domingo, 30 de novembro de 2014

A compreensão e a necessidade de Deus na vida

Eu não caminho nesta estrada pensando em encontrar alguém que caminhe comigo.
Eu apenas uso meus pés. Aqueles mesmos pés que me levam. que me transportam,
enquanto eu ainda os tenho.
Não aprendi a escrever para nada, nem a caminhar sem um objetivo, nem a cozinhar
sem ter fome, nem a limpar sem que esteja sujo, nem a trabalhar sem esperança.
O céu está acima, a terra abaixo, e eu estou entre os dois. Alguma obra maior está entre nós.
Não se faz calor e frio sem mudanças de temperatura, assim como não se faz criança, seres, sem que haja alguma comunhão.
Por que a inteligência nos alcança em certos sentidos, e em outros nos coloca a margem?
Se o cérebro tem tanta capacidade como dizem, o porque de não conseguirmos aproveitá-lo
como um todo?
Qual a razão da não satisfação, quando já temos de tudo?
Eu acredito mesmo que seja a falta de Alguém com o poder que não temos, com
a misericórdia que negamos, com a facilidade de mudar, de colocar as coisas, cada uma em seu lugar,
de saber das nossas necessidades, não a que procuramos, mas aquela que realmente se faz necessárias.
De poder nos dar prazer sem que para isto precisemos ser donos. de estarmos, simplesmente
satisfeitos por sermos quem somos, e que através da empatia possamos enfim aproveitarmos
a complexidade e compreender coisas simples como a própria história da vida.

Hertinha Fischer










1 + 1 = 2 não = a 0

Havia um homem de Deus que raramente falava, e quando
falava, fazia uso de parábolas e hipérboles para que seus ouvintes
resolvessem de uma vez por todas a ouvir a palavra ao invés de
dissecá-la com silogismo e lógica vã. E disse assim, bem de mansinho, para que os surdos
também ouvissem,:
-O homem tem saudades de Deus e não sabe!
Li isto em um livro ainda em tenra idade, e me marcou profundamente,
pois a única razão que nos fazem assim tão tristes, precisando de
artifícios como o álcool e as drogas para aproximarmos da condição da felicidade completa.
é realmente a falta de um Ser maior que nos dirija, que nos mostre a todo instante
que, cada um traz dentro de si a sua capacidade, mesmo que se diferencie uma da outra, mesmo assim, se completam,
Como da mistura da cor amarela e da cor vermelha se faz uma outra cor, assim também nos completamos em outro, ou em outros. E fazemos da terra algo que jamais se pensou, não mais
vazia, não mais sozinha, tendo algo além para fazê-la repleta de vida.
Que na compreensão possamos afiliar, incorporar, transbordar, alimentar, elevar, acomodar,
transmitir, mas principalmente, somar.

Hertinha Fischer.


O QUE SE COMPREENDE TAMBÉM É COMPREENSÍVEL

Oi, bom dia, Boa tarde, Boa noite, bom tesouro. vida!
Não dá para caminhar numa reta todos os dias,
as vezes nos deparamos com curvas, e o que vem por detrás dela..
Quem o sabe?
O mais importante é manter o coração sincero, puro e alegre,
independente de qualquer sentimento, apregoar para si mesmo apenas
o que é bom.
Ninguém em sã consciência  procura o que faz mal a si mesmo, há
não ser aquele que jamais acreditou em si.
Qualificamos o alimento pelo seu sabor, mas nem sempre o que tem o melhor sabor
 é o que nos faz bem.
Da mesma forma o julgar o livro pela capa.
Aprendi depois de tanto apanhar que nem sempre a quantidade de surras nos faz perfeitos,
Há quem aprenda só com o medo de apanhar.
porém alguns aprendem com uma pequena surra, e os que ainda, passam a vida inteira apanhando e nunca aprendem.
Parabéns a vida e suas diversidades, asas, pés, músculos, cantos, lamentos, e também
o que se compreende sobre isto tudo. O que se colhe, o que se planta, o que realmente satisfaz
para sempre.
De momentos em momentos se sobrevive, sem ter a menos noção do que nos faz seres que
vivem.
Eu amo! Amo as pessoas, amo os animais, amo o que me satisfaz, amo as asperezas,
as delicadezas, e também amo quem comanda tudo isto, e  tem coragem
de admitir que tudo se comporta conforme o que o faz designado. E sabe que de uma forma
ou de outra, sem dúvida, toda semente desperta e todo botão se transforma em flor, a
não ser em raras exceções.
Hertinha Fischer.






sábado, 29 de novembro de 2014

Difícil ser eu.


Não sou bonita, então tenho que me virar de outro jeito.
Não sou nenhum gênio, então tenho que ser meu mestre
para conseguir sobressair.
Não sou rica, então tenho que refrear meus desejos.
Não sou mágica, então tenho que acreditar em minhas mãos.
Não sou simpática, então tenho que usar outros artifícios.
Não sou como os outros, então tenho
que aprender solidão.
Não sou corajosa, então tenho que vencer os meus medos.
Não sou vaidosa, então tenho que ser inteligente.
Não sou.. não sou.. não sou, mas vivo.
Vivo no mar entre mariscos e tubarões sendo
 apenas sardinha.
Não sou flor, então uso as folhas para agradar.
Não sou sol, então tenho que ser combustível
para acender minhas luzes.
Não sou vento, então  me transformo em sopro,
Não sou chuva, faço minha brisa, não
sou natureza, então na artificialidade me
endureço.
Mas do que sou, não me esqueço, e sigo
Para onde minhas posses me levar...
 Herta Fischer,



