terça-feira, 12 de julho de 2016

Plantação divina

Eu já vivi o meu momento "duvida", Agora, quando me deparo com algum comentário sobre Crenças e ou não crenças, eu fico a pensar; - Como duvidar da existência?
Como não parar para pensar nos por quês, antes mesmo de atirar no ar, palavras desconectadas sobre
a criação?
É obvio que existe uma força maior regendo o universo, também, é obvio que existe uma força maior regendo os homens.
Se voltarmos no tempo, quando os homens faziam e se desfaziam de seus próprios semelhantes, Quando cada um vivia ou morria, segundo a vontade de quem tinha mais força.. Formavam um grande exercito para manipular este ou aquele, e famílias inteiras eram dizimadas por não existir uma só lei que os protegiam. "A lei  dos mais fortes eram piores que a lei da natureza animal, pois os animais disputam territórios e fêmeas com alguém tão forte quanto ele, Já os homens, eliminavam todos aqueles que não pertenciam ao seu clã.
Tomavam posse através do medo, espalhavam terror só para conclamar-se poderoso.
E agora, quando falamos nas leis divinas, aquela que coloca rédeas nas ações, por meio do amor uns dos outros, é tratada como mera especulação.
Não haveria nenhuma forma de contensão de violência, se não acreditássemos num Deus vingador. A não ser que a natureza nos tivesse  programado para isto.
A natureza do homem comum é selvageria, justamente por termos sido criados para dominar, sobre os que vivem no mar, nos ares e na terra. Por essa programação genética é que passamos também a querer dominar nossos semelhantes.
Num determinado ponto da história, essa força que rege o universo, a qual chamamos  Deus, e é Deus, afirmativamente, Os homens passaram do estado bruto para um estado lapidado, isto é, com mais consciência de misericórdia. aprenderam a viver em honra de um para com o outro, respeitando cada um o seu próprio limite. Propriedade sua, propriedade sua, propriedade minha, propriedade minha.
A igreja guardava os ensinamentos de Deus só para ela, pois agindo assim, ela podia manipular os homens, e manipulou até um certo ponto, separando servos e senhores, dando a impressão de que, estava do lado mais fraco, quando, se aproveitava das riquezas dos mais fortes.
Se colocou no mundo como Deus, fazendo suas próprias regras e  obrigando muitos a aceitarem seus dogmas, se apropriando, indevidamente de tudo, até de almas humanas.
No entanto, como se diz: Tudo tem seu tempo determinado, e chegou o tempo, em que a palavra de Deus se soltou de seus algozes. E chegou aos ouvidos dos homens. E os homens passaram a pensar por si mesmos.
Um pouco timidamente por força daqueles que ainda insistem em dizer que, precisamos de pontes, ainda mantem a ideia do monopólio, como se, antes, tivéssemos que passar por eles.
Eu já ouvi alguém dizer: - Não creio em nada, pois quase todos os homens cruéis diziam-se religiosos.
O próprio homem denigre a imagem de Deus quando prega o que ele mesmo não faz. Antes, ficasse quieto.
Porque conhecereis a árvore pelos seus frutos, e uma árvore produzindo maus frutos, jamais poderá ser considerada plantação de Deus, e não sendo plantação de Deus, não passa de enganador.
E pelo seus enganos, desencaminha aqueles que com muita sede chega ao pote.. por isso é que o próprio Deus nos ensina: - Porque Deus não nos deu um espírito de temor ( significa que ele nos deu o espírito, e não outro) mas de fortaleza, amor e moderação. Pois aquele que segue o cego, sendo cego também, pode facilmente cair no precipício.

Herta Fischer