sábado, 14 de janeiro de 2017

Sombra

Do corpo nada sobra, a não ser o que se deita numa caixa ao adormecer
numa noite qualquer, sobre o mudo silêncio em meio
ao barulho de lágrimas.
na ânsia de preservar o que morre, me esqueço
do que permanece vivo na espera pelo
perfeito dia em que se desperta.
Amo desgastar-me só para parecer
que não morro, amo preservar em mim,
o que á outros possa interessar.
E a deriva de olhos alheios eu ando, até
me perder por completo, de mim...
Herta Fischer