Felicidade perfeita

Depois do sonho de ontem, minha alma acordou mais leve.
Tenho na memória lugares e palavras lindas,
que um dia foi plantado, e agora dão seus frutos.
Não sou eu, pois eu sou nada, mas é o tudo que mora
em mim, que me faz assim.. tão lúcida e tão louca ao mesmo tempo.
O céu da minha aurora se torna límpido, as vezes, num azul tão profundo
que transborda em minha alma, porém, logo se formam nuvens passageiras,
que o vento á beijá-la as leva para longe.
Mas, quando elas se firmam neste meu céu azul, e negras se formam,
um temporal se aproxima, e raios se desenham rapidamente abraçando a terra, 
como que se o céu e a terra fizessem amor.
Um amor tão grande que se tira faíscas, e o som do desejo se ouve em todo lugar.
 Meu coração estremece ante esse som, pois sei que a natureza em festa logo
traz estragos, e os rios transbordam de tanta felicidade diante deste casamento perfeito.
E vamos crescendo, pois tudo se renova neste amor, o amor que conhecemos e que nos
leva de um ponto a outro neste imenso caminho de nuvens, de magias, de azul, de
cores e de amores.
Mesmo que não tenha agora tantas ilusões, ainda consigo ver além de mim, um mar
de pessoas caminhando numa mesma estrada, entre encontros e desencontros, procuras
e perdas, assim como o céu que as vezes perdem as nuvens, e elas se escondem, 
para depois aparecerem novamente, como um véu a enfeitá-lo.
E agradecidos, amam seus dias e noites, o alumiar do sol e da lua, pois
nunca se cansam de se completarem para  o descobrimento da felicidade perfeita.
Herta Fischer  






sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Sonho doido


"A dor na vida de uma pessoa não muda. Mas o sabor da dor depende do lugar onde a colocamos. Então quando você sentir dor, a única coisa que você deve fazer é aumentar o sentido das coisas. Deixe de ser um copo. Torne-se um lago"
Esta noite eu tive um sonho esquisito, sonhei com
um reencontro, de um encontro que nunca aconteceu.
Meio louco isto: Mas sei lá, fiquei confusa e pensei nisto o dia inteiro.
Estava eu entre uma multidão, e algo aconteceu, alguém chegou, me
reconhecendo, um rosto que nunca vi, me saudou em sorriso.
E me abraçando, estalou um cálido beijo em minha boca, eu
pensei enquanto recebia o beijo: Não é tão bom quanto me parecia.
Então, ele se afastou perguntando: -Não me reconhece?
E eu lhe respondi quase sem pensar:- Como esquecer o primeiro amor!
E saímos andando abraçados, eu sentia seu calor, e as pessoas nos olhavam como se
quisessem entender, e ele respondendo a interrogação nos olhares disse: - Encontrei-á
 depois de cinquenta anos de procura, bem aqui, onde jamais pensei em procurar.
E eu, meio tonta não sabia o que pensar: - Vou fazer cinquenta e quatro anos neste mês,
então, meu primeiro amor aconteceu aos quatro anos de idade. Quem será ele?
E com uma certa duvida no olhar eu lhe perguntei: -Vamos ficar juntos? Ele respondeu: -Não podemos, eu sou casado. Eu pensei comigo mesma: Eu também sou.
 Eu lhe pedi que me acompanhasse até a rodoviária, tinha se perdido das minhas
irmãs e esperava encontra-las lá, no entanto, ao chegar encontrei algumas pessoas
a me olharem sorridentes, não entendi tanta alegria no rosto daquelas pessoas, E
elas me felicitaram e a seguir me colocaram a par do motivo da euforia.
-Seu pai voltou! Ouvi da boca de alguém.
-Como? Meu pai já morreu!
Sim! - disse-me alguém parecido com um dos meus tios.
Mas ele não morreu, parecia morto mas não morreu,
Neste momento quando ainda havia muitas perguntas a se fazer, o som de uma
buzina vindo de fora, me acordou, e eu fiquei me perguntando: Qual seria o significado
do sonho?

Herta Fischer







Caminhos paralelos

Os dias passam e sem querer me entrego as horas,
sou pássaro sem ninho, aprendi a ser feliz.
Vivendo como todo mundo
um dia de cada vez, fazendo exatamente o
que todo mundo faz...
Vivendo normalmente.
Eu sei que não é o que parece, se nós
não abrirmos os olhos, deixamos de
ver as bençãos.
E as bençãos do dia são incontáveis desde
que o sol nasce até seu último suspiro.
São migalhas espalhadas e um canto
majestoso, enquanto as asas se encontram,
se tocam e se amam.
E em seu doce sonar há esperança,
esperança de dias, esperança de noites,
mesmo que já não haja mais tempo.
Pois o tempo de cada um é o seu tempo,
e em seu tempo cada um acontece e
se ajeita a seu modo e lugar.

Herta Fischer




quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Arco-íris distante

Um dia eu ainda chego no final da trilha, e
quem sabe, lá, no infinito da minha procura
eu encontre meu pote de ouro.
Por enquanto: só muita lama, e alguns pontos
de terra seca, quanto muito, um pouquinho de asfalto
e areia.
E lá se completam minhas aflições, no cheiro que
ainda não sinto, só poeria, nas dores que as vezes são tantas,
mas que passam,.
E essa corredeira de risos, que as vezes chegam, que muitas vezes vai.
E eu continuo a decifrar meus enigmas, já que a vida não
me permite recuos.
Ainda estou caminhando dentro destes meus delírios que são tantos,
a vagar pelo nada, a esperar por nada, a viver em nada e quem
sabe morrer feliz.
Pois nada tenho que é meu, nada possuo que me faça falta quando
meus olhos se fecharem.
E de tudo que pensei, e de tudo que vivi, das coisas que me eram importantes,
de repente se torna apenas uma lembrança a se apagar.
Como as cores de um leve vapor encontrando com os raios de sol pala tarde,
eu apenas passo sem ser notada...Não sou arco-íris.

