rompida, todos sofrem com as consequências.
Todo o equilíbrio está nessa corrente, um dependendo do
outro, como um motor depende de todas as peças
que o compõe, na falta de um componente, não funcionará.
A natureza é sábia, todos trabalham para o bem uns dos outros,
mas vem o homem, que deveria estar acima, com poder para
pensar e para controlar, e por pura ganância coloca a sua
própria espécie em  risco.
Não nascemos para morrer.. morremos para viver.
Hertinha Fischer






domingo, 17 de maio de 2015

Aprendendo desde já...

Não se prenda a tempo.. você já está acontecendo.......
(Hertinha)
Dizem que a idade de uma árvore conta-se pelas marcas que vão se formando no tronco. Conosco não é bem assim. Há pequenos com muito mais marcas na alma que adultos, porque a vida não lhes ofereceu presentes.
Há idosos que atravessam os anos e partem, sem que tenham tirado da vida os ensinamentos que ela ofereceu.
Uma pessoa que vive muito não é aquela que chega a uma idade avançada, mas a que aproveita as experiências da vida para seu aprendizado e vai tirando o melhor de cada acontecimento.
A sabedoria não está nas rugas da pele, nem nos cabelos brancos, nem nos anos que passam. Aos 12 anos de idade, Jesus já discutia com os doutores da época. Aos 33 partiu, deixando ensinamentos necessários a todos nós.
Não importa a nossa idade, nem nossa condição, estamos aprendendo a cada instante. Só o sábio busca compreender, aceita o não, aceita estar errado, pede perdão, perdoa, procura ver o lado do outro, mesmo que isso lhe exija sacrifício.
(autor desconhecido)

terça-feira, 12 de maio de 2015

Pensando

Amamos nossos pais porque a nossa historia começa com eles, depois vamos seguindo paralelamente em busca de novos amores...Nós construímos o amor dentro da gente, ele só terá força
enquanto cultivarmos..Por isto aquela frase popular.. "O amor e o ódio andam de mãos dadas". Não nascemos sentimentais, nascemos com necessidades que vão mudando enquanto crescemos, e cada indivíduo tem as mesmas necessidades, só que de maneira diferente...Tudo na vida carece de um pouco de reflexão,, ao entendermos o processo, passamos a aceitar melhor os fracassos.
(Hertinha)

segunda-feira, 11 de maio de 2015

Não sou regra

Meio cansada! ou melhor: tão cansada
que nem tenho mais ânimo para continuar.
Eu que já caminhei tanto, cansei meus pés
de tanto andar a procura de mim.
De repente, me vejo quase sem rumo.
Dentro de mim mora a esperança, mas, fora
de mim, vejo-á quase que sumindo na linha
do horizonte dos homens.
Se ainda encontro um tiquinho de força é por
Deus, crendo em sua misericórdia e promessa.
Ando meio aflita, meu espírito se agita cada dia
que passa, como uma minhoca em terra seca,
tentando sair deste tédio que se tornou o mundo
dos homens.
Amigos já não há, apenas pessoas a procura da
beleza externa, só para mostrar-se interessante aos
olhos dosoutros, numa significância abstrata.
Desde a minha infância, busco mais do que isto,
não gosto que desejem meu físico, nunca gostei,
prefiro que me olhem de uma outra forma, meu valor
não esta na minha face, nem no meu corpo, meu valor
é o que mora dentro desta casca. Se ninguém pode
admirar o que sou, então, que me esqueça. Não
sou um nome, não sou objeto, sou uma pessoa que
busca ser o melhor que pode, que vê beleza além daquilo
que se enxerga, pela dedicação a ação, não pela beleza em si.
Um pote também pode ser belo mesmo vazio, mas, se está vazio,
a sua beleza para nada se aproveita, exceto para o olhar.
Eu sofro por não compactuar com a maioria que fica horas
se embelezando em frente ao espelho, edificando-se através
de reflexos de mentira, pois quando se veem desnuda, sem
maquiagem, não mais querem se olhar, envergonhando-se
diante de si mesmas.
Tantos dão valor para tão pouco, coisas que com o tempo,
se acabam, quando o real valor está
nas coisas mais simples: no amor, na amizade sincera, na honestidade,
no olhar para o outro com pureza, no dedicar-se mais aos outros, e perder
menos tempo consigo mesmo.
Estou mais para a solidão do que para companhias que não me preenche, pois
quando estou só, posso meditar, e quando estou acompanhada, muitas vezes,
é só para falar do outro.
Hertinha










