terça-feira, 16 de agosto de 2016

Saindo do prumo

Teve um tempo em que eu pensava com meus botões; Não sou amada, não sou importante para ninguém, ninguém me vê como eu me vejo.
E assim por diante, 
Vivia tentando agradar ou me fazer vista, até duvidava de que existia um Deus, pois, acreditava que Deus precisava realizar meus mais íntimos desejos. Tudo o que eu quisesse estaria em minhas mãos se eu tivesse fé.
E, eu. achava que tinha, me descabelava por ver que a minha fé não me adiantava de nada.
E fui seguindo a minha órbita, girando como a terra em torno de si mesma. Foi quando sai do prumo e me deparei com outros lugares, outras formas de sentir, fora de mim.
Então se me abriram os olhos e eu pude ver que, a terra, na verdade, não funciona para si, ela apenas cumpre o seu dever de fazer-se o melhor lugar para outros viverem...
Herta Fischer