segunda-feira, 5 de junho de 2017

Obsoleto sentimento


Cheguei ao entardecer
quando a auréola  do dia se desfez
 em nada.
Preguiça tinha de ver,
de sentir
o que já não tinha
Deixei, talvez, lembrança,
mas, que sei eu?
Não posso ver o
que o outro sente,
a não ser que me digam.
Mas, do que esta
na distância, do
que imagino sem som e sem
memoria?
Falou do que sentia,
e a brisa do seu falar
me trouxe redenção, até
que o ir embora foi
sua ultima palavra.
E esse silêncio ainda me
incomoda e não me dá sossego,
Quero saber se já não pensa mais em mim.
Se ainda se lembra do que sentíamos, ou
o tempo é mesmo tão cruel, a ponto
de trazer esquecimento total.
Tão obsoleto é esse sentimento
que insiste em ultrapassar medidas,
que de memoria ainda vive, e não
quer te esquecer,

Herta Fischer (Hertinha)