Aversão por troca

Todos os meus desejos se foram com o tempo,
de nada adiantou querer tanto.
Quantas coisas e objetos desejados se
foram, deixaram de ter importância.
Hoje, depois de olhar para a linha do horizonte
já tão perto, fico a pensar que, de tudo que vivi, o mais
importante foi o amor com que amei, na
expectativa da reciprocidade, até entender que, de
nada vale a troca.
O que vale, é o que se dá com alegria!
Nada substitui o sentimento sincero que sentimos,
quando a troca não faz sentido.
Eu sempre pensei que eramos todos iguais, sofri
ao perceber que eu era só no mundo, eu e meus sentimentos,
eu e minhas revoltas, eu e o sentido que me faz e que me leva.
Quando realmente tenho importância para os outros?
Podem até se importar com a minha presença, ou sentir saudade
quando não me tem por perto, mas do que sou, o que penso e
até o que sinto, isto não faz a minima diferença para ninguém.
Descobri cedo demais que o que faço ou a maneira que faço,
pode fazer com que o outro me veja negativamente ou positivamente,
dependendo do que o outro pensa ou quer que eu faça, mas o
que eu sou, a maneira em que eu acredito, e em relação ao
meu sentir, não preocupa o outro.
Tenho as minhas razões para não acreditar no amor humano,
pois o amor humano raramente é para o outro, significa que, se não
satisfaz a si mesmo, se desintegra rapidamente.
É como uma luz virada para algum objeto, o objeto se
 realiza na plenitude daquele que o ilumina, porém, quando
a luz se apaga. este também perde seu brilho.
Eu já ouvi muito isto: Se você não fosse assim, provavelmente
eu não te amaria, ou.. estou com você por você ser assim, ou
fazer assim.
Isto requer uma analise: Então, as escolhas são feitas pelo que
se pode dar, quando se satisfaz com o que é dado, não é pelo
valor da pessoa em si?
Eu tenho uma certa dificuldade em aceitar migalhas, tenho
aversão por troca. pois sempre ofereço o meu melhor, e quando
preciso de algo, eu me recuso a tirar do outro. Uma união precisa
ser como uma tesoura, os dois lados trabalham em sintonia de força,
um lado não tira o mérito do outro, ambos trabalham
sem no entanto abdicar do poder daquilo que os une.
(hertinha)








sábado, 9 de maio de 2015

Construção do eu

Lá estava eu com um copo de água na mão,
um
pequeno balde em minha frente, satisfeita
pelo meu ato.
De repente, uma dor na perna: Quem me feria?
Meu pai de posse de uma corda, estava espumando
de raiva, e sem medir esforços me batia com ela.
Com os olhos marejados de lágrimas, virei-me, até fiz
xixi nas calças, e ele sem muitas explicações
me dizia aos gritos:
-Nunca mais faça isso! - Se eu  á ver novamente, entrando
na roça do japonês para apanhar o que quer que seja, você apanha!

Ai, sim, caiu a ficha!

Me lembrei, que, quando eu e o meu coleguinha voltava da escola, quis
dar-lhe um presente, e como não tinha nada de meu, entrei na plantação
de cenouras e colhi umas meia duzias de tubérculos e dei para ele,
dizendo:

 -Leva isto para sua mãe!

Nunca passou pela minha cabeça,  aquilo ser errado, nunca me disseram
que eu não podia entrar lá, Havia tanta cenoura, uma plantação enorme,
de perder de vista, algumas cenouras não iria fazer falta, nem iriam notar,
não entendia o por quê da surra.

Mas, apanhei! E doeu muito, até a alma sentiu, e não podia nem me dar ao luxo
de me defender.