Herta Fischer



terça-feira, 25 de novembro de 2014

Vivemos no mundo, mas não pertencemos a ele

Tenho tantas coisas a dizer que nem cabe mais em mim.
Peço desculpas se sou  um tanto repetitiva, mas, do mundo, só
temos o que temos, e eu não gosto de ficar fantasiando, da
realidade não se foge.
Minha realidade não é diferente da de muitos: Ao acordar pela manhã,
o que me cabe é o trabalho. Pode ser diferente, pois trabalho em casa,
mas, na realidade, é apenas trabalho.
Bom, tudo isto só para dizer que o que mais me espanta ao conhecer o mundo, e suas
ilusões, é o fato de que são só vaidades e nada...nada e vaidades e correr atrás do vento.
Citarei como exemplo a tentação de Cristo no deserto:
O diabo lhe ofereceu o mundo e seus reinos, isto significa que no mundo é ele (o diabo)quem reina.
E onde reina o mal, seus súditos saem a fazer estragos.
( Novamente o transportou o diabo a um monte muito alto;
 e mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a gloria deles.
E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares.
 Então disse-lhe o Senhor Jesus: vai-te satanás, porque está escrito:
 Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a Ele servirás.
Então o diabo o deixou; e  eis que chegaram os anjos e o serviram.  Livro de mateus.)
Algumas pessoas acham que ao ser castigado é provação,
 sim, o é, mas não  é provação de Deus, pois está escrito: ( Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo,
vosso adversário anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar. Livro I S. Pedro),
Deus sempre nos deu o necessário, mas até do extraordinário fazemos reclamações,
 isto me faz lembrar das murmurações do povo israelita,
 quando Deus lhes dava maná a cada manhã, mas o povo queria carne, então Moisés lhe falou;( As vossas murmurações não são contra nós, mas sim contra o Senhor.
E amanhã vereis a gloria do Senhor, porquanto ouviu as vossas murmurações contra o Senhor, porque quem somos nós, para que murmureis contra nós?
E aconteceu que á tarde subiram codornizes e cobriram o arraial. Exodo 16)
Clamamos quando estão escassos nossos bens e esquecemos de agradecer na abundância.
Porquanto, damos mais valor as lágrimas que ao sorriso. Só na dor aprendemos o quanto somos vulneráveis. Arrependamos pois, das nossas falhas por não acreditar...
Herta Fischer.









segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Areia de sonhos

Há tempos estou aqui, e
como camelo no deserto, me alimento do pó da terra, e
de água me abasteço para que o enfrente sem aflições.
O espelho que reflete a minha face é a imensidão
das derrotas, e o pouco espalhado que ajuntei em
uma das mãos.
Numa terra sem dono, onde o sol me consome de dia, e
nas noites de temperaturas congelantes, entre dois extremos
minha alma se aflige.
Vou perdendo peso aos poucos , pois se consomem os meus dias
em privações, e as gordurosas alegrias que me fazia tão robusta. agora
se transformam em apenas consumo de ossos.
E as águas tão escassas, se encontram nas profundezas, onde
minha alma já não alcança, e nos infindáveis dias eu vagueio
procurando sombra onde não ha mais.
Apenas mistérios a esperar por mim, em cada pedra, em cada torrão,
em cada minúsculo grão de areia,
Meus passos reduzidos pela dor da canseira, minha boca seca
 enrugando a carne ao redor dela e meus olhos  a me enganar ainda insiste
em achar um lugar de descanso.
Só vejo pela frente falsas fontes a estalar seus dedos e chamar-me para
a armadilha. Quando chego mais perto, mais secura, e diante da dor, eu
me entrego as tempestades de areia, pois dela eu posso extrair confiança
de não mais ver deserto, sonhando com um enterro decente, enterrados
na areia dos meus sonhos.

Herta Fischer.







Medida certa

Há um pouco de tudo neste mundo!
 principalmente mentes tolas.
A que julga que é tudo licito.
 e que tudo convém.
   Não se dá conta  de que, quem come de tudo, há de se comer também veneno.
  O que mal se escolhe, do mal também se alimenta.
  O choro vem da dor, e a dor vem da alma.
  Quem bem escolhe, só come do melhor, e o que não escolhe come qualquer coisa
e coisa qualquer se torna.
Herta Fischer






Barquinho sobre tempestades

Você é um barquinho, como tantos outros a marear.
 De repente se formam nuvens negras e a tempestade se aproxima.
 Ventos fortes te empurram mar adentro, e sem nenhum controle
sobre você mesmo, segue a deriva.
O que fazer?
Ondas fortes batem contra seus cascos, rasga seu mastro de cima a baixo.
Agora é um barco sem navegador, completamente entregue a tempestade.
E a tempestade cruel manda seu vento destruidor fazer dançar violentamente
as águas.
E as águas querem te expulsar, engolindo a sua esperança de sobreviver. E
a luta se torna feroz e desleal, são ondas gigantes contra um barquinho indefeso
e sonhador.
 Apanha violentamente, sendo jogado de lá para cá, e de cá para lá,
como uma bola de pingue-pongue, e a fúria das águas a lhe embocar.
 Mas o pequeno barquinho não se dá por vencido, luta para vencer o vento forte
que sustenta a energia das ondas, busca energia em si mesmo, sabendo que se,
não beber tanta água fica flutuando e se mantém vivo. Então voltou a sua quilha para cima
num ultimo lapso de força que ainda restava.
De repente o vento morre, as águas se acalmam,  a tempestade se dissolve e o
pequeno barquinho cansado pode enfim respirar.
 Na vida real temos muitas experiências iguais a do barquinho, quando
nos encontramos em certas situações difíceis, principalmente quando
um vento tempestuoso mexe com nossos sentimentos, nos dando a
impressão de que já não teremos mais forças para lutar.
Porém a esperança nos cobre de força, e a vontade sempre vence.
Lembre-se, a tempestade passa, o vento morre e as ondas se aquietam em si,
e a luta intensa que travamos contra as adversidades só nos tornam mais
fortes e melhor preparados para enfrentar outras situações. Como
o pequeno barquinho venceu seus medos, venceu a força pala inteligência, Assim nós
poderemos também vencer, afinal, fomos feitos para a vida, e a vida é mais forte
que a morte....E o céu bem mais forte que a tempestade...

