quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Ateus

Engraçado como alguém pode fazer um julgamento de Deus sondando as façanhas humanas.
Diz um certo ateu: - Os homens mais temerosos e mais injustos, esses, eu os vi na igreja.. usando da palavra para tirar proveito dos homens!
Como posso confiar na misericórdia pregado Por Jesus, Se estes mesmos homens que pregam a palavra, cometem tantas atrocidades?
A primeira igreja como muitos deturpam não foi uma igreja visível, Mas, uma elevação do conhecimento do Senhor, por onde nunca se ouviu falar dele.
Levava-se a graça ao conhecimento, levava-se a salvação para os cantos mais sombrios, a fim, de que, aqueles que andavam segundo os seus costumes, longe de Deus, pudessem, então, conhecê-lo.
Depois de torná-lo conhecido, os homens pudessem, enfim, viver
em mansidão, não mais como alguém que busca, mas, como alguém que já encontrou.
Hoje eu estava conversando com uma mulher, e ela me disse o seguinte em relação ao seu irmão que morreu: - Ainda bem que ele frequentava a igreja, Assim, ele perdeu o corpo,mas,não a alma. 
Como se apenas o "frequentar" uma igreja é que faz ganhar a alma. 
Esqueceu-se do Senhor Jesus.
Muitos ainda esperam, e procuram a salvação, como se a salvação fosse: se livrar da morte, alcançar méritos terrenos, ser bem quisto, bem casado, ter filhos saudáveis, conseguir um bom trabalho etc...
Cristo nunca mencionou este tipo de salvação, muito pelo contrario, quando ele mesmo atesta: - Meu reino não é deste mundo! 
Nos diz claramente: - Para entrar no reino de Deus é necessário esvaziar-se de si mesmo, morrer para os rudimentos fracos deste mundo!
E depois nos mostrou em sua morte o que haveria de acontecer após ele:
Morte e ressurreição.
Primeiro, a ressurreição de Cristo é a benção de Deus para a humanidade perdida. Quando o homem Jesus ressuscita, Ele garante a todos os fiéis a sua futura ressurreição, sendo Ele próprio o primeiro, porque é necessário que Jesus sempre tenha a primazia. Segundo, se o primeiro homem ressuscita, os demais que andam em suas pisadas também ressuscitarão. Por fim, pelo fato de Cristo ser oferecido como sacrifício por todos na cruz, e também como a primícia da futura ressurreição, agora todos nós podemos nos fartar das dádivas do reino e da benção da vida eterna.
Como a porta na casa dos Israelitas, marcadas com sangue de cordeiro, não permitindo que a morte ali entrasse.
Como a primazia da colheita oferecida a Deus, Cristo foi o primeiro em todas as coisas, simbolizando o filho perfeito: Aquele que obedece, aquele que confia, aquele que oferece.
Deu-nos esperança para que não fiquemos amedrontados com a morte que passa por nós, que tira de nós pessoas tão amadas e preciosas.
Cristo não foi o primeiro homem a morrer, antes dele muitos já haviam morrido. Mas, foi o primeiro homem a morrer limpo, sem pecado, para que também estivéssemos limpos e pudéssemos, com ele, participar das bodas.
Os homens se corrompem e levam outros a se corromperem, por não usar a verdade como tema, por inventar modos de fazer outros confiarem em si, e não no Senhor.
E muitos, morrem miseravelmente, e miseravelmente veem outros morrendo. Por causa do homem que diz: Onde está a promessa da sua vinda? porque desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação. (2 pedro 3)
O pregador deveria dar bons exemplos, mas, não, moram em fortalezas, usam vestes talares, condenam, massacram, mentem, e ainda querem que, neles confiem.Por causa da insensatez humana é que muitos abandonam a fé e se dizem ateus, porque perderam toda a esperança.
Ainda Segundo 2 Pedro 3
Mas vós, amados, não ignoreis uma coisa: que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia.
9 - O Senhor não demora a fazer o que prometeu, como alguns pensam. Pelo contrário, ele tem paciência com vocês porque não quer que ninguém seja destruído, mas deseja que todos se arrependam dos seus pecados. 9 - O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; porém é longânimo para convosco, não querendo que ninguém se perca, senão que todos venham a arrepender-se.
Herta Fischer.