Conforme o tempo foi passando, eu ia crescendo, logo completaria meus sete anos
de idade, agora já tinha consciência da data, e continuava a fugir de encrencas, pois me
considerava uma adulta.
Terminei o primeiro ano de estudo, ganhei da professora meu primeiro livro, "Gata borralheira"!
Acabara de completar sete anos, e já alfabetizada, me deliciei com a história do príncipe e da
princesa, também comecei a ter contato com o mundo através das letras, não havia nenhuma revista
que não passasse pelas minhas mãos, e me levasse para um mundo dos sentimentos mais diversos.
 Senti raiva da madrasta da princesa, senti amor pelo príncipe e inveja da princesa. Nossa!
como a leitura desperta na gente uma infinidade de sensações, e assim, fui me descobrindo.

Aprendi a fazer as coisas as escondidas, e até cometi algum ato delinquente em conjunto com
alguns rapazes mais velhos, como por exemplo, jogar pedras no telhado da escola, enquanto ficávamos escondidos atrás de uma moita.
Naquela época, a professora morava no prédio da escola. dava aulas num cômodo, e morava
com a filha num outro, só ia para a cidade na sexta feira, quando retornava na segunda,  isto ela fazia por todo o ano letivo.

Bem! Tão logo começou o segundo ano letivo, na época, chamada de segunda série, eu estava sentada
na primeira fileira, ia de vento em popa, tirando notas boas, só fiquei um pouco relapsa na quarta
série, quando tive uma professora linha dura, e por medo de errar e ser punida, acabei errando muito,
mas não a ponto de repetir de ano.
Enfim, terminei os estudos, meu pai só nos deixou ir até ai, para depois começar a trabalhar
na roça para ajudá-lo.

Como quarta filha, sendo o terceiro um homem, eu ficava na berlinda, quase sempre, junto com minha irmã caçula, mas, tão logo
completei dez anos, minha irmã mais velha, me colocou na fila.
Começou a me escalar para levantar cedo, acender o fogo, preparar o café. Um dia era ela, no outro minha irmã do meio, e no outro era minha vez, só o meu irmão ficava de fora, embora fosse dois anos
mais velho do que eu, pois aquilo não
era serviço para homem.

Comecei a ir para a roça, onde já me clocavam em pé de igualdade, somente quando tinha que
carregar peso, me davam a metade do peso que levavam, embora isto fosse bastante para mim, naquela idade, mas não queriam nem saber, e ai de mim, senão o fizesse.

Nas manhãs de domingo, eu ia para meu lugar favorito, subia na árvore, e ali ficava por longas horas.
Sentia-me protegida entre seus galhos, Embora sentisse um pouco de medo da altura, eu me sentia
em paz e segura,
Assim como me sentia em relação ao meu pai, segurança e medo.
 Deste meu medo, veio a insegurança, e me deu um aprendizado, que mais tarde ira afetar-me muito,
Eu nunca dizia não! Para os outros, eu era a perfeição em pessoa, porém, quando estava comigo
mesma, a sós, eu me transformava.

Ao fazer alguma coisa errada, eu sempre fingia que não era eu, se pudesse jogar a culpa no outro, eu
jogava, nunca assumia minha culpa, pensando nas consequência que isto resultaria.
Tinha uma enorme dificuldade em aceitar criticas, ficava horrorizada só com a possibilidade de
ser apanhada em alguma falta.

Completei meu estudo aos dez anos de idade, terminei a quarta série primária, naquela época,
considerada essencial pelo meu pai. Então, já me colocaram no rol dos adultos, completamente apta
para a execução de qualquer serviço.
Muitas vezes eu inventava uma dor de cabeça, chegava  até a chorar, só para meu pai me dispensar
do trabalho, para que eu pudesse ir para casa e brincar. Não tinha nenhum brinquedo de verdade,
apenas algumas latas velhas de massa de tomate, e alguns tijolos, fazia minha casinha de brinquedo, tão pobrezinha,
quanto a que nos acolhia.

Meus pais se davam muito bem, pelo menos não brigavam com muita frequência, meu pai era quem
ditava as regras, e minha mãe sempre muito obediente, acatava todas as suas ordens.
Era incrível! Ela sequer tinha a liberdade de raspar as pernas, cortar os cabelos, acertar as sobrancelhas,
ou de fumar seu cigarrinho, embora meu pai também fumasse.
Ela fazia tudo escondido, escondia até de nós! Só fiquei sabendo porque era muito esperta.

