terça-feira, 20 de outubro de 2015

Apenas perfume

Hoje pela manhã, nasci meio desengonçada
e frágil, estendi minha mão
para a mágica estação do viver.
Quando, ao meio dia, viçosa
me abri para o encantamento
e ternura do dia, descarrilhei-me
numa emoção de ser.
Fervilhei na mocidade
que cheirava a jasmim, e
amei, enfim.
Quando, porém, já desgastada
pelo dia, enfim, a tarde
me surpreendeu com seus
açoites, despetalou-me
e lançou-me ao
vento que me levou.
Ao cair da noite, ainda estava
nos braços das empoeiradas
vilas, caída sobre um canto,
quase que desfalecida.
Alguém apanhou
com carinho, o que restou
de mim, e me colocou
dentro de um livrinho.
ali permaneci deitada
para sempre.
De vez em quando,
ao folhear o livro,
ainda se dão conta de
que existi....meu perfume
ainda permanece
ali!
Hertinha