Herta Fischer.




domingo, 23 de novembro de 2014

Lícito gozar os bens que Deus deu, mas estes não podem satisfazer a alma

 Há um mal que tenho visto debaixo do sol, e que mui frequente é entre os homens;
 Um homem a quem Deus deu riquezas, fazenda e honra, e nada lhe falta de tudo quanto a sua alma deseja, mas Deus não lhe dá poder para daí comer, antes o estranho lho come; também isto é vaidade e má enfermidade.
 Se o homem gerar cem filhos, e viver muitos anos, e os dias do seus anos forem muitos e se a sua alma se não  fartar do bem, e além disso  não tiver um enterro, digo que um aborto é melhor que ele;
 Porquanto debalde veio, e em trevas se vai, e de trevas se cobre o seu nome;
 E ainda que nunca se viu o sol, nem  o conheceu, mais descanso tem do que o tal.
 E certamente, ainda que vivesse duas vezes mil anos, mais não gozasse o bem, não vão todos para o mesmo lugar?
 Todo trabalho do homem é para a sua boca, e contudo nunca se satisfaz a sua cobiça.
 Porque, que mais tem o sábio do que o tolo? e que mais tem o pobre que sabe andar perante os vivos?
 Melhor é a vista dos olhos do que o vaguear da cobiça; também isto é vaidade e aflição de espírito.
 Seja qualquer o que foi, já o seu nome foi nomeado, e sabe-se que é homem, e que não pode contender com o que é mais forte do que ele.
 Sendo certo que ha muitas coisas que aumentam a vaidade, que mais tem o homem de melhor?
 Porque quem sabe o que é bom nesta vida para o homem, por todos os dias da sua vaidade, os quais gasta como sombra? porque quem declarará ao homem o que será depois dele debaixo do sol?

Eclesiastes 6



;

Segundo as escrituras: Vários conselhos práticos.

GUARDA o teu pé, quando entrares na casa de Deus; e inclina-te mais a ouvir,
do que a oferecer sacrifícios de tolos. pois não sabem que fazem  mal.
 Não te precipites com a sua boca, nem o teu coração se apresse a pronunciar palavra
alguma diante de Deus; porque Deus está nos céus, e tu estás sobre a terra; pelo
que sejam poucas as tuas palavras.
Porque, da muita ocupação vem os sonhos, e a voz do tolo da multidão de palavras.
 Quando a Deus fizerem algum voto, não tardes em cumpri-lo; porque não se agrada de tolos: O que votares, paga-o.
 Melhor é que não votes do que votes e não pagues.
 Não consintas que a sua boca faça pecar a tua carne, nem digas diante do anjo que foi erro: Por que razão se iraria Deus contra a tua voz, de sorte que destruísse as obras de tuas mãos?
 Porque,, como a multidão dos sonhos é vaidade, assim também nas muitas palavras: Mas tu teme a Deus.
Se vires em alguma província  opressão de pobres, e a violência em lugar do  juízo e da justiça, não te maravilhes de semelhante caso; porque o que mais alto é do que os altos que para isso atenta; e há mais altos do que eles.
 O proveito da terra é para todos; até o rei se serve do campo.
 O que amar o dinheiro nunca se fartará do dinheiro; e  quem amar a abundância nunca se fartará
da renda: também isto é vaidade.
 Onde a fazenda se multiplica, ai se multiplica também os que a comem: que mais proveito pois
têm os seus donos do que verem-na com os seus olhos?
 Doce é o sono do trabalhador, quer coma pouco quer muito, mas a fartura do rico não o deixa dormir.
 Há mal que vi debaixo do sol, e atrai enfermidades; as riquezas que seus donos guardam para seu próprio dano;
 porque as mesmas riquezas se perdem por qualquer má ventura; e havendo algum filho nada fica na sua mão.
  Como saiu do ventre da sua mãe; assim nu voltará, indo-se como veio; e nada tomará do seu trabalho, que possa levar na sua mão.
 Também isto é um mal que causa enfermidades; que, infalivelmente, como veio, assim ele vai; e que proveito lhe vem de trabalhar para o vento.
 E de haver comido todos os seus dias nas trevas, e de haver padecido muito enfado, e enfermidades, e cruel furor?
 Eis aqui o que eu vi, uma boa e bela cousa; comer e beber, e gozar cada um do bem do seu trabalho, em que trabalhou debaixo do sol, todos os dias da sua vida que Deus lhe deu; porque esta é a sua porção.
 E quanto ao homem, a quem Deus deu riquezas e fazenda, e lhes deu poder para delas comer, e tomar a sua porção, e gozar do seu trabalho; isto é dom de Deus.
 Porque não se lembrará muito dos dias de sua vida;  porquanto Deus lhe responde na alegria do seu coração.

Eclesiastes 5







sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Quebrando regras

Pra que chorar, se o sorriso nos deixa mais bonita?
Pra que sofrer, se haverá um amanhã?
Só não ha esperança quando não cremos no dia seguinte.
E o dia seguinte, meu amigo(a), vem pra todos.
 E se não vem para alguém esse alguém nem se dá conta
Como o sol que se estende a cada manhã, solitário e calado, somos nós,
mas ao desenvolver das horas, sempre chegamos a algum lugar,
Há diversos caminhos, as vezes asfalto, as vezes terra, as vezes apenas marcas,
mas sempre da para caminhar.
O que nos faz úteis?, o querer!
Eu quebro as regras, as regras da preguiça, se não posso nadar
sobre um rio, desvio.
Eu quebro as regras do dia, se não for pela manhã, eu me alegro pela tarde.
Eu quebro as regras, eu apenas quebro as regras dentro de mim,
vencendo meus músculos, vencendo meus nervos
e colocando meus sentimentos no seu devido lugar.
Se amo, não me escondo, se não sou amada, eu me amo.
Eu posso. Se não posso, eu também posso. Meu poder
é meu querer e para o querer não existe obstáculos.
Sou dona de mim, sou dona do meu sentimento, sou
filha do dono do universo. E o mundo? o mundo eu deixo
para o mundo dos fracos.

Herta Fischer.


Tudo passa... Eu vou passando!