Certa manhã de sexta feira,  dia marcado para matar um porco, meu pai criava alguns animais
para fim de abate, como galinhas e porcos, era a única fonte de proteína em minha casa, raramente tínhamos acesso á outro tipo de carne, á não ser frango e carne suína.
Mas, no dia anterior ao abate tínhamos que lenhar, precisávamos de muita lenha para fritar as carnes, que ficariam armazenadas em potes de barro, entre a gordura, para que não estragassem.
 Minha irmã mais velha, como sempre, era a líder. Era ela que escolhia as árvores, que as cortava, e que distribuía para cada um de nós carregar nas costas, muitas vezes, em longa distância, e deixávamos amontoadas perto do fogão já construído para essa finalidade.
Então, ela me dava um enorme galho, e eu, pequena demais para carregar, ficava para trás, arrastando
com minhas poucas forças aquele enorme pau, chorando, e resmungando.
Mas. eu precisava chegar, essa era a meta! Se eu não conseguisse, ficaria muito feio para o meu lado.
É claro que ninguém iria me bater, mas por uma questão de honra, eu aprendi a superar as dificuldades, somente para ser aceita, eu tinha necessidade de mostrar para eles, a minha lealdade e capacidade.

Eu não sofria por trabalhar na lavoura, era até bem divertido estar entre os adultos, arrastando a enxada em meio ao milharal, ou arrancando cebolas, disputando um com o outro, quem fazia mais montes.
A tardinha, lá pelas quatro horas, meu pai nos dispensava, para regar os canteiros, cada um segurava o seu regador. eram vinte canteiros, cabia cinco para cada um. E, eu, meio sem jeito, colocava o regador no córrego, e enchendo-o caminhava lentamente sobre os canteiros, com movimento de vai e vem, quando não tinha muita força nas mãos era auxiliada pelas pernas.
Balançava o corpo ao som de uma música imaginária como Israelenses a orar, e assim, ao termino
do dia, todos voltávamos para casa, onde o jantar fumegante á mesa já nos esperava,

Depois do jantar, meu pai ligava o radio de pilha, já que não tínhamos luz elétrica, e deitávamos
no chão lá fora, para as estrelas contemplar. Contava-nos histórias incríveis nos fazendo sonhar
com outros mundos, já que o nosso mundo cabia dentro da circunferência do olhar.

Eu fiquei muito feliz, quando, enfim, completei doze anos, já ficara mocinha, e exultei ao sangrar,
cantava e dançava, como e isto fosse trazer-me mais felicidade. Ninguém tinha me falado nada sobre
menstruação, este era um dos assuntos proibidos, como qualquer assunto que se tratava de namoro,
ou sexualidade.
Devido a minha esperteza, eu aprendi observando, como tinha duas irmãs mais velha, não foi muito difícil entrar sorrateiramente em suas intimidades.
Naquele tempo, não existia absorvente íntimo, e fazia-se um pequeno travesseiro de pano velho,
que, depois de usado, havia a necessidade de o lavar. foi através dessa observação que eu
pude me inteirar do que acontecia com elas, e tendo uma ideia que, em algum dia, também aconteceria comigo.
E aconteceu mais cedo do que o esperado, me deixando eufórica, pois diziam que, uma vez mocinha, uma vez adulta.
Eu só podia comemorar, agora meus pais me dariam muito mais crédito, e consequentemente, um pouco
mais de liberdade.


No domingo seguinte minhas irmãs marcaram de ir ao cinema, e eu, mais do que rapidamente, pedi aos meus pais para acompanhá-las, e eles disseram, sim!
Nossa! que felicidade!
Pela primeira vez em doze anos, eu ia fazer coisa de adulto.

 Ir ao cinema!
 Era a gloria!

Andamos por cinco quilômetros até chegarmos ao ponto de ônibus,  caminhamos todos muito felizes.
Minhas irmãs tinham vários amigos, que seguiram junto com a gente, era uma farra, cada um contava as suas experiências, e acompanhava muitos risos. Eu fiquei encantada com aquele mundo.
 Ao chegarmos à cidade, ao descer do ônibus, eu fui caminhando entre eles, como uma senhora
bem comportada, olhando para todos os lados, entre um e outro que passava, atenta para não
perder minha irmãs de vista.

Chegamos ao cinema, o filme era para maiores de dezoito anos, e eu tentei entrar, e consegui, Meu Deus! Que lugar era aquele? Um salão enorme, muitas cadeiras, uma grande tela, e musica tocando.
Sentei-me na frente da tela, ao lado das minhas irmãs e fiquei a pensar no que viria, comecei a ficar um tanto nervosa. E se o filme mostrasse coisas proibidas, como eu poderia olhar para as minhas irmãs depois daquilo?

De repente a música parou, as luzes se apagaram, pensei que o filme já havia começado, mas, não, fazia-se propaganda antes, mas eu nem me importei, aquilo para mim, era o inimaginável, nunca tinha visto nada igual.
Então, o filme começou "O homem de Itu!" Este era o título do filme!
Não foi da forma que esperava, não continha cenas fortes, apenas engraçadas, e eu quase perdia o fôlego de tanto rir, Passou-se algum tempo, então, vi minha irmã se levantando e com as mãos fazia
gestos para que eu me levantasse. Então pensei: O filme ainda não acabou?
Porém, me levantei, e caminhamos para a saída, foi então, que uma delas comentou que o ônibus sairia do ponto, as dez horas , e era o último, se não pegássemos aquele, por certo, teríamos que dormir na rua.
Muito frustrada eu as acompanhei, mas, ainda o pior me aguardava.

Quinze quilômetros depois, hora de descer do veículo, só escuridão à nossa frente, eu fiquei assustada, afinal, seria cinco quilômetros a pé, quando não enchergávamos nem a ponta dos nossos pés.
Ainda bem que não estávamos sós. muitos rapazes e moças desceram no mesmo lugar, inclusive alguns conhecidos. Fomos caminhando pelo escuro, nos guiando pela voz, e de repente, a escuridão
foi esquecida, e entre causos e causos contados, fomos seguindo, alguém em algum momento se despedia, tomava outro rumo, e nós seguíamos em frente. Quando finalmente o último se despediu, faltava apenas alguns metros para chegarmos em nossa casa.
Que alivio, quando coloquei os meus pés dentro da sala, estava escura, meus pais já estavam dormindo, minha irmã acendeu a lamparina, e rumamos para o nosso quarto.
Entre as cobertas, eu sonhava com beijos, igualzinho o que tinha visto no filme. e pensava:
Ai! Se meu pai sondasse minha imaginação, por certo, eu apanharia, e desta vez, eu compreenderia o por quê!

Não via a hora que chegasse o próximo final de semana, ficamos sabendo que teria uma festa
na vendinha, e eu não queria perder de jeito nenhum, quem sabe, encontraria um belo rapaz, que olhasse para mim.
Fechei os olhos e... um grito na sala:- levantem! Hora de ir para o trabalho!
 Tiveram tanta disposição para sair ontem, espero que tenham a mesma disposição para
trabalhar.
Era assim que ele agia conosco, dava para depois cobrar!
Levantávamos né? Sem abrir a boca! fazer o quê? ele que mandava.
Aquela semana passou lentamente, os dias eram longos, o trabalho debaixo de sol fustigante, mas a alegria do final de semana, enfim chegou.

No domingo eu acordei com cheiro de frango frito, minha mãe levantava bem cedo para preparar
a refeição, logo após o almoço, meu pai sairia para assistir uma pelada no campo dos carecas. O bairro dos carecas era famoso, embora este não fosse seu nome oficial, seu verdadeiro nome era
bairro da Roseira, só  levava o nome de Careca por causa dos proprietários da venda que não tinham cabelos.
Essa venda ficava a cinco quilômetros de distância da nossa casa, meu pai ia a pé, pois não tínhamos condução.
Durante a semana passada houve um burburinho de que fariam uma festa junina numa venda mais próxima, apenas a alguns quarteirões de casa, meu pai não estaria lá. pois ele não gostava desses eventos, preferia sentar-se à beira do campo, e ficar conversando com os amigos que também frequentavam o mesmo  lugar.