Crer num mundo melhor?
Eu esperei por cinquenta anos,
e nada mudou. Nem eu mesma mudei.
Desde que o mundo é mundo que sofremos por amores
não correspondidos.
Que as flores desabrocham sem que sequer percebamos.
Fazemos filhos, e os filhos se vão por estradas paralelas,
e quase sempre ficamos a observar de longe.
Amamos e as vezes somos amados, mas quase sempre
passamos na solidão.
Sonhamos com coisas e objetos, as vezes conseguimos,
mas, estamos sempre querendo o inalcançável.
Plantamos, mas nem sempre temos uma boa colheita.
E o que nos resta?
Sossegar-nos na esperança.
E de esperança e esperança nosso tempo se finda,
Se eu não cresse em ti, Senhor, eu nem sei se sobreviveria.
Sou teimosa e vou em frente, mesmo que não haja mais caminho.
Se só mata..abro uma picada, se essa picada não me satisfaz,
faço minha estrada.
Não sei ao certo onde isso vai dar, mas, dou adeus ao sofrimento,
até que o dia termine, e quando a noite tão silenciosa se deita
sobre minha esperança, na esperança
eu apenas durmo para que no dia  seguinte eu esteja preparada
para uma outra obra a se fazer,mesmo que seja
repetitiva, mesmo que seja sofrida. Me faço e me refaço toda manhã.

Herta Fischer.










quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Mundo atual

Onde foi que erramos, ou, quando foi que nos perdemos?
Porque esta onda de violência e de ódio.
Tudo que era bom e educativo passou a ser meramente especulações.
Muitos mestres pregam a liberdade, enquanto enclausuram homens de bem.
Quando não há uma certa censura, principalmente em defesa das crianças, o futuro
se torna duvidoso.
Deveríamos lutar por um mundo melhor, mas como? 
As mulheres se colocam em pé de igualdade com os homens, só que, de maneira errada.
Não há mais pureza, só atitudes animalescas, como se tudo fosse certo. Armas, drogas,sensualidade e etc...
Homens perigosos se tornam mais perigosos quando são colocados a prova, Então, quando a mulher se expõe, aumenta-se a violência contra mulheres
Esqueceram do básico para valorizar o corpo.
A tecnologia dá grandes avanços, mas os homens regridem, voltam novamente a agir como selvagens, mutilando-se e envenenando a sociedade. Tudo isto em nome de uma falsa liberdade.
Coíbem o fumo, mas liberam o álcool, a maconha e outras drogas. A ciência luta para descobrir
cura para doenças perniciosas, e não se importam com a saúde social?
De que adianta descobrir a cura para o câncer dos órgãos, quando ha um câncer mais nocivo a combater?
O álcool e as drogas, diretamente e indiretamente matam mais que outras doenças perigosas, devemos estar interessados no combate tanto de um como de outro.
Eu sei! Não sou ninguém para falar sobre o assunto, afinal, sou leiga, mas tenho olhos para ver, também faço parte da sociedade atual, e já vivi dias melhores. 
Criança não pode trabalhar, mas pode ficar nas ruas até altas horas, ouvindo aquelas musicas contendo letras fazendo apologias ao crime, a degradação da mulher, a adoração ao dinheiro e as drogas.
Não sou a favor do trabalho escravo, nem do trabalho infantil, mas também não sou a favor da exposição das crianças a esse tipo de crime, a meu ver, muito mais nocivo.
Adolescentes não podem trabalhar, não podem ajudar a mãe nos afazeres domésticos, mas podem engravidar aos quatorze anos de idade. Podem andar quase peladas na rua, falando palavrões e fazendo de tudo, como se fossem responsáveis por si?
Tudo aos avessos. E ainda para alguns, isto é certo.
Então, meus amigos, eu realmente sou um alienígena, devo ter vindo de um outro planeta, e com certeza já não caibo neste mundo.
Estamos clamando pela boa consciência das autoridades, que haja ciência, mas que também haja consciência. Um pouco de censura pode ser bom, e a sociedade aliem agradece!

Herta Fischer. 









Breve tempo e a miséria do homem



Jó roga o favor de Deus por causa do breve tempo e a miséria da vida humana.

O homem nascido da  mulher é de bem poucos dias e cheio de inquietação.
Sai como a flor e se seca, foge também como a sombra, e não permanece.
 E sobre esse tal abres os teus olhos, e a mim me fazes entrar em juízo contigo.
 Quem do imundo tirará o puro? Ninguém.
Vistos que os seus dias estão determinados, contigo está o número dos seus meses;
 e tu lhe puseste limites, e não passará além deles.
 Desvia-se dele, para que tenha repouso, até que, como o jornaleiro tenha contentamento
no seu dia.
 Porque há esperança para a árvore que, se for cortada, ainda se renovará, e não cessarão os
seus renovos.
 Se envelhecer na terra a sua raiz, e morrer o seu tronco no pó,
ao cheiro das águas brotará, e dará  ramos como a planta.
 Mas, morto o homem, é consumido; sim, rendendo o homem o espírito , então onde está?
 Como as águas se retiram do mar, e os rios se esgota, e fica seco.
 Assim o homem se deita, e não se levanta, até que não haja mais céus não acordará nem se erguerá de seu sono.
 Oxalá me escondesses na sepultura, e me ocultasses até que sua ira se desviasse, e me pusesses um limite, e se lembrasses de mim!
 Morrendo o homem, porventura tornará a viver? Todos os dias de meu combate esperaria, até que viesse a minha mudança.
 Chamar-me-ias, e eu te responderia: afeiçoa-te as obras de tuas mãos.
 Mas agora contas os meus passos; não estás tu vigilante sobre o meu pecado?
minha transgressão está selada  num saco e amontoas as minhas iniquidades.
 E, na verdade, caindo a montanha, desfaz-se, e a rocha se remove do seu lugar.
  As águas  gastam as pedras, as cheias afogam o pó da terra, e tu fazes perecer  a esperança do homem.
 Tu para sempre prevaleces contra ele, e ele passa, tu mudando o seu rosto, o despedes.
 Os seus filhos, estão em honra, sem que ele o saiba, ou ficam minguados, sem que ele o perceba.
 Mas a sua carne nele tem dores, e a sua alma nele lamenta.