Almoçamos! esperamos meu pai sair. E lá fomos nós, eu, meu irmão e minhas irmãs, sabíamos que
neste evento haveria muita gente de bairros vizinhos
Ficávamos andando entre as barracas feitas de bambu, de um lado para o outro, nos juntando
a gente conhecida, conversando e comendo, ao som de moda sertaneja.
De repente, notei um moço, que não tirava os olhos de mim, ficava me encarando, e pra todo lugar que ia, lá estava ele, como se eu fosse um imã.
Era muito bonito, usava camisa branca e calça jeans. exatamente como eu gostava, tinha os cabelos encaracolados, olhos castanhos delicado, e um belo sorriso enfeitando ainda mais aquela imagem
que me perseguia.
Me sentia muito desengonçada, adjetivo próprio para a minha idade, e ele parecia um homem
feito, equilibrado e dono de si.
Estremeci, quando num descuidar de meu olhar, ele se aproximou, e perguntou meu nome, eu
gelei! Será que meus irmãos não ficariam bravos se me visse conversando com alguém do sexo oposto?
Meio intimidada por este pensamento, me vi respondendo quase que indelevelmente:- Meu nome
é Ana! E o seu?
- Com um sorriso lindo nos lábios, ele me respondeu: - Nelson!
Fiquei de queixo caído, quando vi meu irmão se aproximar e cumprimenta-lo. -Vocês se conhecem? Perguntei:
Meu irmão falou primeiro: -Claro! O Nelson é um irmãozão!
Ficamos conversando um bom tempo, até que minhas irmãs também se reuniram a nós, então, toda a minha apreensão foi embora.
Estava quase escurecendo, o Nelson se ofereceu para nos dar uma carona até em casa, e minhas irmãs, tão solidarias a mim e a ele, aceitaram, pois perceberam o interesse dele por mim.
O jeep dele ficou lotado, alguns amigos dele também nos acompanhou.
Ao chegarmos em frente a nossa casa, eu me despedi dele, e ele me perguntou se poderia me encontrar no domingo seguinte, antes mesmo de responder, minha irmã mais velha respondeu por mim: Claro, no domingo, no mesmo lugar.
Ele sorriu! não sei se pelo fato de querer me ver novamente, ou pelo fato de minha irmã falar por mim.
Desci a ladeira correndo, com o coração leve. Afinal, era a primeira vez que alguém se interessava por mim. Entrei em casa, tão logo, entraram meus irmãos, porém, nada falaram a respeito.
Minha casa ficava abaixo da estrada, havia apenas um trilho que os separava, quem passava pela estrada conseguia ver o quintal de minha casa.
E o Nelson ficou parado na estrada até que eu sumisse pela porta adentro, depois ouvi o motor do carro acionando e ele foi embora, só então, eu sai para fora.
Ele fez o contorno um pouco adiante, e passou devagarinho pela estrada, eu lhe acenei com as mãos, ele buzinou e foi embora.
Outra semana difícil: Levantar cedo, ir para a lavoura, voltar para casa no final da tarde, dormir cedo,
a mesma rotina interminável.

No domingo era tão gostoso, a alegria já começava no sábado, novamente cheirinho de frango frito,
isto já se tornara marca registrada de dia de domingo. Minha mãe era a primeira a levantar-se, acendia o fogão a lenha, e como matava o frango, preparava e temperava no dia anterior, logo
pela manhã, depois de preparar o café, já começava a fazer o almoço.
Era o único dia em que podíamos acordar mais tarde, também o único dia mais feliz.
Na beira da estradinha de terra, ao lado de um pé de eucalipto, plantado numa encruzilhada, meu
amor me esperava.
Seu  Jeep era como coração de mãe, na frente, eu e ele, e atrás, meus irmãos e colegas. nunca estávamos a sós.
Nem um toque! apenas com os olhos nos amávamos, a única vez em que colocou o braço
sobre meus ombros, eu corei e empurrei seu braço para longe.
Fomos namorados por dezenas de semanas, namorados de nome, nem sei se isto era válido, mas
para mim, era a gloria.
Sentávamos a beira do barranco, a conversar sobre tudo, sempre aos olhos atentos de minhas irmãs e
de meu irmão.
Não sei que gosto tinha sua boca, nem se era de carne e osso. sabia que existia, só por estar ali.
Havia também entre nós o Manoel, um moço muito bonito que gostava da minha irmã mais velha, que
do mesmo modo tinha apenas um amor platônico, onde só o coração sentia, sem nenhum contato físico.
As vezes, subiam no poste, e de cima ficavam a nos olhar ao longe, depois jogavam balas para demonstrar carinho. Era tudo tão meigo e genuíno que transbordávamos de emoção.
Depois de algum tempo, eu senti que estava me distanciando, cansei da mesmice de todo domingo,
e terminei com o Nelson, ele ficou muito triste, e todos os amigos que estavam conosco, também se entristeceram, pois o nosso namoro era o elo dos encontros.

E a vida teve continuidade, como sempre tão generosa! sempre nos dando novos motivos para continuar.
Tive muitas experiências depois: o primeiro beijo roubado no escurinho do cinema, outras paixões
a distância, algumas leves e passageiras, outras arrebatadoras e sofrida!
Enfim, a vida foi passando, e com ela vinham novas experiências, algumas boas, outras más.
Hoje, resta muita saudade dos tempos passados, entre espigas maduras, sementeiras e renovos construímos a nossa identidade, quanta gente passou, quantos foram tão importantes, e que,
agora moram em algum lugar, talvez em algum momento lembrem-se de mim e do tempo
em que só pensávamos em viver.
(Hertinha)














































quinta-feira, 7 de maio de 2015

Vira volta

Quem de si mesmo tira proveito?
desde que se nasce é do outro que se precisa.
Ansiamos por asas é até mesmo sonhamos em
voar, quando que só andar não basta?
Mas os velhos pés é que carregam a maior
culpa quando não chegamos onde queríamos
chegar.
Não entendo o que se espera, não entendo a
não compreensão do que é de fato para ser nosso.
Será que temos mesmo algum poder sobre nós, sobre
os outros, ou ainda, sobre o que vai acontecer?
Criamos uma cartilha em nossa mente, cartografando
a via por onde teremos que caminhar, como se fosse
possível usar de ciência para nos entendermos melhor.
Para onde vai o tempo que passa,
de onde vem todo recomeço,
será só um ciclo, ou todo fim é somente
um fim?
Porque os renovos, se a alma está na semente, se da semente
seca desponta outra vez a vida, então porque temer a morte?
Porque existe a tempestade, se a mansidão também faz igualmente
 sua obra?
No meu tempo nasço, no meu tempo padeço, no meu tempo
morro, e é só isso?
Não! tem de haver algum propósito escondido, em algum momento
em algum lugar o que secou há de brotar.

(Hertinha)



domingo, 3 de maio de 2015

Cem anos é pouco

Pois é!
Aprendo todo dia, que,
se eu não fizer,
ninguém faz por mim.
As melhores pessoas só são
realmente consideradas após a morte,
só damos valor ao que perdemos,
embora debaixo da terra é que consiste
aquilo que faz a vida acontecer.
Tem muito mais valor aquilo que está escondido
dos olhos, do que aquilo que se vê.
Podemos facilmente ver uma vasilha por fora,
mas o tesouro é o que esta dentro.
Vejo meu corpo envelhecer, e o cansaço
me limitar, porém, meu pensamento vai se renovando
a medida que do tempo vou me distanciando.
Quantas coisas cabem no meu dia, embora as melhores coisas
que faço, acaba caindo no esquecimento.
As dores de parto só as mães conhecem, embora o
valor não estejam em  suas dores, e sim, no fato
de ter colocado no mundo a sua prole.
Assim passamos despercebidos, quase que,
num sussurro, pois doamos mais do que cobramos.
A formação dos meus ossos, da minha pele, e dos meus
 órgãos todos, levaram nove meses para acontecer, e mesmo
que eu queira,, cem anos é pouco para compreender de fato,
a vida que me arrasta!
(Hertinha)





Total de visualizações de página