Jó 14






terça-feira, 18 de novembro de 2014

Verdade

Eu quero que você saiba que juntos, poderemos resolver qualquer problema.
Qualquer problema;
Porque.
eu te amo!
Que lindo isso.
Eu gostaria. Gostaria mesmo, do fundo do meu coração.
que todas as pessoas se agarrassem ao amor, para resolver qualquer
problema.
Mesmo aqueles que não tem solução, quando temos que se resolver na
renúncia.
Amor não é só dizer que ama, nem se provar que ama, mas, amar de fato.
Longe, perto, no bem bom, no quase, no será, na dúvida, na certeza, enfim, em
qualquer situação, o amor nos salva de nós mesmos.
 Estando preenchidos de sentimentos bons, a gente deixa-se levar por sentimentos bons,
até mesmo quando tudo parece perdido.
O amor. Eu nem falo de amor verdadeiro, porque para mim, não existe amor falso, pois se é
falso, não é amor. Então, estando pleno dele (o amor) somos a criatura mais abençoada da
terra.
Pois o amor é, e sempre será, ternura e respeito, até mesmo diante do desrespeito.
Quando amamos, desejamos todo bem, aceitamos o não, nos consolamos com a alegria do outro.
Não nos conformamos com a injustiça, mas, nem por isto nos tornamos injustos.
Quando  penso no amor, eu vejo doação, altruísmo, uma fonte jorrando para quem tem sede.
E quem  nunca sentiu sede algum dia, e se regozijou com uma gota de água.
Amemos, não só de língua, mas de fato e de verdade! (bíblia)

Herta Fischer.








segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Olhos do coração

Aproximo-me do quinquagésimo quarto aniversário. Que benção!
Lembro-me das vezes em que vi minha mãe a orar por mim.
Com mãos entrelaçadas, ajoelhada no chão a pedir permissão de Deus para
que por mim, olhasse.
E, Ele olhou!
Encheu minha cabana de bençãos, me preparou um lugar, por duas vezes visitou meu ventre,
e dentro dele plantou suas sementes.
E eu, com olhos marejados, no derradeiro dia, em dor, vi a semente despontar.
E também transcorreu-me dias, muitos dias, de labuta e de medo, até que, por fim, a lavoura
cresceu.
E entre todos os lírios, meus lírios florescem com desenvoltura e simplicidade, tão
lindos e brancos como as vestes de paz.
Não me esqueci da esperança, da mesma esperança pela qual minha mãe esperou, que de toda sorte,
minha maior sorte é Deus.
E sobre estas mãos poderosas, minha alma enfim pode descansar na paz, pois conhece Quem
caminha ao lado, e Quem nos faz melhores a cada dia.
Não depende de nós, depende do tempo, da luz que se faz todos os dias, mas, também do alimento
que prazeirosamente recebemos daquele que nos dá  a real energia para continuar.
"Não só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus!"(bíblia).
 É essa palavra que nos sustenta, ou que me sustentou, mesmo quando eu ainda não a conhecia!
  Quando tive medo, meu medo me deu forças.
Ao alcançar coragem, foi ela que me deu seus motivos para continuar.
Quando se dorme não se tem consciência, mas, ao acordarmos, lembramos das responsabilidades
E é essa responsabilidade que nos carrega, multiplicando as forças dos nossos ombros.
Temos controle sobre nossas emoções? Sim, quando realmente acreditamos.
Tenho muito que pedir perdão, não me envergonho disto, muitas vezes corri feito um cavalo selvagem, e como selvagem não medi as consequências.
Ainda hoje preciso me controlar, usar as rédeas para me segurar, principalmente nas horas de revolta.
Aprendi, e ainda aprendo, uso o dia como meu conselheiro e procuro em mim um motivo para
continuar sem errar tanto.
Deus nos concedeu inteligência e bom senso, agora precisamos saber usá-lo, para não destruirmos
sua lavoura. Deixo o mundo e suas concupiscência, para voltar-me inteiramente a quem precisa. Se puder doar -me. Esqueço de mim!
Esquecendo de mim, Já não sou eu, mas Aquele que verdadeiramente vive!
Aleluia!

Herta Fischer.






sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Bom testemunho...freio de língua.

Eu amo citar textos bíblicos e até mesmo copiar alguns versículos, a fim de meditação.
Já deu para perceberem que o livro que mais gosto de ler é a bíblia, é um livro
que não cansa, que não da para ler e dizer: terminei! depois o larga esquecido e empoeirado em algum canto.
Algumas pessoas não gostam de ler, gostam mais é de ouvir, pois alegam que a bíblia é um livro
difícil de se compreender. E é mesmo, quando achamos que temos que decifrá-lo, ou que devemos
particularmente, levar tudo ao pé da letra.
Eu o uso mais como um professor, um professor que ensina a viver, a meditar e a compreender melhor o mundo carnal e espiritual, que ainda não se definiu, mas que estão tão ligados ao nosso
dia a dia.
Esse mundo que conhecemos nada mais é que engano, e tudo o que ele (o mundo) oferece é
o que mais causam dor e sofrimentos.
O desejo está tão ligado a matéria, que vivemos relapsos ao que realmente importa.
Um olho no olho, em respeito de uns para com os outros, um terno sorriso lançado
sem malicia, um abraço terno de amor e carinho valem mais do que mercados inteiros.
Mas, infelizmente, somos obrigados a concordar que, por mais que tentemos, nunca vamos nos desligar totalmente da sensualidade.
E é nesse desejo sensual, que depositamos toda a confiança de se ter um encontro com a felicidade, que para muitos é apenas gozo.
A bíblia nos relata pela palavra que não devemos estar ansiosos demais pelas coisas, pois Cristo deveria ser nosso tema, a espada do soldado e o guia do cristão, porém, nem todos são cristãos, estamos divididos em rótulos. Não participamos da mesma ceia, nem partilhamos do mesmo pão.
É como se dividisse um grande rio, nascendo no mesmo lugar, mas se espalhando conforme o
desejo das águas.
A palavra serve para edificar, corrigir e admoestar, não para fazer juízo, nem para condenar a revelia,
porque está escrito:
 Meus irmãos, muito de vós não sejam mestres, sabendo que receberemos mais duro juízo.
 Porque todos tropeçamos em muitas coisas. se alguém não tropeça em palavra, o tal é perfeito, e também "poderoso para também refrear o corpo todo."
Ora, nós pomos freio nas bocas dos cavalos para que nos obedeçam, e conseguimos dirigir todo o seu corpo.
 Vede também as naus que, sendo tão grandes, e levadas de tempestuosos ventos, se viram com um bem pequeno leme para onde quer a vontade daqueles que as governa.
 Assim também a língua é um pequeno membro, e gloria-se de grandes coisas. Vede quão grande bosque, um pequeno fogo incendeia.
 A língua também é um fogo, como mundo de iniquidade, a língua esta posta entre os nossos membros, e contamina todo o corpo, "e inflama o curso da natureza", e é inflamada pelo inferno.
 Porque toda a natureza, tanto de bestas feras como de aves, tanto de répteis como de animais do mar, se amansa e foi domada pela natureza humana.
 Mas nenhum homem pode domar a língua, é um mal que não se pode refrear, está cheia de peçonha mortal.
 Com ela bendizemos a Deus e pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos a semelhança de Deus. De  uma mesma boca procede bênção e maldição. meus irmãos, não convém que isto se faça assim.
 Porventura deita alguma fonte de um mesmo manancial água doce e água amargosa?
Pode também a figueira produzir azeitonas, ou a videira figos, assim tampouco uma fonte dar água doce e salgada?
Quem dentre vós é sábio e entendido, mostre pelo seu bom trato  as suas obras com mansidão de sabedoria.
 Mas, se tendes amarga inveja, e sentimento faccioso (partidário) em vosso coração, não vos glorieis nem minta contra a verdade.
 Essa não é  a sabedoria que vem lá do alto, mas é terrena, animal e diabólica.
 Porque onde há inveja e espírito faccioso (partidário)  ai há perturbação e toda a obra perversa.
 Mas a sabedoria que do alto vem é, primeiramente pura,, depois pacífica, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, e  sem hipocrisia.
Ora, o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que "exercitam a paz".

Tiago 3
 Esse é o verdadeiro ensinamento.  Isto deveria ser praticado e ensinado em casa, nas escolas, nas manifestações sociais familiares, etc...






Ve




quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Transição

Despertei  em meu dia, nem sei a que horas, não conhecia tempo, nem rostos,
nem nada.
E de nada me alimentava, sem gosto, sem cheiro, sem tato, apenas
existia.
De quando em quando despertava, em meu mundo, sem sol, sem chuva, sem vento,
apenas a vida que se oferecia.
Até que um dia, não sei como, a lucidez se rompeu na aurora, e como um
aluno acanhado, eu apenas aprendia.
Tombando de um lado para o outro, tentando me equilibrar nas pernas
que ainda me conduzia.
Comecei a identificar as pessoas, já sabia definir quem era João e quem era Maria.
Meus dedos tão  delicados aprenderam a se abrir e a se fechar, a pegar ou
deixar cair, e os sons eram só alegria.
Podia o mundo explodir, e todas as bombas cair, que eu nem percebia.
Tinha fome, me alimentava, tinha sede, bebia, tinha vontade de brincar, então,
me divertia.
Com bonequinhas de papel, petecas de palha de milho e nadar na água fria.
Tudo era sorrisos, até dos tombos, sorria.
Que pena que tudo passa e a gente um dia cresce e começa a agonia. de contar então, as horas e 
fazer separação entre noite e dia.
Noite dorme, dia trabalha, dinheiro paga e conhece-se economia.
Banho, perfume, identificação, consumo e mostrar aos outros o que se cria.
A leveza se torna um peso bem maior do que se via, um mundo contaminado
pela avareza e mentira.
A inocência que se vai, o adulto assim chega sem medidas entra em fria, aparências, rotulações,
comparações  e covardia.

Herta Fischer.











Pregador

Tenho todo o tempo do mundo,
enquanto ainda há um tempo para mim.

Disse eu no meu coração: Ora vem,
eu te provarei com a alegria, portanto,
goza o prazer, mas eis que também isto é vaidade.
Do riso disse: Está doido, e da alegria: De que serve esta?
Busquei no meu coração como me daria ao vinho (regendo
porém o meu coração com sabedoria), e como reteria a loucura, até ver
o que seria melhor que os filhos dos homens fizessem
debaixo do céu, durante os números dos dias de sua vida.
Fiz para mim obras magníficas: Edifiquei para mim casas:
plantei para mim vinhas.
Fiz para mim hortas e jardins, e plantei neles árvores de toda espécie
de fruto.
Fiz para mim tanques de águas, para regar com eles os bosques em
que reverdeciam as árvores.
Adquiri servos e servas e tive servos nascidos em casa, também tive
grandes possessão de vacas e ovelhas, mais que todos
os que houve antes de mim em Jerusalém.
Amontoei também para mim prata e ouro, e joias de reis das
províncias, provi-me de cantores e cantoras.
, e das delicias  dos filhos dos homens, e de instrumentos
de música de toda a sorte.
E engrandeci-me, e aumentei mais do que todos os que houve antes de mim
em Jerusalém: perseverou também comigo a minha sabedoria.
E tudo quanto desejaram os meus olhos,  não lho neguei,
nem privei o meu coração de alegria alguma, mas
o meu coração se alegrou por todo o meu trabalho,
e esta foi a minha porção por todo o meu trabalho.
E olhei eu para todas as obras que fizeram as minhas mãos,
como também para o trabalho que eu, trabalhando, tinha feito,
e eis que tudo era vaidade e aflição de espírito, e que proveito nenhum
havia debaixo do sol.
Então passei á contemplação da sabedoria, e dos desvarios, e da doidice,
porque, que fará o homem que seguir ao rei? o mesmo que outros já fizeram.
Então vi eu que a sabedoria é mais excelente do que a estultícia,
quanto a luz é mais excelente que as trevas.
Os olhos do sábio estão na sua cabeça, mas o louco anda em trevas.
então entendi eu que, o mesmo lhes sucede a todos.
Pelo que eu disse no meu coração, como acontece ao tolo,
assim me sucederá a mim, porque então busquei eu mais a sabedoria?
Então disse ao meu coração que também isto era vaidade.
 Porque nunca haverá mais lembrança do sábio do que do tolo, porquanto
de tudo nos dias futuros total esquecimento haverá. E como morre o sábio,
assim morre o tolo!
Pelo que aborreci esta vida, porque a obra que se faz debaixo do sol era penosa,
sim, tudo é vaidade e aflição de espírito.
 Também eu aborreci todo o meu trabalho, em que trabalhei debaixo do sol,
visto que eu havia de deixá-lo ao homem que viesse depois de mim.
E quem sabe se será sábio ou tolo?
contudo ele se assenhoreará de todo o meu trabalho em que trabalhei, e em que
me houve sabiamente debaixo do sol, também isto é vaidade.
 Pelo que eu me apliquei a fazer com que meu coração perdesse a esperança
de todo o trabalho, em que trabalhei debaixo do sol.
  Porque há homem cujo trabalho é feito com sabedoria e ciência, e destreza,
contudo, a um homem que não trabalhou nele, o deixará como porção sua,
também isto é vaidade e grande enfado.
 Porque que mais tem o homem, e da fadiga de seu coração,
em que ele anda trabalhando debaixo do sol?
 Porque todos os seus dias são dores, e a sua ocupação é desgosto,
 até de noite não descansa o seu coração, também isto é vaidade.
 Não é pois bom para o homem que coma e beba,
 e que faça gozar a sua alma do bem do seu trabalho?
isto também eu vi que vem da mão de Deus.
( Porque quem pode comer, ou quem pode gozar melhor do que eu?)
 Porque ao homem que é bom diante dele,
dá Deus a sabedoria e conhecimento e alegria, mas ao pecador dá trabalho,
para que ele ajunte e amontoe, e de ao bom perante a sua face,
também isto é vaidade e aflição de espírito.
Eclesiaste 2















quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Stress desnecessário

Quanta honra estar aqui meu Deus. Embora as vezes,
me sinta apenas um peso.
A juventude passou como num sonho,
e como num sonho, esqueci de
viver.
Não que não tenha aproveitado, porém, foi
num folego só.
Sonhei com um mundo melhor, até
lutei por ele, quanta pretensão, quanto
desprazer.
Nada, ou quase nada aconteceu do meu jeito,
quis fazer fogueira com gravetos molhados,
e só consegui fazer fumaça.
Não dá para enfrentar poder, sem poder.
Nem desenhar sem um bom lápis,
se é que me entende?
Nasci para ser sombra, e é
o que consegui ser.
E como uma grande sombra, eu tento aparecer,
pois as vezes, o sol me visita, e ai, eu
vejo a importância de ser apenas sombra.
`Ser o que se é, é uma questão de aceitação,
Não dá para passarinho cantar canção de cigarra, então,
não adianta lutar por aquilo que tem que ser, ou
que se não deve ou não nos é permitido mudar.
Herta Fischer.










Telhado de vidro

Tão curto está o cobertor que
mal nos cobre.
Tão sofrido está o dia que
mal nos sustenta.
Tento não ver o mal,
mas o mal está a espreita, muitas vezes
no olhar de quem mora ao lado.
Tantas competições sem sentido,
como se descobríssemos no outro,
a cada instante, um inimigo.
Ai, que saudade da soma,
dos cuidados de um para o outro,
da alegria da companhia, da
unidade do espírito.
Que saudade da família sã,
da orientação sagrada,
do sentir que o outro se importa.
Tantas pedras sufocando as flores
antes que desabrochem,
tantas almas sem esperança em Deus,
pois os homens só pregam descriminações,
embora insistam na unidade cristã.
Para cada armadilha, um laço,
para cada laço, uma mentira, e
de mentiras em mentiras,
as pessoas se enredam
em mais descriminações.
Até quando teremos
que conviver sem falar
o que pensamos, pois
democracia também se
tornou mentira.
Portas se abrem diante do eu e
se fecham entre nós.
Herta Fischer,




domingo, 9 de novembro de 2014

Bastidores

Complicado andar na contra mão, mas é isto que faço todos os dias.
Fico na retaguarda, acalentando ilusões.
Vou e fico, fico e vou.
Nos bastidores dos sonhos, ouço a plateia cantar.
E quando o espetáculo termina, tenho
meus olhos cansados de não ver.
Da mesma forma me olho no espelho, e
me vejo do lado avesso.
Não gosto da forma que
o tempo nos trata, como coisas
que se acabam amanhã.
Por causa disto, não vejo com
meus olhos, pois os olhos nos distraem,
e dificilmente nos mostram aquilo
que realmente é, e a vida aos poucos vai se distorcendo
no finito dos dias, e eu
não quero me acabar antes do tempo,
nem me distrair sem antes me conhecer
assim como realmente sou.
E o que sou?
Senão um imenso vazio como
o azulado que se mostra todos os dias
na imensidão dos céus.

Herta Fischer.




quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Contra mão

Ninguém a frente!
Ninguém a esperar por mim.
Sou só eu, e o meu desejo insano de companhia.
Dizer que caminho só. Não!
Mas ao meu lado caminha um outro sonho,
um outro ouvido,
uma outra voz.
É como viajar no espaço, onde se tem
a imensidão azulada, e os astros
rodando a distancia, e quanto mais nos aproximamos,
mais nos distanciamos.
A vida é assim. Passa-se o tempo e
passa-se com ele a virtude da paixão.
E o que fica?
Só uma vontade de voltar, mas
o caminho foi apagado, e nunca
mais, nunca mais se pode caminhar por ele.
Então, só nos resta seguir, conservando
o que se desenha pela frente, tentando
desesperadamente não permitir que
suas cores desbotem.

Herta Fischer.



Apenas amor

Por falar em amor, eis-me aqui!
Busquei-o mais que ouro e prata, na
correria da vida.
As vezes o encontrei nas coisas, mas
coisas, passam.
Outras vezes, esperei encontrar nas pessoas.
mas quase sempre se foi, sem que eu percebesse.
Hoje, procuro em mim,
e em mim, encontro-o quase que no vazio.
E este vazio se preenche com todo amor que
tenho, que dou, e que, não mais o quero com recompensa.
Insisto em amar. apenas porque contigo aprendi,
amar apenas, mesmo que as vezes me doa.
Mesmo sem resultados positivos, mesmo sem que saiba,
mesmo que no silêncio, sem palavras, nem consolo,
apenas na alegria de sentir.
Eu sei que me dirá: -É loucura!
Mas é uma loucura que me dá a sensação
de presença, mesmo estando a milhões de Quilômetros
do meu coração e de minha razão.

Herta Fischer,

Total de visualizações de página